Arquivo da tag: The Confessions Tour

A verdade sobre o álbum “Confessions On A Dancefloor”

stuartmadonna

O produtor Stuart Price tem um currículo impressionante, além de estar na acirrada lista de colaboradores regulares de Madonna, tendo trabalhado com ela pela primeira vez na Drowned World Tour, em 2001, e, anos depois, no aclamado álbum Confessions On A Dancefloor, em 2005. Recentemente, Price falou sobre a experiência de criar o álbum, quase uma década depois.

“Antes de criarmos o álbum, eu havia trabalhado com uma cantora chamada Juliet, durante o mês de novembro em Nova York, numa época em que a cidade está morta. Éramos só nós dois focados no trabalho. Logo após, fui direto ao trabalho com Madonna e presume que seria uma experiência muito diferente, mas ela me surpreendeu.

A grande revelação foi o comprometimento dela em evitar o ambiente exagerado e excessivo que eu esperava. Foi totalmente o contrário. Ela ajudou a criar um ambiente no qual parecíamos duas crianças no estúdio. Senti a mesma coisa quando trabalhei com Juliet. Ela era bastante… não quero dizer ‘esperta’, mas foi muito honesta quanto à música. Ela é bastante instintiva em compreender que a dance music vem de uma forma minimalista de trabalho, ao invés de exigir grandes quantias em dinheiro numa produção extravagante.

Passamos cinco ou seis semanas no meu apartamento, com o estúdio no andar de cima. Eu trabalhava em uma faixa da noite pro dia, e ela vinha depois pra gente brincar. Ela gravava melodias e eu tinha ideias, daí ela falava: ‘Beleza, vou pra casa pensar nisso’. Então, ela voltava no dia seguinte, com um verso de Hung Up ou o refrão de Sorry. Daí, eu continuava o trabalho em mais faixas pra manter o processo em andamento. Foi mais um ambiente fluido e quase infantil do que qualquer coisa mais séria.

As pessoas dizem que um álbum terá o som do momento que você vivia. Sei que, com esse álbum, tivemos momentos super produtivos, mas também foi divertido e natural. E acho que ficou perceptível.

É surpreendente que Madonna tenha uma forma tão simples de trabalhar. Eu esperava que ela entrasse com toda a comitiva e bancasse a diva, pelo menos um pouco. Bem, não me entenda mal… creio que, em vários momentos da vida, ela realmente é!

Há uma grande diferença entre Madonna e Beyoncé

madonna e beyoncé juntas together

Há uma grande diferença entre Madonna e Beyoncé. Madonna é a artista que toda cantora quer ser. Sua sexualidade sempre revolucionária é sua marca – uma forma de auto-expressão. Nos anos 90, ela usou o infame sutiã de cone de Jean Paul Gaultier com os espirais hipnóticos que enfatizavam a sexualidade, em justaposição com sua criação católica (tudo isso enquanto seduzia uma cadeira), durante a Blond Ambition Tour. Ela supostamente arrecadou quase US$ 63 milhões, o que tornou esta a turnê mais bem-sucedida à época. Uma década depois, sua The Confessions Tour, durante a qual ela cantou Live To Tell pendurada em uma cruz, rendeu a ela US$ 194,7 milhões, segundo a Billboard.

Agora, parece que Beyoncé tem estudado a cartilha. Ela vestiu uma tanga La Perla no Grammy deste ano para exibir seu corpo, enquanto apresentava Drunk In Love – também em uma cadeira – enquanto seduzia (e era seduzida) seu marido Jay-Z.

Talvez sua performance no Grammy e este lado mais atrevido sejam uma homenagem a Madge (em seu quinto e homônimo álbum, a canção e o clipe de Haunted têm sido comparados a Erotica, de Madonna). Ou talvez ela entenda que começar uma revolução pseudo-sexual em troca de lucro seja como se manter relevante.

Afinal de contas, sexo ainda vende. E outros negócios estão surgindo. A revista Forbes, por exemplo, questionou se a performance de Drunk In Love serviu para aumentar as vendas do álbum. A resposta é, “claro que sim”.

“Abri minha própria empresa”, Beyoncé contou à Billboard, sobre a Parkwood Entertainment, fundada em 2008. “Quando decidi que seria minha própria empresária, foi importante não ir a uma grande empresa de gerenciamento. Senti que queria seguir os passos de Madonna e ser uma potência, com meu próprio império, e mostrar a outras mulheres que, ao se chegar neste ponto na carreira, você não precisa assinar um contato com outra pessoa e dividir seu dinheiro e seu sucesso – você o faz sozinha”.

Mas se Beyoncé está tentando ser como Madonna, a pergunta é: “será que ela consegue?”. Não será fácil.

Após décadas na indústria, Madonna é a artista feminina que mais vendeu singles de todos os tempos. Aos 55 anos, ela vendeu mais de 300 milhões de discos em todo o mundo, arrecadou centenas de milhões em turnês sozinha e ganhou 14 Grammy em 26 indicações. A Billboard a classificou em segundo lugar, atrás apenas dos Beatles em sua última lista dos “100 mais”, tornando-a a artista solo mais bem-sucedida na história da parada de singles americana. Só no ano passado, Madonna ficou no topo da lista da Forbes de celebridades que ganharam mais de US$ 125 milhões, e, apesar do álbum MDNA não ter vendido tanto, sua turnê rendeu US$ 305 milhões.

Beyoncé, 32, tem sido uma artista solo desde o fim das Destiny’s Child em 2005, e, assim, já vendeu mais de 80 milhões de discos e ganhou 14 Grammy de 25 indicações, em apenas nove anos. Em 2009, a Billboard a nomeou a “Melhor Artista dos anos 2000” e ela também foi a “Artista do Milênio” em 2011. A Forbes registrou os ganhos de Beyoncé no ano passado em US$ 53 milhões. Sua última turnê, The Mrs. Carter World Tour, teve 132 apresentações e ela arrecadou US$ 183 milhões até o dia 12 de março.

“Beyoncé tem um controle incrível sobre sua pessoa e o que ela coloca no mundo. Você nunca sabe se existem pessoas nos bastidores que a ajudam”, disse Kevin Allred, professor na Universidade Rutgers, que estabeleceu uma aula sobre raça, gênero e políticas sexuais, chamada Politizando Beyoncé.

madonna reinvention beyoncé

“Ela colocou o controle em ação no ano passado, quando a Target escolheu não vender seu álbum homônimo após ela ter dado ao iTunes uma semana de vendas exclusivas. Bey assumiu o controle. Ela foi a uma loja Wal-Mart em Tewksbury, Massachusetts, e ofereceu a cada cliente na loja “50 dólares pra gastar com ela” durante a temporada de compras de Natal, efetivamente dando o dedo do meio à Target e, engenhosamente, dizendo “aqui está um dinheiro extra pra comprar meu álbum”.

Estar no controle é o que faz de Beyoncé a mulher de negócios que ela é – uma característica que ela aprendeu a aperfeiçoar. “Nunca estou satisfeita”, contou Beyoncé à Forbes em 2009. “Tenho certeza de que, às vezes, não é fácil trabalhar pra mim. Nunca conheci alguém que trabalhe mais pesado do que eu na minha indústria”.

E enquanto “Madonna poderia ser vista assim, com muito controle [sobre sua imagem]”, Allred contou a Quartz, “parece que existe um nível extra [com Beyoncé]. Se alguma foto desfavorável é publicada, ela é retirada da Internet”.

Beyoncé reservou cinco meses pra se preparar para o Superbowl de 2013, que é o show mais assistido do ano (Madonna levou quatro meses). Ela tomou todas as rédeas e prometeu perfeição. Gawker descreveu sua apresentação: “Beyoncé existe pra nos surpreender com perfeição e uma ética de trabalho extraordinária, e ela conseguiu fazer um espetáculo único na vida”.

Mas, de algumas formas, a perfeição de Beyoncé é um “calcanhar de Aquiles”. Para revolucionar a indústria da música, de forma tão rápida, ser melhor do que todos não é o bastante, porque tudo muda num piscar de olhos. Os artistas devem se reinventar pra permanecer no topo ou serão deixados pra trás.

Isso é algo que Madonna conhece bem. Recentemente, ela compartilhou uma foto de sua axila cabeluda no Instagram. Ela escreveu: “Cabelo grande…nem ligo!!! #artforfreedom #rebelheart #revolutionoflove”. Mas, como um escritor observou, Beyoncé não se permitirá este tipo de liberdade – ela está sempre e completamente no controle, impecável.

“Beyoncé possivelmente nunca viu uma foto desfavorável dela em qualquer mídia”, escreveu Esther Zucherman sobre o documentário de Beyoncé. “Ela está deslumbrante ao gravar closes de si mesma com pouca luz. Ela está deslumbrante quando vai trabalhar. Assistir às suas performances perfeitas é uma emoção. Assistir aos seus momentos difíceis sem perder um fio de cabelo faz você se sentir mal consigo mesmo”.

Beyoncé é o chefe, batalhadora, ambiciosa. Mas os chefes não são bons com revoluções: se Bey quer começar uma – e uma feminista – trave uma guerra ou coloque cabelo falso debaixo do braço e poste no Instagram. Ela se livra fácil disso. Mas até entender isso, ela não será como Madonna, muito menos tomará seu lugar – ela continuará agindo rapidamente. (Fonte: Quartaz)

DVD Madonna – Confessions Tour Live From New York

dvd madonna confessions tour New York NY cover

Exclusivo DVD Madonna “The Confessions Tour” ao vivo em Nova York. A filmagem é toda de telão, item indispensável para qualquer fã colecionador. Show completo. A gravação é do dia 28 de junho de 2006.

1. “Future Lovers/I Feel Love”
2. “Get Together”
3. “Like A Virgin”
4. “Jump”
5. “Confessions”
6. “Live to Tell”
7. “Forbidden Love”
8. .”Isaac”
9. “Sorry”
10. .”Like It Or Not”
11. “Sorry (Remix)”
12. “I Love New York”
13. “Ray of Light”
14. “Let It Will Be”
15. “Drowned World/Substitute For Love”
16. “Paradise (Not For Me)”
17. “Music Inferno”
18. .”Erotica”
19. .”La Isla Bonita”
20. “Lucky Star”
21. “Hung Up”

Capturas do DVD (clique para ampliá-la)

dvd madonna confessions tour New York NY

Madonna: viver polêmicas para contar histórias

Madonna

Assim como Gabriel García Márquez fez em sua famosa autobiografia “Viver para Contar”, a carreira de Madonna também poderia resumir-se sob essa máxima, que, em inglês, intitula uma de suas mais famosas músicas, “Live To Tell”, origem de uma de suas muitas e famosas polêmicas.

Até a recente denúncia do partido francês Frente Nacional contra uma montagem audiovisual apresentada em seu último show em Paris, que destacava a política Marine Le Pen (líder da legenda ultradireitista) com uma suástica na testa, muitas são as polêmicas que envolvem a chamada “ambição loira”.

Além das questões puramente eróticas, Madonna também ambienta sua música em outros pontos de muita discussão, como a homossexualidade, o catolicismo, os símbolos nacionais e o antiamericanismo. Alguns atribuem seu compromisso com a liberdade, e outros com a máxima: “Que falem mal de mim, mas falem”.

Com o single “Papa, Don’t Preach”, de 1986, Madonna acendeu ao mesmo tempo os ânimos dos setores conservadores e dos progressistas. A canção, que fala de uma adolescente grávida, fugia claramente da rígida moralidade dos anos 80, enquanto as feministas consideravam que a cantora banalizava um tema delicado.

Alguns anos depois, em 1989, Madonna lançou o clipe de “Like a Prayer”, considerado o mais escandaloso da história da rede “MTV”. Neste, a cantora se refugia dentro de uma igreja, onde, com um provocante decote, aparece para dar vida a uma estátua de um Cristo negro.

Embora a artista tenha declarado que não pretendia brincar com a religião, aquela foi a primeira vez que uma de suas músicas foi considerada como uma blasfêmia. Na ocasião, a marca de refrigerantes que patrocinou o lançamento do clipe cancelou uma campanha similar poucos dias depois.

A partir de então, os confrontos da rainha do pop com os setores mais ortodoxos do Cristianismo foram contínuos e chegaram a um ponto extremo durante a turnê “Confessions Tour”, realizada em 2006, quando a cantora interpretou “Live To Tell” descendo dos céus, pregada em uma cruz e com uma coroa de arame farpado, enquanto rostos de crianças sofrendo apareciam por trás.

A artista recebeu ameaças de sequestro da máfia russa, protestos liderados pelo ex-presidente da Polônia Lech Walesa e até uma tentativa de boicote por um sacerdote protestante holandês de 63 anos, que reconheceu ter sido o autor de uma falsa ameaça de bomba durante uma apresentação da loira em Amsterdã.

Além disso, no show desta mesma turnê em Roma, Madonna incluiu imagens de Bento XVI em uma projeção que mostrava personagens como Hitler, George W. Bush, Benito Mussolini, Vladimir Putin, Osama Bin Laden e Saddam Hussein.

Já em 2003 – em plena Guerra do Iraque, liderada pelo ex-presidente dos Estados Unidos George W. Bush -, Madonna lançou a controvertido clipe de “American Life”, que trazia imagens de conteúdo bélico em um desfile de moda.

“Me sinto muito patriota e muito orgulhosa de ser americana, mas me chateia ver que um país com tanto poder e influência esteja obcecado e motivado por valores errôneos”, disse então a cantora, que criticou a “obsessão dos americanos pelas aparências”.

Suas críticas aos políticos conservadores continuaram durante a turnê de “Sticky And Sweet” em 2008. Nesta ocasião, a cantora queimou imagens do então candidato republicano John McCain, assim como a de Adolf Hitler e de Robert Mugabe, o presidente do Zimbawe, ao som de “Get Stupid”.

Isso sem falar nos desafortunados episódios relativos a alguns símbolos nacionais. Os porto-riquenhos não viram com bons olhos o fato de a cantora nova-iorquina ter passado a bandeira deste “Estado Livre Associado” aos EUA entre as pernas durante um show em Bayamon em 1993.

Na Argentina, a cantora encontrou uma inflamada oposição a sua famosa interpretação de Eva Duarte de Perón em “Evita”. Nesta época, o então presidente Carlos Menem disse que sua escolha “não seria tolerada pelo povo argentino”. Posteriormente, Madonna também declarou que se identificava com sua personagem, com exceção desta ser “uma mulher disposta a tudo para assegurar sua ascensão social”.

Não há dúvidas que Madonna possui tantos anos de polêmica como de carreira. O próximo episódio desta lista, por exemplo, poderá ocorrer já no próximo mês de agosto, quando a cantora se apresentará em São Petersburgo. Ícone da comunidade gay, Madonna foi ameaçada pelas autoridades russas com uma multa caso ela venha a infringir a controvertida lei que proíbe “a propaganda homossexual” no país.

“Não fujo da adversidade. Durante minha atuação, eu vou falar sobre esta ridícula atrocidade”, advertiu a cantora, que provavelmente deverá ter que pagar a quantia de US$ 170 por conta desta advertência. EFE

MDNA TOUR: Católicos protestam contra show de Madonna na Polônia

Mais de 14 mil católicos da Polônia já assinaram um abaixo-assinado contra o show que Madonna fará na capital, Varsóvia, no próximo mês de agosto, um evento que “ofende Jesus Cristo e promove o homossexualidade”, segundo os organizadores da campanha, que espera angariar 100 mil assinaturas.

O site Protestuj.pl traz uma imagem da cantora imitando a crucificação de Cristo, inclusive com a coroa de espinhos, ao lado do título “Não vou ao show da Madonna“. A foto em si é de 2006 enquanto Madonna canta “Live To Tell” e fala sobre os órfãos vítimas da AIDS na África.

“As atuações de Madonna atacam à fé católica, já que a cantora ofende Jesus Cristo durante seus shows, incendeia crucifixos e se insinua usando uma coroa de espinhos. Ela também promove o homossexualidade, a voluptuosidade ao beijar outras mulheres e a pornografia ao fazer gestos e adotar posturas impróprias”, assinala um texto no site.

O dia 1º de agosto, data do show, é feriado na Polônia, quando se lembra a revolta dos varsovianos contra a ocupação nazista em 1944. Por conta disso, várias organizações de ex-combatentes também se mostraram contrárias à presença de Madonna em um dia tão significativo para o país.

O último show de Madonna na Polônia ocorreu em 15 de agosto de 2009, o dia de Nossa Senhora e das Forças Armadas, também celebrado com um feriado nacional. Na ocasião, a apresentação foi igualmente muito criticada e contou com uma forte oposição de grupos ultracatólicos e ultraconservadores, que chegaram considerar a cantora norte-americana como uma pessoa satânica.

Apesar das críticas, o show contou com a presença de aproximadamente 100 mil pessoas, que não se importaram em acompanhar a apresentação de Madonna, mesmo com a presença de opositores. Na porta do evento, eles distribuíam panfletos e exaltavam a suposta “maldade” de Madonna através de um megafone.

Depois de passar pela Europa e Estados Unidos, a turnê “MDNA” chega em dezembro ao Brasil. Ela se apresentará em 2 de dezembro no Parque dos Atletas, no Rio; no estádio do Morumbi, em São Paulo, em 4 e 5 de dezembro; e em Porto Alegre, no estádio Olímpico, em 9 de dezembro.

Madonna – The Confessions Tour completa 6 anos

Madonna - The Confessions Tour 2006Uma das mais celebradas tours de Madonna completou 6 anos nesta segunda-feira, 21: The Confessions Tour.

“The Confessions Tour” se iniciou a 21 de Maio de 2006 em Los Angeles e que terminou a 21 de Setembro do mesmo ano em Tóquio, Japão. A turnê tem como base o álbum aclamado pela crítica “Confessions on a Dancefloor”, lançado em Novembro de 2005.

A ideia inicial era fazer uma Turnê pequena, restrita a poucos. O tempo passou e as informações oficiais foram divulgadas. A Turnê de pequena não tinha nada. Os preparativos para a Turnê de Madonna iniciaram-se em meados de 2006. Em Março iniciaram-se os ensaios para a Turnê em Los Angeles com uma carga horária de treze horas de trabalho diário.

Em Abril de 2006 foram anunciados os locais pelos quais a Turnê passaria que incluía a América do Norte e a Europa. Depois do início Turnê foram anunciadas datas para duas cidades do Japão.

Desde o momento em que a Turnê foi anunciada, o seu diretor, Jamie King, afirmou que as canções a serem cantadas seriam viriam do álbum “Confessions On A Dancefloor”, com algumas canções da carreira de Madonna dos anos 80 e 90 em versão “remix”. Entre estas encontravam-se “Everybody” e “Deeper and Deeper”, temas que foram trabalhados nos ensaios, mas que foram deixadas de fora do alinhamento final.

Madonna crucificada foi o grande Marketing da Turnê. Ao cantar a canção “Live to Tell”, Madonna surge numa gigantesca cruz de espelhos enquanto nos telões são mostradas imagens de pobreza, guerras e luta para salvar as crianças infectadas por AIDS na África. Em Roma, os católicos ortodóxos ficaram indignados com a cena da crucificação e acharam uma blasfêmia. Na Alemanha, mais protestos. Em Moscou, líderes religiosos prometeram boicotar o show.

Sempre expressando sua vontade pela Paz Mundial, na performance de “Forbidden Love”, os dançarinos aparecem com o simbolo Muçulmano e Judeu desenhado na barriga e, baseado na letra da música, simulam um casal. No Bloco Disco, Madonna aparece vestida de John Travolta (Embalos de Sábado a Noite) e, depois de um strip-tease, usa um collant inteiramente branco, inspirado no grupo ABBA. A música “Everybody” chegou a ser gravada por ela, mas não chegou a entrar no script dos shows.

The Confessions Tour teve um público de 2.000.000 de pessoas.

Setlist

Bloco 1: Equestre
Introdution: Jóquei
“Future Lovers” / “I Feel Love”
“Get Together”
“Like a Virgin”
“Jump”

Bloco 2: Oriente Médio
Interlude: Confessions (contém elementos de “Live to Tell”)
“Live to Tell”
“Forbidden Love”
“Isaac”
“Sorry”
“Like It or Not”

Bloco 3: Rock / Glam Punk / Acústico
Interlude: Sorry (remix)
“I Love New York”
“Ray of Light”
“Let It Will Be”
“Drowned World/Substitute for Love”
“Paradise (Not for Me)”

Bloco 4: Disco Fever
Interlude: The Duke Mixes the Hits (contém excertos de “Erotica”, “Dress You Up”, “Holiday” e “Disco Inferno”)
“Music Inferno” (contém elementos de “Disco Inferno” e excertos de “Where’s the Party”)
“Erotica”/”You Thrill Me”
“La Isla Bonita”
“Lucky Star” (contém elementos de “Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)” e excertos de “Hung Up”)
“Hung Up”

No dia 26 de maio, The Confessions Tour CD/DVD foi lançado. Este é o segundo álbum ao vivo de Madonna. O CD acompanha o DVD realizado por Jonas Akerlund, na Wembley Arena, em Londres, nos dias 15 e 16 de Agosto de 2006.

Trailer CD/DVD

Assista ao comercial do show de Madonna 2012 no Rio de Janeiro

Madonna Comercial show Rio de JaneiroMadonna no Rio de Janeiro. A turnê MDNA WORLD TOUR chega ao Brasil em dezembro, Os destinos de Madonna são Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo. O primeiro show no Brasil será no dia 1º de dezembro no Parque dos Atletas, no Rio de Janeiro. Dia 4 será a vez dos paulistas verem a cantora no estádio do Morumbi. O último show será em Porto Alegre, no dia 9, no estádio Olímpico. Neste domingo, 29, foi divulgado o comercial oficial anunciando o show no Rio de Janeiro pela TV Globo. Assista logo abaixo.

O estilista e amigo de Madonna, Jean Paul Gaultier, fará os modelitos da nova turnê de Madonna, MDNA, que chega ao Brasil dia 1º de dezembro. Lembram-se do icônico corselet dourado de sutiã pontudo em Blond Ambition, de 1990? Foi ideia de Gautier, que também assinou os modelos de Confessions Tour, Re-Invention Tour e Drowned World Tour. Alguns figurinos também serão da grife Givenchy, do estilista Riccardo Tisci, um apaixonado pelo Brasil. “Eu venero e adoro Gaultier, que vai fazer uma das minhas fantasias e ser uma espécie de consultor de figurinos numa parte do show, com todos os meus dançarinos. Estou muito feliz que ele está fazendo isso, porque ele é um gênio. E eu provavelmente vou usar algo que Riccardo, da Givenchy. Mas o resto vai ser criado pela minha estilista Arianne Phillips”, disse Madonna durante o lançamento do perfume Truth or Dare, ontem (16), em Nova York.

Madonna deixou os fãs bem ansiosos com as novidades do show. “Músicas incríveis, danças inacreditáveis… O time de pessoas com que trabalhei no Super Bowl está trabalhando comigo (foram comparados aos acrobatas do Cirque du Soleil). Será uma festa para olhos e ouvidos”, disse à MTV News. Só para lembrar, Madonna arrebatou a crítica internacional em 12 minutos de apresentação no campeonato de futebol americano levando para o público níveis superlativos de produção e tecnologia: “Quem não foi conquistado por seu show? Os 12 minutos provaram que ela continua original e que superou muitos dos cantores que trabalham hoje e eles tem metade de sua idade”, disse a Forbes; “Desde que Liz Taylor apareceu em Cleópatra a cultura pop não tinha visto um espetáculo em tamanha escala. Isso por si só já bastou para Madonna mostrar sua subversão”, elogiou o New York Daily News.

Madonna já começou os ensaios no Coliseu de Nassau, em Long Island, Nova York, segundo o jornal Newsday. Mais um detalhe: o palco terá uma passarela em formato de V com 30 metros de comprimento (o dobro da turnê anterior).

MADONNA 2012: Madonna vai a Macys promover seu novo perfume, “Truth Or Dare”

Madonna esteve na noite desta quinta-feira, 12 de abril, no lançamento de seu novo perfume, “Truth Or Dare”, no Macy da Herald Square em Nova York.

Após passar pelo tapete vermelho, ela entrou na sala vip e recebeu seus 200 sortudos convidados e no final, respondeu também poucas perguntas dos fãs e também deu algumas entrevistas para falar sobre seu novo álbum #1, MDNA.

Qual é o seu medo?
Madonna: Não saber o que vem pela frente e de pessoas ignorantes, julgadoras.
Qual o seu vício?
Madonna: Ser amada.
O que você ainda não fez na sua vida e que gostaria de fazer?
Madonna: Snowboard
Confira as fotos

Madonna

Madonna

Madonna

Madonna

Madonna

Madonna

Madonna

MADONNA 2012 MDNA CHART: Segundo o Mediatraffic, MDNA debutou em primeiro lugar em todo planeta

Madonna - MDNAComo esperado, o 12º álbum de estúdio de Madonna, MDNA, debutou facilmente em primeiro lugar em vendas em todo planeta com 740.000 cópias em sua primeira semana de vendas. Este número é superior a coletânea CELEABRATION, de 2009, que vendeu na sua melhor semana 323 mil unidades e um pouco inferior ao álbum HARD CANDY, 758.000 mil cópias vendidas na primeira semana.

MDNA é o primeiro álbum de Madonna pela gravadora Interscope. O Box THE COMPLETE STUDIO ALBUMS vendeu 25 mil unidades na última semana. Com isso, o álbum TRUE BLUE ficou como o 39º álbum mais vendido na semana passada, LIKE A VIRGIN #40, RAY OF LIGHT #41, LIKE A PRAYER #42, MUSIC #43, o primeiro álbum de Madonna, MADONNA, como o 44º álbum mais vendido no mundo na última semana, CONFESSIONS ON A DANCEFLOOR #45, BEDTIME STORIES #46, EROTICA #47, EVITA #48 e HARD CANDY no número 49.

O single de GIVE ME ALL YOUR LUVIN’ continua vendendo bem e finalizou a semana no 21º lugar com 116.000 mil cópias. No total, GIVE ME ALL YOUR LUVIN, primeiro single do álbum MDNA, já vendeu o superior a 1.252.000 milhão de unidades.

Vale ressaltar que o MEDIATRAFFIC contabiliza as vendas apenas dos principais países do mundo. A estimativa da gravadora de Madonna é que 1,5 milhão de unidades foram vendidas do MDNA.

Ainda sobre vendas, o site Music Week noticiou que Madonna vendeu 6,2 milhões de álbuns apenas no século 21 no Reino Unido.

– 1.630.000 para MUSIC
– 850.000 para o GHV2
– 340.000 para o AMERICAN LIFE
– 1.350.000 do álbum CONFESSIONS ON A DANCEFLOOR
– 100.000 para os 3 CDs ao vivo lançados.
– 350.000 para HARD CANDY
– 500.000 para CELEBRATION
– 1.100.000 do Immaculate Collection

Nos Estados Unidos, de acordo com as vendas contabilizadas pela Soundscan, desde 1992, Madonna 29.3 milhões de álbuns.

– Madonna – 454,001
– Like a Virgin – 594,568 +
– True Blue – 407,733
– Who’s That Girl? – 50,840
– You Can Dance – 266,122
– Like a Prayer – 590,000 +
– I’m Breathless – 241,061
– The Immaculate Collection – 5,816,464
– Erotica – 1,894,092
– Bedtime Stories – 2,314,146
– Something to Remember – 2,090,586
– Evita – 2,008,556
– Ray of Light – 3,900.000
– Music – 2,945,534
– GHV2 – 1,390,905
– American Life – 685,112
– Remixed and Revisited – 129,658
– Confessions on a Dancefloor – 1,708,294
– Im Going To Tell You A Secret – 90,003
– The Confessions Tour 148,971
– Hard Candy – 739,000
– Celebration – 351,000 +
– Sticky and Sweet 75,000
– MDNA 360,000 +

NÃO DEIXE DE CURTIR A PÁGINA DO MADONNA MADWORLD NO FACEBOOK.

MADONNA MADWORLD em novo endereço: www.madonnamadworld.com.br

Madonna - Who´s That Girl - Quem É Essa GarotaO MADONNA MADWORLD, o seu site da Madonna presente na internet desde 1998, está de novo endereço: www.madonnamadworld.com.br.

O endereço www.madonnamadworld.com.br, que funcionou por 12 anos, continua por enquanto.

Obs: Como o site mudou de servidor, muitas fotos não estão abrindo. Estamos arrumando os URLs das imagens ainda.