Arquivo da tag: Hard Candy

Ghosttown é o melhor single de Madonna desde 4 Minutes

madonna ghosttown video rebel heart15

No single grudento Ghosttown, Madonna mostra que ainda é humana como todos nós e que acredita no amor, mesmo nos piores momentos. Ela promete ao amante: “Quando tudo cair, quando tudo desabar, serei o seu fogo quando a luz se apagar”, em uma das músicas mais surpreendentes em anos. A faixa retrata como uma emoção como o amor pode mudar alguém e fazê-lo se sentir muito bem por não estar sozinho. Madonna agora vive com tudo, nesta balada carinhosa e compassiva.

Continue lendo Ghosttown é o melhor single de Madonna desde 4 Minutes

Por que Rebel heart é o melhor álbum de Madonna em 10 anos?

madonna rebel heart capa colorida 2

Chris Azzopardi, editor do Q Syndicate (o serviço a cabo LGBT internacional) escreveu uma crítica muito positiva do álbum Rebel Heart. Leia:

Como uma virgem, Madonna é pura outra vez. Purificada das tendências inconvenientes que estragaram trabalhos anteriores – especialmente o juvenil e pecador Hard Candy, e MDNA, melhor, mas ainda assim uma mistura bagunçada – nossa Deusa Abençoada volta ao raio de luz e aplica um novo brilho a um velho som.

Continue lendo Por que Rebel heart é o melhor álbum de Madonna em 10 anos?

Rebel Heart é uma meditação longa, diz a Rolling Stone Magazine

madonna rebel heart cover standard

Madonna se une a Kanye, Avicii e outros em um álbum grudento e sexual

Por muitos anos, Madonna evitou a Internet, assim como o glúten. Porém, em dezembro do ano passado, a Internet decidiu parar de esperar por Madonna, e tudo deu errado: as músicas novas foram roubadas e vazadas; as respostas ligeiras e emocionais dela no Instagram vieram com palavras como “estupro” e “terrorismo”, provocando (você acertou!) atrocidades na Internet.

Continue lendo Rebel Heart é uma meditação longa, diz a Rolling Stone Magazine

REVISTA ATTITUDE sobre REBEL HEART: BITCH, ELA É MADONNA!

madonna rebel heart cd cover explicit

O júri ainda decide se o vazamento das demos do álbum Rebel Heart ajudou ou prejudicou o sucesso dele. Por um lado, forçou um lançamento comprometido e chocante, ao invés de um retorno explosivo; por outro lado, o vazamento – além do recente amor de Madonna pelo Instagram – provocou um interesse maior do público, ausente nos dois últimos álbuns.

Continue lendo REVISTA ATTITUDE sobre REBEL HEART: BITCH, ELA É MADONNA!

Não mande Madonna parar!

madonna living for love video rebel heart 2

Nesta semana, os Céus se abriram e nos deram um novo clipe da Madonna através do Snapchat. Na última década, vimos a cantora da forma mais efêmera e boba. Apesar de momentos de grandeza inegável (lembram-se da apresentação no Superbowl?) e relativo sucesso comercial, os álbuns Hard Candy e MDNA foram considerados fracos não apenas pelos críticos, mas também pelos mais ardorosos fãs.

Não dá pra negar que são grandes álbuns. O enorme sucesso de Blurred Lines prova que, por mais ínfimos que sejam, as batidas e ondas de Hard Candy chegaram cinco anos mais cedo. Mas a “hora certa”, assim como o vazamento de Rebel Heart, nem sempre esteve do lado da Rainha.

É isto que faz o lançamento do clipe ser um sucesso estrondoso. Desde Confessions On A Dancefloor, as rádios ignoram as músicas de Madonna – não importa o quão bem-sucedido ou inovador um álbum ou turnê seja, ela foi isolada como algo diferente, algo inferior ao produto “comercial”. Para ela, ter sido rebaixada a esta fase de “legado” seria menos insultante se ela fizesse música merecedora de estar neste “legado”, mas não foi o que aconteceu. Ou não exatamente.

Continue lendo Não mande Madonna parar!

Rebel Heart reforça a relevância de Madonna

madonna-interview-cover-rebel heart charts

Apesar dos críticos que insistem pra ela desistir de tudo, Madonna está determinada a dominar a cultura social mais uma vez. Ela está nas manchetes e, pela primeira vez em dois anos, o tema da conversa é a música.

Nas últimas semanas, várias demos das novas canções caíram na rede, forçando Madonna a pensar logo na próxima jogada. Numa decisão aparentemente desesperada, ela concluiu seis faixas e as disponibilizou para download no dia 20 de dezembro de 2014, além de anunciar que o 13º álbum de estúdio, Rebel Heart, agendado para lançamento apenas em 10 de março de 2015, viria com mais 13 faixas.

Cada lançamento de Madonna é tido como algo de alto padrão por críticos profissionais e fãs mais ardorosos. Por bem ou mal, a Rainha do Pop tem um legado impressionante a manter, e não é suficiente pra ela lançar um bom álbum Pop. Ela deve lançar o melhor álbum toda vez, ou seja, cada lançamento deve ditar moda e ser icônico. É por isso que os críticos e fãs não gostaram de Hard Candy (2008) e MDNA (2012). Para outros artistas como Britney Spears ou Katy Perry, estes seriam álbuns sólidos, mas, para Madonna, foram tentativas chatas de apelar ao grande público. Obviamente, não é justo, e tantas expectativas tão altas ignoram o fato de que até mesmo o trabalho mais fraco de Madonna é significantemente mais interessante do que o pop contemporâneo. Porém, é melhor isso do que aceitar tudo que ela faz simplesmente por levar o nome dela.

Ao contrário dos Little Monsters, dos Swifties e dos Arianators, os fãs de Madonna não têm medo de dizer quando ela precisa se esforçar mais, e não a defendem apenas por gostarem dela. Quando ela lançou Give Me All Your Luvin’ como primeiro single do álbum MDNA, por exemplo, os fãs a desdenharam, e a grande maioria não conteve a decepção. “Como uma artista premiê da música Pop produz um single banal e estúpido?”, pensaram eles. Tal preguiça não seria tolerada.
Se o vazamento de Rebel Heart terá impacto nas vendas da primeira semana ou não, os fãs de Madonna podem descansar, sabendo que será o melhor álbum dela desde Confessions On A Dancefloor (2005), se não melhor. Há um sentimento de alívio e respeito por ela desta vez.

A primeira faixa, Living For Love, é a mais alegre desde Express Yourself, e nos mostra por quê Madonna ainda é importante hoje. A produção, inspirada na batida House dos anos 90, é audível instantaneamente, e a letra inspiradora se encaixa na obsessão do Pop contemporâneo com otimismo e autoajuda. Como as faixas Shake It Off, da Taylor Swift; Break Free, da Ariana Grande; e Roar, da Katy Perry, Living For Love é um hino de sobrevivência. Entretanto, ao contrário dos outros grandes artistas, Madonna já viveu o suficiente para ser uma sobrevivente, o que faz a canção dela ser mais poderosa e emocionante.

Devil Pray é a segunda faixa, e lembra a Madonna mais introspectiva de Ray Of Light (1998) e American Life (2003). A canção traz Madonna em busca da salvação, e é confusa e linda ao mesmo tempo. A faixa 3, Ghosttown, também é introspectiva, e é, discutivelmente, a canção de amor mais sombria da carreira dela.

Embora fãs e críticos são unânimes em elogios às primeiras três faixas, as outras três – Unapologetic Bitch, Illuminati e Bitch, I’m Madonna – dividem opiniões. Uns admiram a audácia de Madonna em se divertir, enquanto outros acham que ela está velha demais pra cantar sobre farras. Alguns apreciam a habilidade de Madonna de experimentar sons atuais, enquanto outros queriam que ela parasse de tanto tentar permanecer relevante.

Apesar das críticas negativas, é impossível não admirar a bravura de Madonna. Em uma época em que a música Pop está saturada de jovens em seus vinte e poucos anos, a veterana de 56 assume um grande risco sempre que volta pra recuperar o trono. Ela se arrisca a isolar os fãs mais antigos, assim como se separar da geração mais jovem que não se familiariza com a personalidade mais agressiva dela. De certa forma, ela lembra o cineasta Jean-Luc Godard, que, aos 84 anos, decidiu lançar o primeiro filme digital em 3D, Goodbye To Language, em 2014. Apesar dos críticos que insistem pra ela desistir de tudo, Madonna está determinada a dominar a cultura social mais uma vez.

O fato dela ter sido bem-sucedida, pelo menos por ora, é uma conquista impressionante, e questiona a significância das vendas na era digital. Uma artista como Madonna não precisa de um sucesso #1 da mesma forma que Taylor Swift e, neste momento da carreira, ela parece estar mais interessada na qualidade da música do que em qualquer outra coisa. Ao invés de perseguir o topo das paradas como fez com Hard Candy e MDNA, Madonna finalmente parece perceber que o panorama da cultura Pop que ela dominou nos anos 80, 90 e no início do ano 2000, mudou drasticamente. Tais mudanças a liberaram e a inspiraram a fazer a música mais pessoal e coesa da carreira.

A ideia do legado de um artista merece contemplação, especialmente quando ícones como Madonna continuam criando. Como devemos medir o novo álbum de Madonna, e de que maneiras ele pode influenciar a reputação dela? As vendas da primeira semana e a quantidade de singles no Top 10 realmente importam? E as críticas positivas dos especialistas e dos fãs? Qual a importância da qualidade?

Talvez, nada disso importe, a menos que o artista entre no debate, o que Madonna segue fazendo com cada lançamento. Sempre que alguém opina a respeito dela, de forma positiva ou negativa, eles reforçam a relevância dela. Usuários de redes sociais em todo o mundo se juntaram à discussão após o lançamento-surpresa das seis canções supracitadas, uns comemorando o retorno dela, e outros condenando a carreira toda. De qualquer forma, todos se importam o suficiente para opinarem.

Quando a poeira baixar, Rebel Heart será citado como um dos melhores álbuns de Madonna, e fãs e críticos elogiarão o retorno dela à forma. Entretanto, como todos sabemos, os debates nunca foram apenas sobre música, e, mais do que tudo, Rebel Heart mostra que ela ainda é a artista mais comentada do mundo. (PopMatters)

DVD Madonna – Hard Candy Special

DVD Madonna Hard Candy frente cover capaDVD com super especial completo da fase “Hard Candy”, de Madonna, com clipes, comerciais, Promo shows e ainda divulgação de “Celebration”.

VIDEOS

– 4 Minutes
– Give It 2 Me
– Give It 2 Me (Remix)
– Miles Away
– Candy Shop
– She’s Not Me
– Beat Goes On
– Heartbeat
– Animal
– Across The Sky
– Devil Wouldn’t Recognize You
– Ring My Bell

Bônus Celebration

– Celebration
– Celebration (Fan Version)
– Revolver
– It´s So Cool (2 versions)
– Broken

Hard Candy Promo Tour

– Live at Roseland Tour (Cnady Shop, Miles Away, 4 Minutes, Hung Up, Give It 2 Me e Music)
– Like A Prayer (Haiti)
– Beat Goes On (Sicky & Sweet Tour)
– Candy Kiss
– MTV Michael Jackson Speech
– SNL Lady Gaga x Madonna


SPECIALS

– Making Of de 4 Minutes e Give It 2 Me
– Louis Vuitton Campanha
– Dolce & Gabbana Glases Advert
– MTV Interview
– Hard Candy Album TV Promos (5 comerciais)
– Youtube Messages
– Message To Ellen
– Sunsilk Commercial
– Celebration Teaser
– Filth And Wisdom Interview Promo

DVD Madonna Hard Candy atrás DVD Madonna Hard Candy cd DVD Madonna Hard Candy frente cover caps DVD Madonna Hard Candy

“The Beat is So Crazy”, escute nova música vazada de Madonna

Música Madonna e Pharrell Williams em 2007, The Beat is So Crazy do álbum Hard Candy, com Eve

O aniversário é da Madonna, mas quem ganha um presente de aniversário são os fãs. Caiu na web uma a canção escrita por Madonna e Pharrell Williams em 2007, “The Beat is So Crazy” durante concepção do álbum Hard Candy. Depois de descartada, foi oferecida para o álbum de Eve, que também não foi lançado. Ouça!

DOWNLOAD

10 motivos que provam que Madonna virá com um ótimo álbum

2009 MTV Video Music Awards - Press Room

O amor de Madonna pelo Instagram nos permitiu vê-la de novas maneiras – uma orgulhosa mãe de quatro filhos, expert em limpeza, #putasemremorsos – mas, talvez, o melhor do fato da Rainha do Pop ter descoberto a câmera do iPhone é a quantidade de informação sobre o novo álbum que ela tem atirado. Vimos fotos em estúdio, folhas com letra de música e trechos de um coral gospel e de uma orquestra em ação… algo bem emocionante está acontecendo, o que é um alívio. Para muitos fãs, Madonna nunca precisou de um álbum fantástico mais do que agora.

A última vez em que ela recebeu aplausos universais foi em 2005, quando o álbum Confessions On A Dancefloor misturou versos viciantes, letras afiadas e a produção vibrante e animada de Stuart Price para criar um clássico do pop moderno. Desde então, entretanto, as obras musicais de Madonna têm sido um pouco mais imperfeitas. Os ritmos urbanos de Hard Candy (2008) e o pop technicolor de MDNA (2012) tiveram um resultado calmo. Entre os dois, veio a compilação desleixada Celebration. Algumas pessoas, inclusive, foram longe demais e disseram que a Rainha do Pop “havia perdido o talento”.

Claro que isso é besteira. Apesar dos álbuns terem perdido um pouco da qualidade desde Confessions (e, francamente, não há desculpa para Revolver), quando Madonna acerta, ninguém é melhor do que ela. Eis 10 faixas brilhantes que ela gravou desde 2005, que provam que Madonna ainda tem muito talento.

1. Give It 2 Me
Give It 2 Me, o segundo single de Hard Candy, mostra o melhor do trabalho de Madonna com Pharrell Williams. A faixa tem os ritmos hipnóticos de Blurred Lines, sem a letra estranha ou as caretas de Robin Thicke. Como não amar?

2. Devil Wouldn’t Recognise You
Não deixe a introdução lenta te enganar. Esta faixa é mais sombria do que muito material recente de Madonna. Co-produzida por Justin Timberlake, Devil mostra Madonna confrontando um amante cheio de lábia, que se encurralou. É uma das melhores letras escritas por ela em anos.

3. She’s Not Me
Escrita quase no fim do casamento com Guy Ritchie, o ritmo dos anos 80 traz Madonna alertando seu amante que nenhuma outra mulher jamais a vencerá. O melhor deste épico de seis minutos não é a atitude da Rainha do Pop, mas a inacreditável pausa na metade da faixa, que revela um pânico na suposta confiança de Madonna. Conforme ela repete She’s Not Me várias vezes, fica difícil dizer se ela o está desprezando, ou se convencendo.

4. Candy Shop
Sim, é nesta que Madonna rosna My sugar is raw, sticky and sweet (quase 20 vezes, na verdade). Pare um pouco, sacode a poeira e se recupere. Encontre batidas R&B com uma vaga linha de baixo e versos espalhados. Candy Shop pode ser “grudenta e doce”, mas é bem por causa da geleia que é.

5. Celebration (Benny Benassi Remix)
Apesar da versão na compilação Celebration soa um pouco antiquada, o remix em vídeo é justamente uma revelação. Uma produção implacável respira novamente e o destaque é, sem dúvidas, quando tudo se distancia antes do refrão, para terminar numa batida eufórica que simplesmente exige que você jogue os braços pra cima. Ouça no trabalho, por sua conta e risco!

6. I’m Addicted
Esta é a joia na coroa do MDNA. Evocando as batidas bizarras do início do Daft Punk, I’m Addicted é uma produção eletrônica cheia de tensas camadas musicais. No fim, a canção oscila e desmorona em um delírio permanente. O sucesso que ficou de fora.

7. Love Spent
Muitos geralmente reclamam que as letras de Madonna não são mais pessoais – uma crítica rebatida por Love Spent. Apontando o dedo para Guy Ritchie pelo término do casamento, Madonna oscila entre farpas (“Acho que se eu fosse seu tesouro, você teria me apreciado mais”) e o desejo de assumir o valor do dinheiro que ele, aparentemente, amava tanto. O fato da canção trazer ecos de Hung Up é apenas a cereja no topo de um bolo extremamente agridoce.

8. Some Girls
Ela começa com uma sirene de festa rave. Algo mais precisa ser dito? Bem, talvez o fato dela ser uma das canções mais irritáveis de Madonna, por ela citar arquétipos femininos antes de destruí-los com batidas eletrônicas e turvas. “Algumas garotas não são como eu” – não há verdade maior. Um básico hino de destruição!

9. Turn Up the Radio
Fora de contexto, o refrão poderia soar arrastado e sem inspiração, mas, quando parte desta faixa bem construída, Turn Up The Radio é irresistível. É uma fantasia de fuga doce e comovente: quando a vida estiver ruim, tudo dá certo se ligarmos o rádio. Isso, felizmente, é algo que sempre fizemos facilmente por ela.

10. Gang Bang
Estrondosa, ridícula e brilhante. E co-escrita por Mika! Só Madonna!

Pharrell Williams fala de brigas com Madonna durante gravações de Hard Candy

Pharrell Williams e madonna durante o álbum hard candy e sticky & sweet tour

Pharrell Williams revelou que já se estressou com Madonna, enquanto trabalharam juntos. A dupla colaborou no álbum Hard Candy, de 2008, que também apresentou Timbaland e Justin Timberlake. Pharrell se juntou à diva no palco para algumas performances na Sticky & Sweet Tour.

Entretanto, ele revelou que o trabalho com a Rainha do Pop não foi sempre um mar de rosas e que, apesar de ser conhecido por sua canção Happy, parece que Madonna o fez sentir coisas bem diferentes.

Pharrell revelou em uma entrevista de rádio nesta semana: “A essência de tudo é que repetimos nossas gravações e esperei pra ver o resultado. Eu a vi se frustrar, então tentei distrai-la e tentar algo diferente, até ela entender”.

Ele também revelou que quando disse a Madonna pra não falar com ele tão abruptamente, ela sugeriu uma pausa pra que pudessem se entender. “Subimos e tivemos nossa discussão. Madonna estava fazendo mil coisas ao mesmo tempo, seu celular não parava, sua relação com a Warner Music estava por um fio, e todos os dias vinha um executivo para apaziguar as coisas, seu contrato estava para ser renovado, era muita pressão, até que ela teve uma briga feia com um dos executivos, e a Live Nation pressionando para fechar o contrato, era muito dinheiro em jogo, ficamos todos em silêncio durante a briga com o tal cara, eu, Timberlake, Timba e toda equipe técnica, foi então que a Madonna resolveu não renovar mais seu contrato. Ela ligou para alguém e minutos depois Arthur Forgel chegouEla colocou as cartas na mesa com os executivos da Live Nation e disse quais seriam seus termos para que ela assinasse, caso contrário, continuaria na Warner. E ela não estava gostando de como as músicas estavam ficando, a Warner cobrando, e ela estava preparando sua tour já. Seu cronograma é extenso, não sei como ela aguenta, ela faz mil coisas ao mesmo tempo, ela comanda tudo, sabe tudo o que se passa, eu disse a ela para ela relaxar diversas vezes. A gravadora queria uma coisa, a Madonna outra, e você sabe, no fim quem vence é ela, e os desentendimentos eram constantes. E eu e a Madonna defendemos muitos nossos pontos de vista, por isso houve tantas brigas. Mas no fim, tudo ficou bem e nos abraçamos. Ela chorou por horas nos meus ombros, eu também, e no outro dia tudo estava bem. Trabalhar com ela foi uma experiência incrível, e vi que realmente ninguém consegue passar a perna nela. Aprendi muito com ela sobre negócios e sei que ela aprendeu muito comigo também. Dias depois voltamos às gravações do álbum e tudo estava bem, calmo, fluindo novamente.”

Apesar de não ser um problema se você achar que Madonna é alguém com quem não se deve discutir, ela revelou numa entrevista em 2008 que Pharrell a fez chorar. “Eu estava sensível, cantando e não entendia o ritmo que ele queria. Foi difícil e eu fiquei chocada com a forma com que ele falou comigo, então eu disse ‘Sabe de uma coisa? Precisamos conversar’”.

“Subimos e eu disse que ele não poderia falar comigo daquele jeito, daí eu caí no choro. Ele disse ‘Oh, meu Deus! Madonna tem coração’, e eu fiquei tipo ‘O quê?!’ e comecei a chorar mais ainda”.

Enquanto isso, Pharrell chorou um pouco recentemente, ao ver um vídeo de fãs dançando ao som de seu sucesso Happy, durante uma conversa com Oprah Winfrey.