Arquivo da tag: Ray Of Light

De fã para fã, CD duplo Madonna GHV2 Remixed (The Best Of 1991-2001)

Disponível no Madonna Madworld o CD duplo Madonna GHV2 Remixed (The Best Of 1991-2001), trazendo os remixes do álbum promo lançado para DJs, e que hoje é uma raridade. O CD é uma réplica perfeita do oficial, preparado especialmente para os fãs da rainha do pop.

O CD/LP triplo Madonna GHV2 Remixed foi lançado em novembro de 2001 e trás o seguinte track-listing:

DISCO ONE:
1. What If Feels Like For A Girl (That Kid Chris Caligula 2001 Mix) 9:51
2. Don’t Tell Me (Timo Maas Mix) 6:55
3. Drowned World / Substitute For Love (BT & Sasha Bucklodge Ashram Mix) 9:27
4. Human Nature (Bottom Heavy Dub) 7:56
5. Frozen (Extended Club Mix) 11:17
6. Erotica (Masters At Work Dub) 4:50
7. Take A Bow (Silky Soul Mix) 4:13 (bônus)
8. GHV2 Megamix (Johnny Rocks & Mac Quayle Club Mix) 8:18 (bônus)

DISC TWO:
1. Deeper & Deeper (David’s Klub Mix) 7:39
2. Ray Of Light (Calderone CLub Mix) 9:30
3. Beautiful Stranger (Calderone Club Mix) 10:12
4. Bedtime Story (Luscious Dub Mix) 7:40
5. Secret (Junior’s Sound Factory Dub) 7:58
6. Music (HQ2 Club Mix) 8:50
7. The Power of Good-Bye (Fabien’s Good God Mix) 8:24 (bônus)
8. GHV2 Megamix (Thunderpuss Extended Club Mix) 4:47 (bônus)

Continue lendo De fã para fã, CD duplo Madonna GHV2 Remixed (The Best Of 1991-2001)

BLU-RAY MADONNA DROWNED WORLD TOUR

Bluray Madonna Drowned World Tour cover

Sensacional Bluray de uma das mais aclamadas tours de Madonna, “Drowned World Tour”. Alta resolução de imagem, 1080p, widescream, som surround 5.1.

1. Drowned World/Substitute for Love
2. Impressive Instant
3. Candy Perfume Girl
4. Beautiful Stranger
5. Ray Of Light
6. Paradise (Not for Me)
7. Frozen
8. “Open Your Heart” Swell
8. Nobody’s Perfect
9. Mer Girl (Part I)
10. Sky Fits Heaven
11. Mer Girl (Part II)
12. I Deserve It
13. Don’t Tell Me
14. Human Nature
15. The Funny Song
16. Secret
17. Gone
18. Don’t Cry for Me Argentina (Instrumental)
19. Lo Que Siente la Mujer (What It Feels Like for a Girl)
20. La Isla Bonita
21. Holiday
22. Music

Qualquer dúvida, escreva para mvlmoraes@gmail.com ou no Fale Conosco aqui.

 

Bluray Madonna Drowned World Tour

Continue lendo BLU-RAY MADONNA DROWNED WORLD TOUR

Madonna visita Quênia e vai às lágrimas

Madonna - quenia

Madonna ficou em lágrimas durante uma viagem ao Quênia, ao ouvir um homem descrever o estupro de sua filha de cinco anos por um vizinho, na favela de Kibera, na capital, Nairóbi. O encontro dos dois se deu em meio à visita da cantora americana a uma das maiores favelas da África. Segundo um assessor, Madonna foi ao local para ver como poderia ajudar a melhorar a vida dos moradores.

Continue lendo Madonna visita Quênia e vai às lágrimas

Madonna mais pessoal do que nunca em Melbourne

madonna tears of clown rebel heart tour australia

O show Tears Of A Clown de Madonna foi o tipo de coisa que você nunca imaginou ver uma popstar fazendo. Depois do show de duas horas terminar, pouco antes das 3 da manhã, muitos fãs saíam do teatro Forum pensando: “O que eu acabei de ver?”, e também se perguntando como chegavam em casa.

Como prometido, Madonna apresentou uma mistura de música, comédia e histórias. Tudo no tempo dela. Ela ensaiou até as 23h, deixando os fãs esperando do lado de fora – na chuva – até pouco depois da meia-noite, quando os portões se abriram.

Continue lendo Madonna mais pessoal do que nunca em Melbourne

Produtor afirma: 6 canções minhas não entraram no álbum Ray Of Light

Rick Nowels - MADONNA - ray of light

Com 30 anos de carreira, Rick Nowels é um compositor, produtor e músico bem-sucedido e respeitado, que já criou sucessos e produziu álbuns com grandes artistas, incluindo Madonna (na faixa The Power Of Goodbye).

Em entrevista com a revista online de música Soundwriter Universe, ele falou de alguns sucessos, da recente colaboração com Lana Del Rey e do trabalho com Madonna:

Continue lendo Produtor afirma: 6 canções minhas não entraram no álbum Ray Of Light

Por que Rebel heart é o melhor álbum de Madonna em 10 anos?

madonna rebel heart capa colorida 2

Chris Azzopardi, editor do Q Syndicate (o serviço a cabo LGBT internacional) escreveu uma crítica muito positiva do álbum Rebel Heart. Leia:

Como uma virgem, Madonna é pura outra vez. Purificada das tendências inconvenientes que estragaram trabalhos anteriores – especialmente o juvenil e pecador Hard Candy, e MDNA, melhor, mas ainda assim uma mistura bagunçada – nossa Deusa Abençoada volta ao raio de luz e aplica um novo brilho a um velho som.

Continue lendo Por que Rebel heart é o melhor álbum de Madonna em 10 anos?

REVISTA ATTITUDE sobre REBEL HEART: BITCH, ELA É MADONNA!

madonna rebel heart cd cover explicit

O júri ainda decide se o vazamento das demos do álbum Rebel Heart ajudou ou prejudicou o sucesso dele. Por um lado, forçou um lançamento comprometido e chocante, ao invés de um retorno explosivo; por outro lado, o vazamento – além do recente amor de Madonna pelo Instagram – provocou um interesse maior do público, ausente nos dois últimos álbuns.

Continue lendo REVISTA ATTITUDE sobre REBEL HEART: BITCH, ELA É MADONNA!

Rebel Heart reforça a relevância de Madonna

madonna-interview-cover-rebel heart charts

Apesar dos críticos que insistem pra ela desistir de tudo, Madonna está determinada a dominar a cultura social mais uma vez. Ela está nas manchetes e, pela primeira vez em dois anos, o tema da conversa é a música.

Nas últimas semanas, várias demos das novas canções caíram na rede, forçando Madonna a pensar logo na próxima jogada. Numa decisão aparentemente desesperada, ela concluiu seis faixas e as disponibilizou para download no dia 20 de dezembro de 2014, além de anunciar que o 13º álbum de estúdio, Rebel Heart, agendado para lançamento apenas em 10 de março de 2015, viria com mais 13 faixas.

Cada lançamento de Madonna é tido como algo de alto padrão por críticos profissionais e fãs mais ardorosos. Por bem ou mal, a Rainha do Pop tem um legado impressionante a manter, e não é suficiente pra ela lançar um bom álbum Pop. Ela deve lançar o melhor álbum toda vez, ou seja, cada lançamento deve ditar moda e ser icônico. É por isso que os críticos e fãs não gostaram de Hard Candy (2008) e MDNA (2012). Para outros artistas como Britney Spears ou Katy Perry, estes seriam álbuns sólidos, mas, para Madonna, foram tentativas chatas de apelar ao grande público. Obviamente, não é justo, e tantas expectativas tão altas ignoram o fato de que até mesmo o trabalho mais fraco de Madonna é significantemente mais interessante do que o pop contemporâneo. Porém, é melhor isso do que aceitar tudo que ela faz simplesmente por levar o nome dela.

Ao contrário dos Little Monsters, dos Swifties e dos Arianators, os fãs de Madonna não têm medo de dizer quando ela precisa se esforçar mais, e não a defendem apenas por gostarem dela. Quando ela lançou Give Me All Your Luvin’ como primeiro single do álbum MDNA, por exemplo, os fãs a desdenharam, e a grande maioria não conteve a decepção. “Como uma artista premiê da música Pop produz um single banal e estúpido?”, pensaram eles. Tal preguiça não seria tolerada.
Se o vazamento de Rebel Heart terá impacto nas vendas da primeira semana ou não, os fãs de Madonna podem descansar, sabendo que será o melhor álbum dela desde Confessions On A Dancefloor (2005), se não melhor. Há um sentimento de alívio e respeito por ela desta vez.

A primeira faixa, Living For Love, é a mais alegre desde Express Yourself, e nos mostra por quê Madonna ainda é importante hoje. A produção, inspirada na batida House dos anos 90, é audível instantaneamente, e a letra inspiradora se encaixa na obsessão do Pop contemporâneo com otimismo e autoajuda. Como as faixas Shake It Off, da Taylor Swift; Break Free, da Ariana Grande; e Roar, da Katy Perry, Living For Love é um hino de sobrevivência. Entretanto, ao contrário dos outros grandes artistas, Madonna já viveu o suficiente para ser uma sobrevivente, o que faz a canção dela ser mais poderosa e emocionante.

Devil Pray é a segunda faixa, e lembra a Madonna mais introspectiva de Ray Of Light (1998) e American Life (2003). A canção traz Madonna em busca da salvação, e é confusa e linda ao mesmo tempo. A faixa 3, Ghosttown, também é introspectiva, e é, discutivelmente, a canção de amor mais sombria da carreira dela.

Embora fãs e críticos são unânimes em elogios às primeiras três faixas, as outras três – Unapologetic Bitch, Illuminati e Bitch, I’m Madonna – dividem opiniões. Uns admiram a audácia de Madonna em se divertir, enquanto outros acham que ela está velha demais pra cantar sobre farras. Alguns apreciam a habilidade de Madonna de experimentar sons atuais, enquanto outros queriam que ela parasse de tanto tentar permanecer relevante.

Apesar das críticas negativas, é impossível não admirar a bravura de Madonna. Em uma época em que a música Pop está saturada de jovens em seus vinte e poucos anos, a veterana de 56 assume um grande risco sempre que volta pra recuperar o trono. Ela se arrisca a isolar os fãs mais antigos, assim como se separar da geração mais jovem que não se familiariza com a personalidade mais agressiva dela. De certa forma, ela lembra o cineasta Jean-Luc Godard, que, aos 84 anos, decidiu lançar o primeiro filme digital em 3D, Goodbye To Language, em 2014. Apesar dos críticos que insistem pra ela desistir de tudo, Madonna está determinada a dominar a cultura social mais uma vez.

O fato dela ter sido bem-sucedida, pelo menos por ora, é uma conquista impressionante, e questiona a significância das vendas na era digital. Uma artista como Madonna não precisa de um sucesso #1 da mesma forma que Taylor Swift e, neste momento da carreira, ela parece estar mais interessada na qualidade da música do que em qualquer outra coisa. Ao invés de perseguir o topo das paradas como fez com Hard Candy e MDNA, Madonna finalmente parece perceber que o panorama da cultura Pop que ela dominou nos anos 80, 90 e no início do ano 2000, mudou drasticamente. Tais mudanças a liberaram e a inspiraram a fazer a música mais pessoal e coesa da carreira.

A ideia do legado de um artista merece contemplação, especialmente quando ícones como Madonna continuam criando. Como devemos medir o novo álbum de Madonna, e de que maneiras ele pode influenciar a reputação dela? As vendas da primeira semana e a quantidade de singles no Top 10 realmente importam? E as críticas positivas dos especialistas e dos fãs? Qual a importância da qualidade?

Talvez, nada disso importe, a menos que o artista entre no debate, o que Madonna segue fazendo com cada lançamento. Sempre que alguém opina a respeito dela, de forma positiva ou negativa, eles reforçam a relevância dela. Usuários de redes sociais em todo o mundo se juntaram à discussão após o lançamento-surpresa das seis canções supracitadas, uns comemorando o retorno dela, e outros condenando a carreira toda. De qualquer forma, todos se importam o suficiente para opinarem.

Quando a poeira baixar, Rebel Heart será citado como um dos melhores álbuns de Madonna, e fãs e críticos elogiarão o retorno dela à forma. Entretanto, como todos sabemos, os debates nunca foram apenas sobre música, e, mais do que tudo, Rebel Heart mostra que ela ainda é a artista mais comentada do mundo. (PopMatters)