Arquivo da tag: MDNA

Por que Rebel heart é o melhor álbum de Madonna em 10 anos?

madonna rebel heart capa colorida 2

Chris Azzopardi, editor do Q Syndicate (o serviço a cabo LGBT internacional) escreveu uma crítica muito positiva do álbum Rebel Heart. Leia:

Como uma virgem, Madonna é pura outra vez. Purificada das tendências inconvenientes que estragaram trabalhos anteriores – especialmente o juvenil e pecador Hard Candy, e MDNA, melhor, mas ainda assim uma mistura bagunçada – nossa Deusa Abençoada volta ao raio de luz e aplica um novo brilho a um velho som.

Continue lendo Por que Rebel heart é o melhor álbum de Madonna em 10 anos?

Rebel Heart é uma meditação longa, diz a Rolling Stone Magazine

madonna rebel heart cover standard

Madonna se une a Kanye, Avicii e outros em um álbum grudento e sexual

Por muitos anos, Madonna evitou a Internet, assim como o glúten. Porém, em dezembro do ano passado, a Internet decidiu parar de esperar por Madonna, e tudo deu errado: as músicas novas foram roubadas e vazadas; as respostas ligeiras e emocionais dela no Instagram vieram com palavras como “estupro” e “terrorismo”, provocando (você acertou!) atrocidades na Internet.

Continue lendo Rebel Heart é uma meditação longa, diz a Rolling Stone Magazine

DOWNLOAD: Madonna MDNA Remixed (Standard Version)

madonna mdna standard remixes cover

O Madonna Madworld trás um especial, não do novo álbum de Madonna “Rebel Heart”, mas do anterior, “MDNA”. Um álbum remix com encarte e tudo mais para impressão.
Aqui está a versão “Standard”. Faça já o download.

STANDARD:
01 Girl Gone Wild (Rafael Lelis Intro Remix)
02 Gang Bang (Tracy Young Private Mix)
03 I’m Addicted (D’Luxe DJ Extended Edit Remix)
04 Turn Up The Radio (Offer Nissim Club Remix)
05 Give Me All Your Luvin’ (Nicky Romero Remix)

Continue lendo DOWNLOAD: Madonna MDNA Remixed (Standard Version)

REVISTA ATTITUDE sobre REBEL HEART: BITCH, ELA É MADONNA!

madonna rebel heart cd cover explicit

O júri ainda decide se o vazamento das demos do álbum Rebel Heart ajudou ou prejudicou o sucesso dele. Por um lado, forçou um lançamento comprometido e chocante, ao invés de um retorno explosivo; por outro lado, o vazamento – além do recente amor de Madonna pelo Instagram – provocou um interesse maior do público, ausente nos dois últimos álbuns.

Continue lendo REVISTA ATTITUDE sobre REBEL HEART: BITCH, ELA É MADONNA!

Não mande Madonna parar!

madonna living for love video rebel heart 2

Nesta semana, os Céus se abriram e nos deram um novo clipe da Madonna através do Snapchat. Na última década, vimos a cantora da forma mais efêmera e boba. Apesar de momentos de grandeza inegável (lembram-se da apresentação no Superbowl?) e relativo sucesso comercial, os álbuns Hard Candy e MDNA foram considerados fracos não apenas pelos críticos, mas também pelos mais ardorosos fãs.

Não dá pra negar que são grandes álbuns. O enorme sucesso de Blurred Lines prova que, por mais ínfimos que sejam, as batidas e ondas de Hard Candy chegaram cinco anos mais cedo. Mas a “hora certa”, assim como o vazamento de Rebel Heart, nem sempre esteve do lado da Rainha.

É isto que faz o lançamento do clipe ser um sucesso estrondoso. Desde Confessions On A Dancefloor, as rádios ignoram as músicas de Madonna – não importa o quão bem-sucedido ou inovador um álbum ou turnê seja, ela foi isolada como algo diferente, algo inferior ao produto “comercial”. Para ela, ter sido rebaixada a esta fase de “legado” seria menos insultante se ela fizesse música merecedora de estar neste “legado”, mas não foi o que aconteceu. Ou não exatamente.

Continue lendo Não mande Madonna parar!

MOJO: “Fiz Madonna regravar 20x Beautiful Killer”, Martin Solveig

Martin Solveig e madonna - mdna e rebel heart

Mais um trecho da entrevista de Madonna para a revista MOJO 2013. Após o genérico Hard Candy, o DJ e produtor francês Martin Solveig ajudou Madonna a se recarregar em MDNA.

“Ela ouvira as minhas canções Hello e Boys & Girls e viu qualidades que queria no MDNA: canções otimistas e felizes com as quais você poderia dançar. Madonna é extremamente boa em achar o meio termo entre o produtor e ela mesma, e dar o toque pessoal nisso. Continue lendo MOJO: “Fiz Madonna regravar 20x Beautiful Killer”, Martin Solveig

Rebel Heart reforça a relevância de Madonna

madonna-interview-cover-rebel heart charts

Apesar dos críticos que insistem pra ela desistir de tudo, Madonna está determinada a dominar a cultura social mais uma vez. Ela está nas manchetes e, pela primeira vez em dois anos, o tema da conversa é a música.

Nas últimas semanas, várias demos das novas canções caíram na rede, forçando Madonna a pensar logo na próxima jogada. Numa decisão aparentemente desesperada, ela concluiu seis faixas e as disponibilizou para download no dia 20 de dezembro de 2014, além de anunciar que o 13º álbum de estúdio, Rebel Heart, agendado para lançamento apenas em 10 de março de 2015, viria com mais 13 faixas.

Cada lançamento de Madonna é tido como algo de alto padrão por críticos profissionais e fãs mais ardorosos. Por bem ou mal, a Rainha do Pop tem um legado impressionante a manter, e não é suficiente pra ela lançar um bom álbum Pop. Ela deve lançar o melhor álbum toda vez, ou seja, cada lançamento deve ditar moda e ser icônico. É por isso que os críticos e fãs não gostaram de Hard Candy (2008) e MDNA (2012). Para outros artistas como Britney Spears ou Katy Perry, estes seriam álbuns sólidos, mas, para Madonna, foram tentativas chatas de apelar ao grande público. Obviamente, não é justo, e tantas expectativas tão altas ignoram o fato de que até mesmo o trabalho mais fraco de Madonna é significantemente mais interessante do que o pop contemporâneo. Porém, é melhor isso do que aceitar tudo que ela faz simplesmente por levar o nome dela.

Ao contrário dos Little Monsters, dos Swifties e dos Arianators, os fãs de Madonna não têm medo de dizer quando ela precisa se esforçar mais, e não a defendem apenas por gostarem dela. Quando ela lançou Give Me All Your Luvin’ como primeiro single do álbum MDNA, por exemplo, os fãs a desdenharam, e a grande maioria não conteve a decepção. “Como uma artista premiê da música Pop produz um single banal e estúpido?”, pensaram eles. Tal preguiça não seria tolerada.
Se o vazamento de Rebel Heart terá impacto nas vendas da primeira semana ou não, os fãs de Madonna podem descansar, sabendo que será o melhor álbum dela desde Confessions On A Dancefloor (2005), se não melhor. Há um sentimento de alívio e respeito por ela desta vez.

A primeira faixa, Living For Love, é a mais alegre desde Express Yourself, e nos mostra por quê Madonna ainda é importante hoje. A produção, inspirada na batida House dos anos 90, é audível instantaneamente, e a letra inspiradora se encaixa na obsessão do Pop contemporâneo com otimismo e autoajuda. Como as faixas Shake It Off, da Taylor Swift; Break Free, da Ariana Grande; e Roar, da Katy Perry, Living For Love é um hino de sobrevivência. Entretanto, ao contrário dos outros grandes artistas, Madonna já viveu o suficiente para ser uma sobrevivente, o que faz a canção dela ser mais poderosa e emocionante.

Devil Pray é a segunda faixa, e lembra a Madonna mais introspectiva de Ray Of Light (1998) e American Life (2003). A canção traz Madonna em busca da salvação, e é confusa e linda ao mesmo tempo. A faixa 3, Ghosttown, também é introspectiva, e é, discutivelmente, a canção de amor mais sombria da carreira dela.

Embora fãs e críticos são unânimes em elogios às primeiras três faixas, as outras três – Unapologetic Bitch, Illuminati e Bitch, I’m Madonna – dividem opiniões. Uns admiram a audácia de Madonna em se divertir, enquanto outros acham que ela está velha demais pra cantar sobre farras. Alguns apreciam a habilidade de Madonna de experimentar sons atuais, enquanto outros queriam que ela parasse de tanto tentar permanecer relevante.

Apesar das críticas negativas, é impossível não admirar a bravura de Madonna. Em uma época em que a música Pop está saturada de jovens em seus vinte e poucos anos, a veterana de 56 assume um grande risco sempre que volta pra recuperar o trono. Ela se arrisca a isolar os fãs mais antigos, assim como se separar da geração mais jovem que não se familiariza com a personalidade mais agressiva dela. De certa forma, ela lembra o cineasta Jean-Luc Godard, que, aos 84 anos, decidiu lançar o primeiro filme digital em 3D, Goodbye To Language, em 2014. Apesar dos críticos que insistem pra ela desistir de tudo, Madonna está determinada a dominar a cultura social mais uma vez.

O fato dela ter sido bem-sucedida, pelo menos por ora, é uma conquista impressionante, e questiona a significância das vendas na era digital. Uma artista como Madonna não precisa de um sucesso #1 da mesma forma que Taylor Swift e, neste momento da carreira, ela parece estar mais interessada na qualidade da música do que em qualquer outra coisa. Ao invés de perseguir o topo das paradas como fez com Hard Candy e MDNA, Madonna finalmente parece perceber que o panorama da cultura Pop que ela dominou nos anos 80, 90 e no início do ano 2000, mudou drasticamente. Tais mudanças a liberaram e a inspiraram a fazer a música mais pessoal e coesa da carreira.

A ideia do legado de um artista merece contemplação, especialmente quando ícones como Madonna continuam criando. Como devemos medir o novo álbum de Madonna, e de que maneiras ele pode influenciar a reputação dela? As vendas da primeira semana e a quantidade de singles no Top 10 realmente importam? E as críticas positivas dos especialistas e dos fãs? Qual a importância da qualidade?

Talvez, nada disso importe, a menos que o artista entre no debate, o que Madonna segue fazendo com cada lançamento. Sempre que alguém opina a respeito dela, de forma positiva ou negativa, eles reforçam a relevância dela. Usuários de redes sociais em todo o mundo se juntaram à discussão após o lançamento-surpresa das seis canções supracitadas, uns comemorando o retorno dela, e outros condenando a carreira toda. De qualquer forma, todos se importam o suficiente para opinarem.

Quando a poeira baixar, Rebel Heart será citado como um dos melhores álbuns de Madonna, e fãs e críticos elogiarão o retorno dela à forma. Entretanto, como todos sabemos, os debates nunca foram apenas sobre música, e, mais do que tudo, Rebel Heart mostra que ela ainda é a artista mais comentada do mundo. (PopMatters)

REBEL HEART se transforma no melhor álbum de Madonna em 10 anos

madonna-rebel-heart-capa-novoálbum-peq

O lançamento-surpresa de Madonna revelou que a Rainha do Pop não perdeu o toque. Depois que uma dezena de demos vazou na semana passada – um evento que ela chamou de “estupro artístico” e “uma forma de terrorismo” –, ela decidiu entrar na luta e lançar as versões oficiais de seis canções do 13º álbum a ser lançado, chamado Rebel Heart. O lote de novas faixas representa o novo material desde MDNA, de 2012, um flerte morno com a música de boates contemporânea.

A questão é que há um frescor em cada novo lançamento de Madonna, que determina a qualidade da música verdadeira: neste momento da carreira, ela é a barata do Pop: complacente, durona e escandalosamente adaptável. Com cada faixa nova, há lições sobre o a fase atual do gênero e o futuro próximo nos sons e imagens específicos que ela escolhe para ajudá-la a trazer sua visão à realidade.

Baseado neste primeiro lote do material de Rebel Heart, Madonna procura o equilíbrio. Primeiramente, há os elementos de música eletrônica e synth-pop, os modos de operação que ela escolheu – representando os trabalhos de Diplo, Avicii e Savan Kotecha. Daí, ela se une a artistas de vanguarda em uma variedade de gêneros: de astros como Kanye West a novatos, como os produtores Ariel Rechtshaid e Sophie. Esta é uma manobra esperta. Que surpresa! Uma jogada esperta de uma das popstars mais astutas a se apresentar, pois permite que ela toque para as massas e quebre barreiras.

As canções que lideram este primeiro lançamento de Rebel Heart, como o single Living For Love e Devil Pray, encaixariam perfeitamente nas rádios juntamente com os hinos britânicos do house-pop e também com Hey, Brother, do próprio Avicii. As que fecham o pacote, especialmente a áspera colaboração com os raps de Kanye chamada Illuminati e o hino frenético com a participação de Nicki Minaj, Bitch, I’m Madonna, te deixam bem perto do espírito obscuro da página da gravadora PC Music no Soundcloud e ao tom afiado de Yeezus, o álbum mais recente de Kanye.

E, por Madonna existir em ar rarefeito, de tipos como ela mesma, Prince e outros pouquíssimos, cada lançamento é mais uma resposta a tudo o que ela já fizera antes do que uma afirmação independente; outro capítulo de um romance épico sem um fim definitivo. Os tons, temas e a imaginação que constroem a caixa de ferramentas musicais dela – a sensualidade honesta, os vários métodos de intoxicar-nos, os lapsos Católicos, a confiança sem compromisso – são de temática gospel neste momento, e elevam alguns dos itens mais esquecíveis de Rebel Heart a um nível de puro prazer.

É divertido ouvir Madonna cantar um verso como “Posso parecer uma puta sem remorsos, mas, às vezes, você sabe que é assim que devo dizer” (e tentar uma vibe voltada ao Rap, se arriscando), pois ela já tem três décadas de putarias sem remorsos na bagagem. É um resultado fácil, lógico, mas eficaz. E, se a versão completa de Rebel Heart, que sai no dia 10 de março pela gravadora Interscope, conseguir trazer mais alguns “resultados fáceis” com algumas composições mais aventureiras, o álbum pode ser o melhor de Madonna em quase uma década. (Time)

Madonna nos varre pela Tsunami dela de ambição e necessidade, diz Graham Norton

madonna e Graham Norton

O apresentador do talk show mais inteligente do Reino Unido, Graham Norton lança seu segundo livro de memórias neste mês, e está escrevendo uma coluna no jornal Mail Online, na qual destaca o seu mundo particular. Na história de hoje, ele revela como lidou com as maiores divas do show business, incluindo a própria Rainha do Pop.
“Madonna e eu – um caso de amor não-correspondido!”, por Graham Norton.

“Em uma recente visita a Nova York, eu estava em um bar (que surpresa!), quando dois jovens charmosos se aproximaram (isso sim foi uma surpresa). Quando eles pediram para tirar uma foto comigo, pedi a um dos meus amigos que o fizesse e eles pareceram satisfeitos.

‘Obrigado por ter sido gentil’, um deles confidenciou. ‘Na última vez em que estivemos aqui, andávamos pela Quinta Avenida e vimos Madonna. Ficamos emocionados e começamos a dizer o quanto a amávamos. Ela não parou – apenas virou a cabeça enquanto andava, mexeu o cabelo e disse oi e tchau.’

Eles estavam realmente chateados? Não é assim que eles queriam que a deusa se comportasse? Claro que queremos que nossas divas ajam como…bem, divas. Ninguém o faz melhor do que Madonna. Ela pode não ter o dom da atuação, mas, quando se trata de ser Madonna, ela o faz melhor do que qualquer um. Ela é tão certa de que é especial, que somos todos varridos pela Tsunami dela de ambição e necessidade.

Quando o programa So Graham Norton começou no canal 4, em 1998, ela estava no topo da minha lista de possíveis convidados, mas levaria 14 longos anos para que ela finalmente sentasse o bumbum definido no meu sofá vermelho.

Havia muitas condições. Era pra ser especial. Sim, ela queria gravar o programa à tarde. Sim, ela queria aprovar a música. Sim, me pergunto até onde iríamos. Qual exigência poderia ter levado um ‘não’? Nem consigo imaginar.

Poucas semanas antes da gravação, fui convidado a conhecê-la numa recepção no Hotel Claridge, seguida por uma exibição de sua estreia na direção cinematográfica, W.E.. Esperei em um salão ornamentado com uma mistura de jornalistas e celebridades. Finalmente, a porta se abriu. A águia pousara. Tentávamos não encará-la, mas não adiantou.

Madonna andou pelo salão cumprimentando as pessoas e fazendo um breve discurso, como a Rainha visitando uma fábrica de escovas de dentes em Sheffield.

Uma mulher vestindo um terno escuro apareceu atrás de mim. ‘Venha comigo’. Minha boca ficou seca e andamos pelo mar de pessoas até chegarmos à brilhante ilha no centro da multidão. Uma pálida mão se estendeu a mim.

‘Parabéns pelo filme’, eu disse.
‘Oh, você já assistiu’.
‘Não, será nesta noite.’
‘Bem, guarde seus parabéns pra depois’.

Apenas segundos depois, tudo já dava errado, mas, de alguma forma, consegui pacificá-la antes dela seguir pro próximo perdedor. Alguém deve ter tirado uma foto nossa durante nossa breve conversa, pois a tenho emoldurada em minha casa. Estávamos com o riso forçado, mas sou eu que segurava uma bebida e parecia 10 anos mais velho do que ela.

Voltei aos meus amigos e a única palavra que pensei para descrever meu sentimento era ‘doidão’. Alguns instantes depois, a euforia passou e eu quis encontrá-la novamente. Se é isso o que acontece com todo mundo que espera do lado de fora dos teatros e estúdios, não é de estranhar que eles voltem por um pouco mais.

Finalmente, o dia da gravação chegou e eu berrava: ‘Senhoras e senhores, por favor, recebam Madonna!’ e lá estava ela. Estava realmente acontecendo.

O resto do show é uma vaga lembrança. Lembro de estar nervoso e, depois, relaxar. Nós nos familiarizamos e, logo, enquanto eu deliberava com a equipe de produção, fiquei sabendo que me chamaram no andar de cima. Corri e encontrei Madonna e seu pessoal descendo pelo corredor.

‘Muito obrigado!”, falei ansiosamente. Comecei a tentar elogiá-la mais, mas ela me interrompeu.

‘Só queria me despedir’, ela disse, imitando uma pessoa normal da melhor forma possível. Mas, daí, sem dizer nada, alguém veio por trás dela e a vestiu em um casaco de pele, provando que ela não era nem um pouco normal.

Não ficamos amigos depois disso. Ela se manteve como a artista gelada, e eu, o fã espantoso. E nossos mundos nunca se encontraram outra vez.

Assista a entrevista Legendada