Arquivo da tag: Michael Jackson

Madonna é a artista com mais singles Top 10 da Billboard

madonna billboard beatles top10 singles

Madonna lidera a lista de artistas com mais músicas no Top 10 da Hot 100 da Billboard, com 38. Além dela, os Beatles, que entraram na lista pela última vez com o single Free As A Bird, de 1995, estavam empatados com 34, até Madonna garantir o 35º, com Die Another Day, em 2002. Ela conseguiu o 38º e mais recente com Give Me All Your Luvin’, com Nicki Minaj e M.I.A. em 2012.

Continue lendo Madonna é a artista com mais singles Top 10 da Billboard

Odeio ser criticada por tudo que digo e faço, diz Madonna em entrevista

madonna entrevista us weekly rebel heart 2015

Madonna deu uma entrevista para a US Weekly onde falou de sua vida íntima, que “Bitch I’m Madonna” é sua música favorita e não pediria desculpas a ninguém. Também também fala de seus momentos rebeldes. Confira!

MADONNA: BITCH, I’M MADONNA é minha canção favorita

US WEEKLY: NO ESPÍRITO DE CORAÇÕES REBELDES, QUAL FOI SEU MAIOR MOMENTO “REBELDE”?
Madonna: O maior momento em que me senti rebelde foi em St. Petersburgo, Rússia (durante a MDNA Tour, em 2012), quando me disseram que eles prenderiam qualquer um que fosse abertamente ou obviamente gay e viesse aos meus shows, daí eu protestei contra o governo. 87 pessoas foram presas e eu fui multada em $1 milhão, mas eles retiraram o processo. Também quando defendi o grupo Pussy Riot, mais ou menos na mesma época, mas houve muitos outros. Acho que foi também quando estava em Toronto e me disseram que se eu simulasse masturbação durante um dos shows (na Blonde Ambition, em 1990) eles me prenderiam, mas eu disse: “Foda-se! Farei de qualquer jeito. Então, me prendam!”, o que não aconteceu. Daí, o Vaticano disse que…ah, enfim! A lista continua…

Continue lendo Odeio ser criticada por tudo que digo e faço, diz Madonna em entrevista

“Madonna desespero, aposta triunfos passados apenas para parecer atual”, ataca jornal

madonna instagram Martin Luther King
Martin Luther King Jr

Madonna pediu desculpas em suas redes sociais depois que ela postou fotos em seu Instagram de Martin Luther King Jr. e Nelson Mandela, que foram alterados para se parecer com sua própria imagem em seu novo álbum, a ser lançado em março.

Madonna foi acusada por seguidores e por alguns veículos da imprensa internacional de racismo e de possuir uma autoestima mais do que elevada ao se comparar com as figuras, que marcaram a história por sua luta pela igualdade de direitos entre negros e brancos. “São de mau gosto por diversos motivos. O mais óbvio é Martin Luther King, que com certeza não fez seu discurso de ‘eu tenho um sonho’ para ajudar uma mulher branca e rica a vender discos meio século depois”, diz um trecho do texto publicado pelo site da revista americana Entertainment Weekly.”

Já o Washington Post foi mais fundo: “Madonna vem lutando para se manter atualizada, trabalhando com produtores que permanecem jovens enquanto ela envelhece, vergonhosamente apresentando referências a drogas e apelando ao público da dance music, que ela nem deveria ter que agradar, e, basicamente, desperdiçando um frescor de décadas em troca de manter sua marca pessoal. As tentativas mais ofensivas de manter a relevância estão nas redes sociais dela. Lá, os erros mais frequentes são o que esperamos ver no Instagram de qualquer mãe de meia idade, como fotos com montagens ruins no Photoshop e fotos engraçadas que já foram postadas em vários sites, ou fingir ser bacana com gírias passadas. A maior parte disso é desespero, como se apostasse triunfos passados apenas para parecer “na moda” – por que fazer referência a Warhol e Haring em comerciais pro disco novo montados no Photoshop, uma vez que ambos já trabalharam com Madonna no passado? Apesar disso, hoje em dia, ela decidiu se esforçar mais com uma série de postagens com fotos (mais uma vez) editadas de revolucionários políticos mortos para cobrir os semblantes deles com os fios enrolados ao redor do rosto dela na capa do novo álbum Rebel Heart. É repugnante em vários níveis. O óbvio é que Martin Luther King, Jr. não apresentou seu discurso “Eu Tenho Um Sonho” para promover o disco de uma branca rica meio século depois. E o fato dela usar as imagens de três das mais influentes figuras na moderna luta pelos direitos dos negros – King, Nelson Mandela e Bob Marley –, enquanto a América luta pra considerar sua história de racismo sistemático é algo perplexo, pra dizer o mínimo,” atacou ofensivamente o jornal.

“No entanto, o ponto mais decepcionante da mini-campanha dela é o tom nada original. Anunciantes têm usado King há tanto tempo que o conceito se tornou um clichê. A campanha Think Different, da Apple, que tem sido ecoada pelos tuítes de Madonna, já usou Mandela.”

Nelson Mandela, ex-Presidente da África do Sul

Em um comunicado em sua página oficial do Facebook, Madonna explicou: “Eu sinto muito. Eu não estou me comparando a ninguém. Estou admirando e reconhecendo que eles também eram corações rebeldes (Rebel Hearts). Isto não é um crime, um insulto ou racismo”.

A capa do novo álbum de Madonna trás a rainha do pop em close-up com cortas pretas, o que acabou tornando-se um viral, com inúmeros memes na internet com fotos de outros artistas e de de fãs.

Bob Marley

Continuando, na pressa, Madonna continuou em um post cheios de erros de ortografia (corretor ortográfico (talvez, um saco): “– Fiz a mesma coisa com Michael jaclson (ela se referia ao cantor Michael Jackson), frida khalo (Frida Kahlo) e marilyn monroe… Estou dizendo que sou como eles? Não. Estou dizendo que eles também são corações rebeldes. Espero fazer um dia um centésimo do que eles fizeram. Eu apenas compartilhei estas fotos enviadas por fãs, mas eles, tampouco, são racistas. Pode me colocar na mesma categoria, agradeço.

LIONEL RICHIE: NINGUÉM SERÁ ETERNO, A NÃO SER MADONNA E MICHAEL JACKSON

Lionel-Ritchie-Madonna

Lionel Richie se convenceu de que os popstars de hoje não serão eternos, a não ser artistas como Madonna e Michael Jackson. Portanto, ele afirma que ninguém se lembrará das canções de Miley Cyrus e Justin Bieber no futuro.

Richie contou ao tabloide inglês London Evening Standard: “A melhor parte da nossa época: chocávamos as pessoas. E, nisso, vinham sucessos atrás de sucessos. Madonna era escandalosa, mas possuía um catálogo musical incrível e ainda está na ativa no comando depois de 30 anos? Isso é extraordinário. Tudo o que ela faz ou fala ainda se torna um evento. Assisti a dois shows de sua última tour e fique chocado com o que vi dela no palco, toda aquela tecnologia, 70 mil pessoas gritando o seu nome. Nunca vi uma fan base tão diversa e apaixonada por um artista. Todo mundo gritava o tempo inteiro o nome dela com palavras de amor. Já Michael, no fim de todo o circo que ela passou, ele ainda tinha o catálogo mais fabuloso”.

“Agora, ainda temos muito ‘circo’…mas cadê a música que se perpetuará?”, ele questiona. “Daqui a 20 anos, escolha alguém – cadê o material de trabalho? Vou te julgar não pela sua popularidade, mas pela sua longevidade, seus recordes. Penso em Miley, Justin Bieber… Tornamos a música amadora a nossa principal fonte. Há uma diferença entre um estilista e um cantor. Todos podem cantar! Vá a um Karaokê, há pessoas cantando pra caramba lá! Mas a voz deles é única, distinta?”.

Há dois anos, Madonna e Lionel Richie dividiram o topo da parada Billboard 200 com seus álbuns MDNA e Tuskegee. Foi a primeira vez que isso aconteceu em 26 anos. Daí, Madonna postou no Twitter: “Parabéns pelo álbum bem-sucedido. Para o outro Richie da minha vida”.

“E aí, Família?”, respondeu Lionel. “Dá pra acreditar que estamos no topo das paradas juntos outra vez? É a melhor pessoa pra estar no topo comigo. Parabéns!!! Estou muito feliz por você!”.

“Lembra de quando éramos vizinhos?”, Madonna postou no Twitter de Lionel, pro que ele respondeu: “Se eu lembro? O único problema era que, quando eu saía de casa, os fãs me perguntavam onde você morava. Eu era o guia turístico da rua. A vizinhança nunca mais foi a mesma depois que você saiu de lá”.

“Você ainda mora naquele lixo?”, Madonna perguntou. “Deus me livre!!!!”, Richie respondeu. “Me mudei logo depois de você. A rua deixou de ser interessante”.

Ron Weisner: “Não gostava de Madonna e ela não gostava de mim”

madonna_likeavirgin_set Ron Weisner

No livro “Ouça bem alto: uma vida na música – gerenciando McCartney, Madonna e Michael Jackson”, o empresário musical Ron Weisner, 69, compartilha detalhes sobre o trabalho com alguns dos maiores talentos de sua geração. Seu objetivo: “Uma estória honesta sobre meu envolvimento com esses artistas maravilhosos e a rotina: o bom, o ruim e, às vezes, o péssimo”, ele afirma.

Uma amostra de suas memórias mais ácidas do livro, a ser lançado no dia 3 de junho, sobre Madonna:

“Weisner dividia clientes com seu ex-parceiro Freddy DeMann. ‘Quando chegamos ao nome de Madonna, disse que ele podia tê-la, que não devíamos trabalhar juntos. Na hora em que essas palavras saíram da minha boca, senti um imenso peso sendo tirado de meus ombros. Não gostava de Madonna e ela não gostava de mim. Não me entenda mal: eu a respeito muito como artista e mulher de negócios. Ela aprendeu cedo a manipular a imprensa, criar controvérsia, levar tudo ao limite e, além disso, transformar tudo em dominação comercial. Sabia que, se ela não implodisse, o céu seria o limite. E eu estava certo. Só não queria estar por perto’”.

Sobre as reclamações de Madonna, enquanto gravava o clipe de Like A Virgin, na Itália:

“Sempre que desmontávamos as câmeras, ela reclamava. Sempre que entrávamos em um barco, ela reclamava. ‘Vocês são todos idiotas’, ela dizia à equipe italiana, que lutava pra conseguir filmar tudo. ‘Vocês desperdiçam o meu tempo. Desperdiçam o nosso tempo. Agora parem de enrolar e se apressem’. Perguntei ao Freddy: ‘Qual é o problema dela? Estamos na Itália. É mais divertido do que Long Island. O que ela tem que é melhor do que isso?’. Ele simplesmente ignorou.”

M.I.A. pede dinheiro emprestado a Madonna por Super Bowl

M.I.A. pede dinheiro emprestado a Madonna por causa do SuperBowl

Como revelado no último mês de setembro, a liga NFL vem tentando punir a cantora M.I.A. pelo que aconteceu no Super Bowl do dia 5 de fevereiro de 2012 durante a apresentação de Madonna. Durante o evento, assistido por aproximadamente 167 milhões de pessoas, a rapper do Sri Lanka mostrou o dedo do meio na performance de Give Me All Your Luvin’, primeiro single do álbum MDNA, da rainha do pop.

M.I.A. não recebeu nada pelo evento, como de costume pela liga. Mesmo assim, a NFL passou dois anos exigindo US$ 1,5 milhão por quebra de contrato e por manchar a boa vontade e reputação.

Agora, a NFL adicionou mais uma denúncia, buscando US$ 15,1 milhões de restituição pelo valor de exposição pública recebido por aparecer por quase dois minutos durante a performance de Madonna. Os números se baseiam no que seria pago em publicidade no horário. “A reivindicação de restituição não possui base legal, factual ou lógica”, afirmam os papéis de M.I.A., arquivados na última sexta.

A estrela contou que a “busca contínua deste procedimento é um exercício transparente da NFL apenas para enfrentar e fazer disso um exemplo a quem desafiar a NFL”. Pelo twitter, M.I.A. ironizou no twitter “pedindo emprestado” 16 milhões para Madonna, que era a atração principal do intervalo da competição.

Como noticiado anteriormente, Howard King, o advogado de M.I.A., vem tentando anular o argumento da NFL, de que sua reputação foi danificada, ao solicitar informações do público, no que diz ser falta de benefícios para a NFL. Ele até mesmo criou um e-mail (NFL@khpblaw.com), para “equilibrar o campo de jogo”.

Os últimos papéis de M.I.A. acusam o “comportamento profano, libidinoso, lascivo, degradante e/ou inaceitável de seus jogadores, donos de times, treinadores e gerentes e dos artistas escolhidos e patrocinados pela NFL para se apresentar em seus shows de intervalo”.

Por exemplo, há a apresentação de Michael Jackson em 1993, na qual o cantor agarrou a genitália enquanto cantava Billie Jean.

“Esta foi a primeira investida da NFL contra apresentações lascivas em seus shows de intervalo”, como consta nos documentos de M.I.A.. “Será revelado que a NFL estava totalmente ciente de que Jackson faria o movimento em sua apresentação”.

E tem também a performance de Prince, em 2007. “Durante parte da apresentação, ele foi iluminado contra um pedaço de tecido para projetar sua sombra”, afirmam os papéis de M.I.A.. “Sua sombra maximizada apareceu fazendo carícias numa guitarra estilizada, como se fosse num pênis ereto, de maneira reminiscente a Jimi Hendrix. Espera-se uma confirmação de que a NFL sabia antecipadamente o que seria apresentado, do ensaio antes do jogo à configuração do palco”.

Até Madonna, em 2012, é mencionada:

“O show claramente apresenta cenas de jovens dançarinas (possivelmente nem adultas) em posições reclinadas, com pés e mãos e/ou ombros jogados para trás. As mulheres elevando as regiões pélvicas de maneira evocativa de atos sexuais (provavelmente qualificadas como ‘indecentes’), ou, pelo menos, de maneira consistente com cenas de um club de strip”.

Os documentos de M.I.A. não são apenas sobre os artistas. Uma recente proposta de avaliar a punição das 15 jardas pelo uso de insultos racistas é contrastada com a exigência de US$ 16 milhões. O escândalo envolvendo o atacante Richie Incognito, dos Miami Dolphins, foi mencionado, assim como uma rejeição judicial de um acordo de US$ 765 milhões.

A cantora disse que não deve haver responsabilidade ou danos baseados em especulações. E os documentos legais dizem ser “implausível” que qualquer multa seja aplicada após anos de inação e recentes decisões da Suprema Corte. E mais, a responsabilidade do canal transmissor NBC pode ser investigada.

“NFL e NBC falharam no exercício da conduta do Show do Intervalo do Super Bowl por não ativar o ‘atraso de 5 segundos’ na transmissão”, dizem os papéis de M.I.A.. “Qualquer culpa ou responsabilidade deve ser diminuída por negligência da NBC. Ainda não foi revelado se o contrato da NBC devia algo à NFL em termos de operar o ‘atraso’. É muito provável que seja este o caso”.

Madonna – um clássico da MTV

madonna-mtv-classics

Who is the master? Who is the slave? A MTV sempre ganha pontos no quesito criatividade. Tanto é que seus comerciais são sempre lembrados pela audiência, fiel a programação.

Desta vez, para promover o “MTV Classic”, a emissora – que tem na sua grade o programa no Reino Unido e na Irlanda – divulgou um vídeo com diversos artistas incônicos da música, considerados clássicos do mercado fonográfico Pop e Rock, como Madonna, Michael Jackson, Beyoncé, Slash, Kylie Minogue e dentre outros, de várias gerações.

Review: Impossível competir com Madonna

Madonna

Madonna é considerada uma lenda viva, um ícone cultural, uma das melhores e mais influentes artistas na história da música americana e, na noite de 1º de novembro, nós descobrimos o porquê no Scottrade Center: trabalho árduo e carisma natural.

Se acreditarmos em qualquer das falhas de personalidade dela sobre as quais temos sido informados, ela precisa e quer ser o centro das atenções o tempo todo. Esta qualidade pode ser a mais o traço mais distinto de uma estrela pop, e Madonna é, indiscutivelmente, a maior estrela do mundo. A morte de Michael Jackson não deixou dúvidas sobre quem carregará a coroa. Os maiores astros de estádios como Bruce Springsteen e Prince podem representar uma boa competição, mas Madonna é a Rainha.

É especialmente interessante considerar que Madonna é um camaleão de estilos e cultura. Houve a Madonna punk dos anos 80, a religiosa, a controversa, a sadomasoquista, a mística, a Evita, a baladeira e assim por diante. Todas essas Madonnas estão aí e são amadas, mas o interessante é como ela traduz e comprime todas essas personalidades no palco do show. Uma enorme produção, incluindo um palco gigante, telas imensas, luzes, lasers, filas de dançarinos, clipes de intervalo e uma banda, não distraem ou minimizam o poderoso carisma dela.

O show de abertura de Paul Oakenfold foi uma seleção decente e justa pra animar a multidão. Ele gentilmente tocou versões eletrizantes de Mr. Brightside, do The Killers; Satisfaction, dos Rolling Stones; Sweet Dreams, dos Eurythmics; Otherside, dos Red Hot Chili Peppers; e não menos do que três músicas da Rihanna. Basicamente, foi tedioso, mas funcionou. Parecia algo ignorável, tocado em qualquer boate no fim de semana.

Neste momento, Oakenfold é mais um senhor da música eletrônica do que um membro ativo e inovador da cultura, mesmo assim mandou um pouco de Sandstorm, do DJ Darude, para os clubbers que lá estavam. Como os mais populares DJs em grandes eventos, ele não parecia estar fazendo muita coisa atrás do painel de LED. Havia uma câmera sobre ele o tempo todo, mas, de maneira reveladora, o único momento em que mostrou as mãos escondidas dele foi no final, quando ele abaixou o volume.

Um show da Madonna é mais do que apenas música, é a apresentação ao vivo da arte dela, o que representa ela mesma. Não há um jeito fácil de apresentar exatamente todos os seus visuais, fases e explorações musicais em um set de uma hora e meia.

Ela aborda o dilema terminando o show com seções diferentes, todas apresentando humores, atitudes, tipos de música e figurinos diferentes. Ela já está há três décadas numa carreira musical enorme, internacional e inconcebível, e seria impossível (e cansativo) pra ela tocar todas as músicas que os fãs queiram ouvir.

Madonna

Há uma dificuldade que precisa ser dita quando tenta-se compartimentar uma lista de opções tão longa e diversa. Este problema foi resolvido através da referência a outros sucessos durante a apresentação. Por exemplo, Hung Up conteve pitadas de tanto Papa Don’t Preach como Live To Tell. E, durante Express Yourself, Miss Madge até mesmo deu um golpe merecido em Lady Gaga ao jogar alguns versos do sucesso roubado Born This Way no meio da canção.

Por nunca insinuar ou ser sutil, Madonna é direta em sua vida e em seus shows. Ela é uma artista bem literal, andando na corda bamba pra ilustrar uma tensa emoção, agarrando suas partes ao cantar sobre sexo, rastejando no chão pra imitar uma angústia e atuando de forma convincente em alguns cenários de contação de histórias (especialmente durante a apresentação de Love Spent, uma faixa de destaque no novo álbum MDNA).

Sob as luzes de Madonna, tudo é líquido. O chão do palco se transforma numa plataforma elevada, os dançarinos se formam numa escadaria humana e a senhora da noite troca tanto de figurino, quanto de cabelo e humor com facilidade. Ela começou a noite como algum tipo de líder Illuminate sombria antes de mudar para uma violenta Bond Girl; uma mulher buscando orientação religiosa; a líder de uma banda de fanfarra; uma estrela da cena de Factory, de Andy Warhol; uma amante de cítara e seguidora do guro Maharishi Mahesh Yogi; uma anfitriã bem afetada e daí um tipo de druida futurista do espaço sideral, com um pouco da energia dominatrix aqui e ali.

Se ela tem alguma constante, é o fato de estar sempre mudando. Esta é a verdade em todas as suas explorações, mas Madonna ainda tem algumas cenas e visuais próprios. Mas, por estar na cena por tanto tempo, tudo sobre ela é familiar. Das suas sobrancelhas distintas às pontas nítidas de seu lábio superior às coxas saradas ao estilo de dançar e presunção, parece que conhecemos tudo, mas ela ainda consegue fazer as músicas e os visuais parecerem frescos. É tudo ainda muito Madonna, mas ela sempre mistura o estilo. Ela mantem as canções antigas interessantes por apresentá-las de novas maneiras como quando cantou uma versão lenta e quase macabra de Like A Virgin.

Mesmo com todo esse pensamento e esforço e profissionalismo, alguns pontos não foram tão bons assim. Human Nature precisou de mais efeitos de hip-hop (como na versão do álbum) e Masterpiece foi, de longe, o ponto mais fraco da noite. Mesmo assim, quaisquer pequenas falhas foram mais do que compensadas quando o show terminou. Like A Prayer sozinha valeu o preço exorbitante do ingresso. Todos os dançarinos estavam no palco numa estrutura elevada, vestindo túnicas e balançando e batendo palmas como um coral gospel, com Lady Madonna pregando. Posso ouvir um “Amém”?

CADERNO DO CRÍTICO:

Multidão: Parecia haver várias senhoras mais velhas tendo a “Noite das Mamães”. Havia também muitas senhoras vestidas com diversas eras de Madonna, saias redondas dos anos 80, provando ser especialmente populares. Muitas e muitas fantasias que sobraram do Halloween.

Família: Rocco, filho de Madonna, atuou como dançarino-júnior, unindo-se a ela no palco em algumas canções e até mesmo explodindo em seu próprio solo de dança.

Problema: Durante I’m A Sinner, o retorno auricular e o microfone de Madonna lhe deram problemas. Ela parou a canção e esperou pela troca antes de recomeçar, mas não antes de pedir perdão à plateia e evocar piedade daqueles que lá estavam quando ela resmungou em tom de brincadeira: “Este é o meu pior pesadelo”.

Gostosura: Levando em consideração o fato de que Madonna é uma mulher que construiu sua carreira parcialmente em seu corpo e sexualidade, não acho ser irrelevante mencionar que ela estava incrível. Ela está mais linda e, de algum jeito, mais charmosa na carne, e seus figurinos justos não deixaram dúvida de que o corpo dela ainda está demais. Mas é louco assisti-la e perceber que ela é real. Ela é tão pequena quando você a vê pessoalmente que é difícil se conscientizar de que esta pessoa pequenina tem sido tão influente.

Diva: Quando Madonna espiou em alguns fãs sentados durante o show, ela os chamou. Ela quis que todos levantassem e dançassem, e, gentilmente (mas firmemente), os envergonhou até que a obedecessem (“Vocês não têm permissão pra sentar na porra da cadeira!”).

Riverfront Times – Tradução de Leonardo Magalhães.

Madonna supera Michael Jackson em vendas de singles

Madonna Singles Sales

A Rainha do Pop Madonna superou o Michael Jackson na venda de singles no Reino Unido, como confirma o Official Singles Chart. Madonna já ultrapassou 17,6 milhões de vendas e só fica atrás de lendas como Beatles, Elvis Presley e Cliff Richard, que venderam, cada um, mais de 21 milhões de cópias.

Madonna é a 4ª artista que mais vendeu singles no Reino Unido ao longo de toda sua carreira.

Foi divulgado o ranking, que traz os 12 maiores vendedores desde 1952, traz ainda Michael Jackson na 5ª posição, com 15,3 milhões, Elton John em 6º, com 14,8 milhões, Rihanna em 10º, com 10,2 milhões, e Kylie Minogue em 12º, com 10,1 milhões.

Confira a lista:

The Beatles 21.9m
Elvis Presley 21.6m
Cliff Richard 21.5m
MADONNA 17.6m
Michael Jackson 15.3m
Elton John 14.8m
Queen 12.6m
Abba 11.2m
David Bowie 10.6m
Rihanna 10.4m
Paul McCartney 10.2m
Kylie Minogue 10.1m

95,6% dos ingressos da tour de Madonna vendidos nos Estados Unidos

Madonna MDNA World Tour

Madonna estás prestes a entrar em tour, o MDNA World Tour começa dia 31 em Israel. O presidente da Live Nation, Arthur Fogel, contou ao Wall Street Journal nesta quinta-feira, 10, que só para os shows nos Estados Unidos, Madonna vendeu 653.000 ingressos para as 43 datas norte-americanas programadas até o momento, e afirmou que esta será a tournê mais rentável da história.

Apenas 30.000 bilhetes continuam disponíveis para a turnê em 36 cidades, sendo que 80% destes ingressos são os de cadeira simples ou reservados para espectadores com deficiência. Ou seja, 95,6% de todos os ingressos disponibilizados para venda já foram vendidos.

“Estão praticamente esgotados os ingressos para os shows de Madonna nos Estados Unidos.” Além disse, ele afirmou que dos que compraram os ingressos na pré-venda, apenas 30% deles incluíram o álbum MDNA no pacote, e que o restante das vendas foram feitas em lojas. O novo álbum de Madonna, MDNA, que debutou em primeiro lugar na Billboard com vendas de 359 mil unidades nos Estados Unidos, 159 cópias vieram das vendas casadas com os ingressos, e não 70% como a mídia publicou.

Sem qualquer tipo de promoção, o último álbum de Madonna, MDNA, recebeu certificado de platina dupla esta semana com vendas de 80 mil unidades do CD em apenas dois meses de vendas. O álbum Hard Candy, de 2008, apesar de ter vendido mais de 125 mil unidades, ainda precisa receber suas certificações. Para que a ABPD certifique um álbum, a certificação é paga pela gravadora.

As vendas no Brasil de artistas internacionais são contabilizadas a partir de 1990, data que as apurações da ABPD começaram. A primeira posição na lista é do cantor norte-americano Michael Jackson com mais de 4 milhões de cópias comercializadas seguido por Madonna com 3,5 milhões (lista de 2010). Na realidade, as vendas de Madonna no Brasil ultrapassam a 5 milhões de unidades ou mais (sem números exatos) e Madonna é cantora que mais vendeu por aqui.

A Rainha do Pop apresenta-se em Brasil, no mês de Dezembro, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Bônus: Vendas da fase Madonna – MDNA – pelo mundo:

MADONNA – MDNA (ÁLBUM) (distribuição – Shipments)

USA: 500.000
Canada: 80.000
Brazil: 80.000
Mexico: 30.000
Argentina: 20.000
Colombia: 20.000
Venezuela: 5.000
America: 720.000

UK: 100.000
France: 100.000
Germany: 100.000
Italy: 60.000
Austria: 10.000
Belgium: 15.000
Bulgaria: 5.000
Czech Rep: 5.000
Denmark: 10.000
Finland: 20.000
Greece: 12.000
Ireland: 7.500
Norway: 15.000
Poland: 20.000
Portugal: 7.500
Romania: 5.000
Russia: 55.000
Spain: 20.000
Switzerland: 15.000
Europe: 615.000

Australia: 35.000
New Zeland: 5.000
Oceania: 40.000

Japan: 100.000
Hong Kong: 7.500
India: 4.000
Taiwan: 10.000
Asia: 175.000

South Africa: 20.000
Turkey: 35.000

Total: 1.675.000

Give Me All Your Luvin’

Madonna - Give Me All Your Luvin'

USA: 545.000
Canada: 65.000
UK: 50.000
France: 55.000
Germany: 70.000
Italy: 45.000
EUROPE: 280.000
Australia: 17.500
Japan: 15.000
South Korea: 365.000
Total: 1.315.000

Girl Gone Wild

Madonna Girl Gone Wild Single

USA: 85.000
Canada: 7.500
UK: 3.500
France: 10.000
Germany: 12.500
Italy: 12.500
EUROPE: 50.000
Australia: 2.500
Japan: 15.000
South Korea: 80.000
Total: 245.000

Single “Masterpiece”

UK: 10.000
EUROPE: 25.000
Total: 35.000