Arquivo da tag: Marilyn Monroe

Madonna: uma rebelde criticada e coagida – Liz Smith

madonna-rebel-heart-capa-novoálbum-peq

“Na verdade, o público odeia reconhecer o que lhe é familiar. Todos odeiam serem perturbados e se chocam com surpresas. O pior que pode acontecer a uma peça de arte é não ter culpa de nada, não obrigando o autor a tomar uma atitude de oposição”.

Esta frase é do cineasta, artista, designer e dramaturgo Jean Cocteau, de 1923, que pode ser associada à última controvérsia de Madonna. A capa do novo álbum, Rebel Heart, cujas faixas demo foram roubadas e lançadas na internet, mostra Madonna com cordas pelo rosto, enfatizando sua própria visão de “rebelde”, que tem sido limitada e depreciada. Ela já o fizera, de maneira mais persuasiva, no clipe de Human Nature, alguns anos atrás.

Os fãs, então, montaram imagens “rebeldes” pessoais, enviando fotos de Martin Luther King e Nelson Mandela com cordas nos rostos. Madonna postou os trabalhos e, imediatamente, foi acusada de racismo e, claro, egomania, atrevendo-se a se comparar a King e Mandela.

Madonna é muita coisa, mas racista não, com certeza. Ela já namorou homens afroamericanos e latinos, além de adotar duas crianças africanas do Malawi, David e Mercy. A propósito, filhos esses com quem ela não desfila como “acessórios”, como os críticos insistem que ela fez, à época das adoções.

Egomaníaca? Digamos que ela tem um ego enorme, misturado com um sentimento de vitimização. Tudo isso a faz ser parecida com qualquer outro grande astro. Ela também é surpreendentemente vulnerável, mas apenas com quem a conhece intimamente. E neste mundo de postagens desesperadas no Facebook, Instagram ou Twitter, Madonna tem o mesmo cuidado que centenas de outras pessoas famosas e milhões de cidadãos comuns. Ela já teve que se pronunciar frente a falsos ataques dos críticos, se desculpar por quaisquer ofensas, desmentir acusações de racismo e negar qualquer tipo de comparação com King ou Mandela.

Outros astros que já foram “amarrados” por Madonna incluem a Princesa Diana, Marilyn Monroe, Bob Marley e Jesus. Todos eles, segundo ela, lutaram de verdade, nadando contra a maré.

Alguns fãs de Madonna gostariam que ela confinasse as expressões artísticas no estúdio. Mas por quê? As seis canções que ela foi forçada a lançar, frente ao material roubado, chegaram ao topo do iTunes em 40 países. Ela conseguiu pegar os limões e fazer uma limonada.

Quanto às canções, três delas são realmente lindas e lembram muito a Madonna dos anos 80 e 90 (Ghosttown é emocionante). As outras três são dançantes e com batidas Techno. Mais faixas virão em março.

Madonna deveria ignorar esse tema de auto-referências. Uma das novas faixas se chama Bitch, I’m Madonna. Todos sabem disso, ninguém irá esquecê-la. (Liz Smith)

“Madonna desespero, aposta triunfos passados apenas para parecer atual”, ataca jornal

madonna instagram Martin Luther King
Martin Luther King Jr

Madonna pediu desculpas em suas redes sociais depois que ela postou fotos em seu Instagram de Martin Luther King Jr. e Nelson Mandela, que foram alterados para se parecer com sua própria imagem em seu novo álbum, a ser lançado em março.

Madonna foi acusada por seguidores e por alguns veículos da imprensa internacional de racismo e de possuir uma autoestima mais do que elevada ao se comparar com as figuras, que marcaram a história por sua luta pela igualdade de direitos entre negros e brancos. “São de mau gosto por diversos motivos. O mais óbvio é Martin Luther King, que com certeza não fez seu discurso de ‘eu tenho um sonho’ para ajudar uma mulher branca e rica a vender discos meio século depois”, diz um trecho do texto publicado pelo site da revista americana Entertainment Weekly.”

Já o Washington Post foi mais fundo: “Madonna vem lutando para se manter atualizada, trabalhando com produtores que permanecem jovens enquanto ela envelhece, vergonhosamente apresentando referências a drogas e apelando ao público da dance music, que ela nem deveria ter que agradar, e, basicamente, desperdiçando um frescor de décadas em troca de manter sua marca pessoal. As tentativas mais ofensivas de manter a relevância estão nas redes sociais dela. Lá, os erros mais frequentes são o que esperamos ver no Instagram de qualquer mãe de meia idade, como fotos com montagens ruins no Photoshop e fotos engraçadas que já foram postadas em vários sites, ou fingir ser bacana com gírias passadas. A maior parte disso é desespero, como se apostasse triunfos passados apenas para parecer “na moda” – por que fazer referência a Warhol e Haring em comerciais pro disco novo montados no Photoshop, uma vez que ambos já trabalharam com Madonna no passado? Apesar disso, hoje em dia, ela decidiu se esforçar mais com uma série de postagens com fotos (mais uma vez) editadas de revolucionários políticos mortos para cobrir os semblantes deles com os fios enrolados ao redor do rosto dela na capa do novo álbum Rebel Heart. É repugnante em vários níveis. O óbvio é que Martin Luther King, Jr. não apresentou seu discurso “Eu Tenho Um Sonho” para promover o disco de uma branca rica meio século depois. E o fato dela usar as imagens de três das mais influentes figuras na moderna luta pelos direitos dos negros – King, Nelson Mandela e Bob Marley –, enquanto a América luta pra considerar sua história de racismo sistemático é algo perplexo, pra dizer o mínimo,” atacou ofensivamente o jornal.

“No entanto, o ponto mais decepcionante da mini-campanha dela é o tom nada original. Anunciantes têm usado King há tanto tempo que o conceito se tornou um clichê. A campanha Think Different, da Apple, que tem sido ecoada pelos tuítes de Madonna, já usou Mandela.”

Nelson Mandela, ex-Presidente da África do Sul

Em um comunicado em sua página oficial do Facebook, Madonna explicou: “Eu sinto muito. Eu não estou me comparando a ninguém. Estou admirando e reconhecendo que eles também eram corações rebeldes (Rebel Hearts). Isto não é um crime, um insulto ou racismo”.

A capa do novo álbum de Madonna trás a rainha do pop em close-up com cortas pretas, o que acabou tornando-se um viral, com inúmeros memes na internet com fotos de outros artistas e de de fãs.

Bob Marley

Continuando, na pressa, Madonna continuou em um post cheios de erros de ortografia (corretor ortográfico (talvez, um saco): “– Fiz a mesma coisa com Michael jaclson (ela se referia ao cantor Michael Jackson), frida khalo (Frida Kahlo) e marilyn monroe… Estou dizendo que sou como eles? Não. Estou dizendo que eles também são corações rebeldes. Espero fazer um dia um centésimo do que eles fizeram. Eu apenas compartilhei estas fotos enviadas por fãs, mas eles, tampouco, são racistas. Pode me colocar na mesma categoria, agradeço.

Editor da CNN chama Madonna de “parasita previsível”

O uso da palavra com “N” por Madonna é mais do mesmo

madonna american life cnnNa sexta, 17, Madonna postou uma foto de seu filho adolescente, Rocco, no Instagram, dando socos num ringue de boxe com a legenda: “Ninguém se mete com Dirty Soap! Mamãe disse pra te nocautear!”, ela escreveu abaixo da imagem, adicionando a hashtag “#negao”.

Sim, claro.

Quando o inevitável protesto do público começou, a foto foi deletada e repostada, com a legenda substituída por, na moda de Madonna, “#medeixaempazcar###o!”.

Nada neste furor foi acidental.

O ícone pop já está familiarizada com controvérsias, mas, agora, talvez seja a hora de examinar as consequências de sua última viagem cultural em nome da reinvenção.

Em cada uma de suas várias encarnações visuais e flertes culturais, Madonna foi uma parasita previsível. Sem o menor pudor, ela se muda para o próximo personagem, depois de usurpar todas as partes legais e controversas do anterior. Agora, eis o uso da palavra com "N".

A falta de preocupação pelo impacto de suas palavras é problemática, especialmente por sua aliança com crianças, adotadas e biológicas.

Mas é de Madonna que estamos falando.

Com rumores de uma possível performance com Beyoncé no Grammy, faz sentido voltar ao noticiário. Esta é a mulher que abraçou o título de Rainha do Obsceno décadas atrás. Esta é a mulher que se despiu para o livro Sex, lançado junto com o álbum Erotica, em 1992.

Ela já se apresentou pendurada em uma cruz, criticou a Guerra do Iraque e se masturbou no palco e no cinema.

Lady Gaga pode viver pelo aplauso, mas Madonna, sem dúvida, vive pelo alvoroço. Ela é adepta de manchetes e de álbuns recordistas. E é mais provável que ela responda com o dedo do meio do que com uma desculpa sentimental. Ela se mantém firme em suas decisões e, historicamente, não retira seus comentários.

Previamente, eu já apreciei esta qualidade dela.

Madonna: “A hashtag com ‘N’ foi um ‘termo carinhoso’ com meu filho”.

Como dançarino e ex-aspirante a coreógrafo, aprecio o espetáculo corajoso nos shows de Madonna. A bem-sucedida Confessions Tour, por exemplo, demonstrou uma queda por destruir barreiras criativas, que me manteve alerta mesmo quando os críticos a abandonaram.

Mas até os fãs têm suas críticas.

Espera-se que as influências sejam diferentes conforme as tendências musicais e os interesses mudem. Mas e Madonna? Ela já trabalhou demais para ganhar seu status de “chef cultural”, exigente ao escolher os aspectos mais singulares de mercado para benefícios comerciais com pouca referência a integridade de seu comportamento.

Quando ela ofendeu os Hindus ao vestir uma “bindi”, símbolo de castidade e pureza, enquanto vestiu um top transparente em uma performance no VMA, uma porta-voz contou a MTV que Madonna não “entendeu porque (eles) estavam chateados”.

Ela defendeu o uso de imagens Nazistas durante a MDNA Tour para destacar “a intolerância que os humanos têm um pelo outro”.

Madonna repetidamente já demonstrou que vê a iconografia cultural, de estilos de dança a símbolos religiosos, como afirmações artísticas e os separa quando não é mais conveniente. No passado, ela imitou Marilyn Monroe. Depois, veio sua fixação espanhola no fim dos anos 80 com La Isla Bonita. Em 1990, ela apresentou o Vogue ao mundo, um estilo de dança popularizado por gays negros e criadores latinos.

Daí, vieram os “bindis”, “saris”, as vibrantes tatuagens de henna e a magia ambígua de cantos de oração no álbum Ray Of Light. Ela foi uma versão feminina e poderosa de Che Guevara na arte de American Life. Cada imagem estilizada de forma imaculada, cada renovação aguentando o ciclo da vida de sua mais recente fascinação.

Usar a palavra com “N” no Instagram é apenas Madonna sendo Madonna. E o seu estilo “Desculpe se você se ofendeu” de não se desculpar não indica que ela aprendeu algo no passado.

Ela seria insolente para usar a frase “termo carinhoso” se fosse direcionado aos seus filhos negros adotados do Malawi, David Banda e Mercy James?

Ela se tornou acomodada demais, tendo amigos, colegas e filhos negros? Este incidente é menos sobre Madonna ser racista e mais sobre sua contínua falta de tato.

Isto seria uma grande lição a seus filhos sobre erros e consequências, em sua última reinvenção como humanitária e mãe. Mas deveria, em primeiro lugar, ser uma lição para a própria Madonna.

Alexander Hardy é escritor, professor e crítico cultural. Ele escreve sobre raças, sexualidade, e observações de Panama no blog The Colored Boy. Twitter: @chrisalexander_. Link original aqui.

Harvey Weinstein: “Madonna é a própria Marilyn Monroe”

Harvey Weinstein, diretor da Weinstein Company, imprensa responsável pela distribuição do filme “W.E.” nos Estados Unidos, comparou Madonna com a legendária estrela de cinema Marilyn Monroe. Para Harvey, o futuro da Marilyn Monroe teria sido muito parecido com o de Madonna.

Durante a pré-estréia do filme “My Week with Marilyn Monroe“, estrelado por Michelle Williams, Harvey disse que há uma artista contemporânea para ser exemplo de uma fama tão duradoura como a de Marilyn:

Ela é a celebridade mais moderna e extraordinária que temos. Madonna é a própria Marilyn Monroe com emancipação feminina e muito mais. Ela tem o mesmo status de celebridade e o mesmo poder de permanência como Marilyn Monroe

NY Daily News

Madonna, Marilyn Monroe e suas inpirações:

Madonna sempre mostrou em sua arte a admiração por mulheres e diversos artistas, que assim como ela, fez e ainda faz história. Famosas como Bette Davis, Audrey Hepburn, Brigitte Bardot, Veronica Lake, Rita Hayworth, Greta Garbo, Jean Harlow, Marlene Ddietrich, ABBA, Gina Lollobrigida, Lady Di, até mesmoJohn Travolta (entre outras) já foram homenageada por nossa Rainha.

Abaixo algumas “homenagens” que fez durante a sua carreira, pegando emprestado a imagem lendária deMarilyn Monroe como inspiração de um dos maiores ícone hollywoodiano de todos os tempo:

313233
343536
373840
414244
292826
252423
302221
201918
171615
141311
10a1009
080706
050403
0201

Que fique bem claro…

Madonna NUNCA desmentiu ou negou que utilizou as imagens de suas musas. Essa foi, e é, a maneira que encontrou de homenager seus grandes ídolos. Não é atoa que ela é fã do cinema.