Arquivo da tag: Prince

Madonna e Stevie Wonder homenageam Prince nos Billboard Music Awards 2016

landscape-1463974370-hbz-madonna-stevie-wonder

O anúncio de que Madonna homenagearia Prince nos Billboard Music Awards causou muita controvérsia, compreensível até certo ponto. Afinal, Prince foi, provavelmente, o maior gênio da música da geração. Madonna tem vários talentos, mas os dons como musicista não estão no topo da lista.

Continue lendo Madonna e Stevie Wonder homenageam Prince nos Billboard Music Awards 2016

Produtor do Billboard Music Awards defende a escolha de Madonna pra homenagear Prince

prince-madonna-split

O produtor executivo dos Billboard Music Awards defendeu a decisão de ter Madonna homenageando Prince no domingo, fato que recebeu muitas críticas e, inclusive, deu origem a uma petição no site Change.org.

“Olha só, acho que todo mundo tem direito a uma opinião, mas digo que pra nós é uma honra e não poderíamos estar mais ansiosos de ter Madonna no show, em tributo a um amigo e parceiro dela”, disse Mark Bracco em entrevista à agência de notícias The Associated Press na última terça-feira (17). “Acho que será fantástico!”.

Continue lendo Produtor do Billboard Music Awards defende a escolha de Madonna pra homenagear Prince

Madonna tributo Guy Oseary fala sobre Prince

alx_montagem-prince-madonna_original

Conheci o Prince quando tinha 12 anos de idade. Pedi o autógrafo dele e ele escreveu “Com amor, Deus”.

As paredes do meu quarto tinham pôsteres do Prince. Eu morava em um apartamento de dois quartos com meu pai, e dava pra ver meus pôsteres da rua. Muitos, muitos anos depois, me reencontrei com ele e permanecemos amigos.

Continue lendo Madonna tributo Guy Oseary fala sobre Prince

Dita Von Teese: nenhum artista pop pode competir com Madonna

madonna i'm breathless

Após ser questionada sobre quais artistas pop incorporaram elementos burlescos em suas performances de maneira bem-sucedida, Dita Von Teese disse:

“Madonna é uma das únicas popstars na História. Se você vir a carreira dela: ela é esperta, faz o dever de casa. Com cada persona incorporada, ela se elevou ao nível máximo. Não vejo ninguém na música pop moderna que realmente possa fazer isso. Quando vejo Madonna, percebo que ela acerta em cada detalhe, e ela tem uma boa equipe também, mas é necessário ter liderança pra conseguir tudo isso.

É por isso que, quando assisto a shows pop, penso: ‘Uau, isso não é tão interessante’. Sabe, Madonna vestiu Jean Paul Gaultier no palco nos anos 90!”.

Sobre ouvir rádio, ela respondeu:

“Não ouço nada no rádio. Não acho que haja música boa. Há toda uma indústria agora, que regula tudo o que toca no rádio…

Não ouço nada (no rádio) relativo a Prince, David Bowie e Madonna. Coisas assim realmente passam no teste do tempo. Eu não…”.

Crítica: álbum ‘Like A Prayer’, de Madonna, 25 anos

madonna like a prayer album 25 anos years2

Pra comemorar o 25º aniversário, eis uma lembrança de cada faixa do clássico álbum Like A Prayer, de 1989. No início daquele ano, o mundo conhecia Madonna como uma provocadora pop com um estilo sexy e excêntrico. Ela era a maior celebridade feminina do planeta e, mesmo com toda a fama, poucos sabiam quanta dor e dúvida aquela católica de 30 anos que encarava um divórcio vivia. Com Like A Prayer, tudo mudaria.

Gravado durante o término de seu casamento com o ator Sean Penn, Like A Prayer fora o álbum mais introspectivo e eclético de Madonna até então. Diferente dos três antecessores, este misturou um rock clássico e psicodélico com os mais modernos sons de sintetizadores. E agora, um quarto de século depois do lançamento no dia 21 de março de 1989, o álbum não parece nem um pouco antigo. Liricamente, ele fala de crescimento, a superação de um romance ruim, e fazer as pazes com Deus e com a família. Pelo menos duas músicas estão centradas na morte da mãe de Madonna, um trauma de infância que teve grande influência no processo de criação de sua personalidade.

madonna like a prayer album 25 anos years

Antes de Like A Prayer ser lançado, Madonna esclareceu que este não seria apenas mais um álbum. Três semanas antes do lançamento, ela estreou o clipe da faixa-título, o primeiro dos cinco singles top 20. Com imagens de assassinato, amor inter-racial e cruzes em chamas, o clipe contrapôs ideias religiosas e êxtase sexual, deixando algumas pessoas confusas e fazendo todos comentarem. Os Católicos a denunciaram, a Pepsi cancelou os comerciais com ela (e terminou com os planos de patrocinar a turnê). Os fãs, claro, engoliram tudo.

Deixando a controvérsia de lado, Like A Prayer está entre os melhores momentos de Madonna e, ao longo das próximas 10 faixas, o álbum não decepciona. Ele é rítmico, comovente e até um pouco esquisito. Enquanto Madonna é uma artista pura, este álbum é uma de suas melhores coleções. Leia a crítica de faixa a faixa:

Like A Prayer

Que forma ótima de começar um álbum. Primeiramente, guitarras distorcidas e um forte baque. Daí, um canto gospel enigmático e revigorante. É a junção de Thriller com o misticismo católico, e Like A Prayer é ótima mesmo sem o vívido clipe. Não é de se estranhar que chegou ao primeiro lugar logo um mês após o lançamento.

Express Yourself

A festa continua da igreja à elevação de Madonna, na qual ela observa suas joias e os lençóis de seda, e decide que prefere ter um homem que se conecta aos seus sentimentos. É sua versão bem alta e vibrante de Can’t Buy Me Love, e subiu ao segundo lugar.

Love Song

Esta colaboração entre Madonna e Prince é o equivalente dos anos 80 à parceria da Mulher Maravilha com o Batman. Com o seu poder de estrela, a faixa é leve, e, com o típico som da guitarra de Prince em meio aos sintetizadores de Madonna, as divergentes sensibilidades musicais seguem o tom da letra – eles não se conectam tão bem.

Till Death Do Us Part

Com o fim do casamento tumultuado com o ator Sean Penn, Madonna reflete sobre as brigas tornadas públicas – “Ele começa a gritar, os vasos voam” – e a distância emocional que condenou o casal. A guitarra e o teclado criam o sentimento de cansaço que contrasta bem com os vocais cheios de atitude de Madonna.

Promise To Try

Claramente uma canção direta sobre a morte da mãe de Madonna, esta balada no piano é realmente complexa. Ela canta para si mesma aos 5 anos de idade, e, além de dar conselhos – “Não esqueça do rosto dela” – ela pede perdão. Ela sabe que errou e teme ter decepcionado a mãe e a si mesma.

Cherish

Uma bem-vinda sobrevida após Promise To Try, o terceiro single do álbum é uma canção alegre sobre o amor verdadeiro. A única razão concebível para esta não ter chegado ao primeiro lugar: A América gosta da Madonna mais provocativa.

Dear Jessie

Esta divertida fantasia pop poderia ter vindo do álbum Around The World In A Day, do Prince, embora ele não tenha nada a ver com a canção. Madonna a compôs e produziu com Patrick Leonard, cuja filha foi a inspiração. Ouvindo novamente, é óbvio que Madonna estava destinada à maternidade.

Oh Father

Uma companhia a Promise To Try, esta canção sobre a tensa relação de Madonna com o pai não abre muito espaço para imaginação. Quando criança, ela se sentiu traída pela decisão dele de se casar novamente e, em uma entrevista em 1989, ela levou seu espírito rebelde e independente de volta ao sentimento de solidão que sentira ao ter seu pai “roubado” pela madrasta. Apesar de dificilmente ser uma faixa bacana, ela ressoou aos ouvintes e chegou ao número 20.

Keep It Together

Conforme as oito faixas anteriores atestam, Madonna teve alguns problemas familiares. Mas, nesta faixa vibrante, ela oferece paz ao pai e aos irmãos, insistindo que o sangue é “mais forte do que qualquer circunstância”. Na oitava posição nas paradas em março de 1990, Keep It Together tem uma melodia tensa.

Spanish Eyes

Esta balada com sabor latino fala tanto sobre AIDS quanto sobre violência de gangues, e a ambiguidade – um tema de debate entre os fãs até hoje – mostra o quão longe Madonna chegara desde Everybody e Borderline.

Act Of Contrition

Tendo usado as últimas 10 faixas para cavar emoções profundas, Madonna relaxa um pouco. Com guitarras de lamento e loops ao avesso, ela esvazia os pensamentos, sem a certeza de estar confessando seus pecado e reservando um lugar no Céu ou um quarto em um hotel da moda. “Como assim, não está no computador?”, ela pergunta, terminando a faixa à verdadeira moda de Madonna, com a boa e velha piscadinha.

Fonte: (Billboard)

M.I.A. pede dinheiro emprestado a Madonna por Super Bowl

M.I.A. pede dinheiro emprestado a Madonna por causa do SuperBowl

Como revelado no último mês de setembro, a liga NFL vem tentando punir a cantora M.I.A. pelo que aconteceu no Super Bowl do dia 5 de fevereiro de 2012 durante a apresentação de Madonna. Durante o evento, assistido por aproximadamente 167 milhões de pessoas, a rapper do Sri Lanka mostrou o dedo do meio na performance de Give Me All Your Luvin’, primeiro single do álbum MDNA, da rainha do pop.

M.I.A. não recebeu nada pelo evento, como de costume pela liga. Mesmo assim, a NFL passou dois anos exigindo US$ 1,5 milhão por quebra de contrato e por manchar a boa vontade e reputação.

Agora, a NFL adicionou mais uma denúncia, buscando US$ 15,1 milhões de restituição pelo valor de exposição pública recebido por aparecer por quase dois minutos durante a performance de Madonna. Os números se baseiam no que seria pago em publicidade no horário. “A reivindicação de restituição não possui base legal, factual ou lógica”, afirmam os papéis de M.I.A., arquivados na última sexta.

A estrela contou que a “busca contínua deste procedimento é um exercício transparente da NFL apenas para enfrentar e fazer disso um exemplo a quem desafiar a NFL”. Pelo twitter, M.I.A. ironizou no twitter “pedindo emprestado” 16 milhões para Madonna, que era a atração principal do intervalo da competição.

Como noticiado anteriormente, Howard King, o advogado de M.I.A., vem tentando anular o argumento da NFL, de que sua reputação foi danificada, ao solicitar informações do público, no que diz ser falta de benefícios para a NFL. Ele até mesmo criou um e-mail (NFL@khpblaw.com), para “equilibrar o campo de jogo”.

Os últimos papéis de M.I.A. acusam o “comportamento profano, libidinoso, lascivo, degradante e/ou inaceitável de seus jogadores, donos de times, treinadores e gerentes e dos artistas escolhidos e patrocinados pela NFL para se apresentar em seus shows de intervalo”.

Por exemplo, há a apresentação de Michael Jackson em 1993, na qual o cantor agarrou a genitália enquanto cantava Billie Jean.

“Esta foi a primeira investida da NFL contra apresentações lascivas em seus shows de intervalo”, como consta nos documentos de M.I.A.. “Será revelado que a NFL estava totalmente ciente de que Jackson faria o movimento em sua apresentação”.

E tem também a performance de Prince, em 2007. “Durante parte da apresentação, ele foi iluminado contra um pedaço de tecido para projetar sua sombra”, afirmam os papéis de M.I.A.. “Sua sombra maximizada apareceu fazendo carícias numa guitarra estilizada, como se fosse num pênis ereto, de maneira reminiscente a Jimi Hendrix. Espera-se uma confirmação de que a NFL sabia antecipadamente o que seria apresentado, do ensaio antes do jogo à configuração do palco”.

Até Madonna, em 2012, é mencionada:

“O show claramente apresenta cenas de jovens dançarinas (possivelmente nem adultas) em posições reclinadas, com pés e mãos e/ou ombros jogados para trás. As mulheres elevando as regiões pélvicas de maneira evocativa de atos sexuais (provavelmente qualificadas como ‘indecentes’), ou, pelo menos, de maneira consistente com cenas de um club de strip”.

Os documentos de M.I.A. não são apenas sobre os artistas. Uma recente proposta de avaliar a punição das 15 jardas pelo uso de insultos racistas é contrastada com a exigência de US$ 16 milhões. O escândalo envolvendo o atacante Richie Incognito, dos Miami Dolphins, foi mencionado, assim como uma rejeição judicial de um acordo de US$ 765 milhões.

A cantora disse que não deve haver responsabilidade ou danos baseados em especulações. E os documentos legais dizem ser “implausível” que qualquer multa seja aplicada após anos de inação e recentes decisões da Suprema Corte. E mais, a responsabilidade do canal transmissor NBC pode ser investigada.

“NFL e NBC falharam no exercício da conduta do Show do Intervalo do Super Bowl por não ativar o ‘atraso de 5 segundos’ na transmissão”, dizem os papéis de M.I.A.. “Qualquer culpa ou responsabilidade deve ser diminuída por negligência da NBC. Ainda não foi revelado se o contrato da NBC devia algo à NFL em termos de operar o ‘atraso’. É muito provável que seja este o caso”.

Prince culpa Madonna por seu fracasso

madonna-prince2Em entrevista à Billboard, o cantor pop Prince disse que Madonna é uma das responsáveis por fazer que ele fosse “esquecido” pela gravadora Warner Bros. Records.

“It was always about Madonna,” he tells the magazine, explaining why his relationship with the record label went sour. “She was getting paid, but at the same time we were selling more records and selling out concerts on multiple nights.”

Na entrevista, o cantor culpou Madonna por ter roubado o foco da gravadora. “Ela estava sendo paga, mas, na época, nós vendíamos mais discos e lotávamos mais shows em noites consecutivas”, afirmou Prince.

Durante os anos 1990, Prince mudou seu nome para um símbolo em protesto.

Ele também comentou o fato de a banda Maroon 5 ter regravado um de seus clássicos, a música “Kiss”

Prince disse não ter problemas com versões e afirmou que ele mesmo canta músicas de outros artistas em seus shows, pagando os royalties devidos. Mesmo assim, ele disse que não entende porque bandas como o Maroon 5 precisam regravar e relançar músicas de outros artistas.

“Why do we need to hear another cover of a song someone else did?” he quips in the interview, noting that he has no problem with artists performing covers during live shows. “Art is about building a new foundation, not just laying something on top of what’s already there.”

“Por que precisamos escutar outra versão de uma música de outra pessoa? Arte é construir novas fundações, não simplesmente ficar no topo do que já está feito”.

Madonna e Prince cantaram juntos na faixa “Love Song”, do álbum “Like A Prayer”, de 1989, música sempre ignorada por Madonna em qualquer show. Em 1994, Madonna teceu o seguinte comentário sobre Prince ao jornal Los Angeles Times: “Eu jantava com Prince e ele só molhava torrada no chá, muito delicado. Eu enchia o prato de comida diante de mim, perguntando tipo ‘Você não vai comer?’. Ele mexia os lábios, sussurrando um ‘não’ imperceptível”. Em seguida, ela concluiu: “Eu pensei, ‘Oh, meu Deus’. Eu tenho uma teoria sobre gente que não come. Elas enchem meu saco”.

Após essa declaração eles passaram um longo período se estranhando e evitando um ao outro.

Prince gravou vários álbuns para se desvencilhar do contrato com a Warner Bros devido seus deventendimentos com a gravadora, além disso recusou trabalho e turne com Michael Jackson.

2007 – Durante um show em Londres, Prince disse “Meus hits são mais numerosos que os filhos de Madonna”, o que parecia uma pré reconciliação.

2011 – Em 18 de Janeiro de 2011, Madonna foi ao show de Prince no Madison Square Garden e encerrou a rixa de duas décadas.

madonna-prince-2001
Durante o show, Prince brincou com Madonna sobre o seu show ser mais caro que o de Madonna em NY.

Para quem se interessar: Madonna – Uma Biografia Íntima – Caso com Prince:

Logo depois de seu primeiro encontro no set de “Material Girl”, Madonna, 26 anos, e Sean Penn, 24 anos, começaram a sair juntos. “Depois da filmagem do clipe, fui até a casa de um amigo meu”, explica ele. “Ele tinha um livro de citações, que abriu aleatoriamente numa página, e leu o seguinte: ‘Ela possuía a inocência de uma criança e a esperteza de um homem’. Olhei para meu amigo e ele disse apenas: ‘Caia matando!’. E foi o que fiz.” Mas a coisa complicada para Sean Penn era que Madonna também andava saindo com Prince, que conhecera numa outra ocasião nos camarins do American Music Awards, em Los Angeles, em 28 de janeiro de 1985. Ele não era seu tipo, e é difícil saber até por que Madonna estava interessada nele, exceto pelo fato de que o respeitava como músico e provavelmente apenas queria saber o que o fazia ser quem era.

Prince (cujo nome verdadeiro é Prince Rogers Nelson) era – ainda é – uma pessoa excêntrica, notória por exibir um comportamento estranhamente tímido em particular e uma sensualidade ultrajante – saracoteando de sunga e salto alto – no palco. Durante uma entrevista comigo no mesmo ano em que conheceu Madonna, Prince se recusou a falar. Em vez disso, sentou-se silenciosamente em sua cadeira diante de um prato chinês e passou a noite inteira brincando com o arroz e o camarão, o tempo todo de cara amarrada. Como resposta a cada questão, não acenava afirmativamente nem
sacudia a cabeça em negativa. Quando a entrevista terminou, foi embora sem dizer tchau. “E isso, meu amigo, é Prince”, disse seu agente a título de explicação.

Em seu primeiro encontro, Prince convidou Madonna para acompanhá-lo a uma de suas apresentações em Los Angeles. Embora ela tivesse agendado uma viagem fora de Nova York para começar os ensaios de sua própria turnê, decidiu adiá-la por alguns dias para passar algum tempo com o rock star. Na noite do show, ele a apanhou numa limusine branca imensa e a levou até o Forum, onde era a apresentação. Madonna disse mais tarde que ficou espantada com o forte cheiro de lavanda da diminuta estrela do rock. “Como uma mulher”, ela notou. “Senti com se estivesse na presença de Elizabeth Taylor. Ele exala lavanda. Na verdade, aquilo me excitou.”

Um antigo amigo de Prince, T. L. Ross, que estava na limusine, recorda: “ouvi que ela era muito agressiva, que o pobre sujeitinho tinha de se defender. Ela era muito forte. Segundo ele, tinha a força de dez homens”. Como devia se apresentar naquela noite, Prince não queria gastar todas suas forças com Madonna, e sugeriu que esperassem.

Após o show, os dois se aventuraram pela noite de Los Angeles e acabariam no Hotel Marquis, em Westwood, numa festa com a turma de Prince. A farra ficou da pesada quando ele subiu numa mesa e começou a tirar a roupa. Subindo junto, Madonna se atracou com ele numa esfregação, com os ombros subindo e descendo e o corpo ondulando. A festa só acabou às cinco da manhã, e Prince e Madonna – de braços dados, praticamente escorando um ao outro – retiraram-se para a suíte particular do ídolo.

Nos dois meses seguintes, o casal continuou a se encontrar, embora não parecessem ter muito mais em comum do que seu status de superestrelas. Enquanto ela era honesta e direta, ele era calado e acanhado. Para sorte dos dois, ambos idolatravam Marilyn Monroe. Quando ele Ihe contou que seu quarto estava abarrotado de posteres da deusa loira das telas, Madonna disse que não podia esperar para ver sua memorabilia.

Em uma noite romântica, Prince reservou todo o restaurante Yamashiro, que fica no topo de uma montanha, com uma vista de tirar o fôlego das luzes da cidade de Los Angeles. Madonna usava uma saia rendilhada púrpura com um sutiã preto, de marca, se insinuando sob a blusa impecavelmente branca. No restaurante, os dois comeram comida japonesa e então, após três horas do que pareceu a alguns observadores pouca conversa, partiram para um clube noturno chamado Façade.

“Passei um tempão rodeando esse assunto porque não sei bem como começar ou como dizer a você”, falou Prince quando estavam no clube junto com amigos. Estava sendo mais corajoso do que nunca com ela, e na frente de testemunhas, o que tornava tudo ainda mais surpreendente. “Madonna, acho que a gente devia ficar junto, você e eu. Quero que você seja, sabe…minha garota.”

Parecendo surpresa, Madonna deixou o pedido em suspense, como que antecipando um arremate de piada. Mas ele não estava brincando, e sim esperando sua resposta. “Hummm”, disse ela, franzindo o cenho e olhando como se estivesse tentando imaginar como lidar com o momento. “Puxa, isso é uma coisa para se pensar, não é?” Suas palavras não aparentavam muita convicção. Quando Prince pareceu cabisbaixo, Madonna pegou sua mão. “Ah, venha, vamos dançar!”, disse-lhe alegremente enquanto o puxava para a pista de dança.

Depois de mais ou menos dois meses, quando já não havia mesmo mais nada para dizerem um ao outro, Madonna se encheu. Os dois haviam gravado algumas canções em seu estúdio de Mineápolis, e uma delas iria até mesmo ser lançada mais tarde. Mas seus amigos se recordam que, enquanto ela reclamava de sua passividade, ele se pegava em sua natureza agressiva.

Conforme T. L. Ross: “Prince era cósmico demais para Madonna. Para ele, fazer amor é uma experiência espiritual. Para ela – pelo menos na época -, apenas uma expressão física. Enquanto Prince queria saborear cada momento do ato, ela sentia orgasmos múltiplos. Depois de dois meses, ele terminou. Daí, ela resolveu fazer a cena da mulher desprezada.
“Depois que ele demonstrou não ter mais interesse nela, foi aí que os telefonemas começaram. Madonna o importunava por semanas . Mais tarde, ele contou que ela gritava: ‘Como ousa me chutar desse jeito, não sabe quem sou eu?’. Definitivamente, não estava acostumada a levar um fora.”

Contudo, Madonna teria a última palavra em relação a Prince, anos mais tarde no Los Angeles Times, em outubro de 1994: “Eu jantava com Prince e ele só molhava torrada no chá, muito delicado. Eu enchia o prato de comida diante de mim, perguntando tipo ‘Você não vai comer?’. Ele mexia os lábios, sussurrando um ‘não’ imperceptível”. Em seguida, ela concluiu: “Eu pensei, ‘Oh, meu Deus’. Eu tenho uma teoria sobre gente que não come. Elas enchem meu saco”.

Madonna falou sobre seu processo colaborativo às vésperas do lançamento de seu novo ábum, MDNA

Madonna Entrevista 2012Madonna foi entrevistada pelo editor da Billboard e apresentador de rádio Larry Flick sobre o seu novo álbum e diz que toda a conversa sobre controle que gira em torno do seu trabalho não é bem verdade. Madonna falou sobre seu processo colaborativo às vésperas do lançamento de seu novo ábum, MDNA. Ela diz ser muito mais colaborativa do que as pessoas pensam.

Perguntada por Flick sobre seu retorno aos estúdios e sobre estar no controle de seu próprio destino, ela respondeu: Sabe que eu odeio usar a palavra ‘controle’ com frequência porque as pessoas usam e abusam dessa palavra para falarem sobre mim quando se diz respeito ao meu processo criativo. Todos dizem: Nossa, você é uma controladora e gosta de tomar o comando das coisas. A verdade é que tudo que eu faço, até mesmo no meu processo de composição, eu sou colaborativa o tempo todo. Valorizo as opiniões das pessoas, e eu preciso delas.

Eu não consigo trabalhar sozinha. Não sou como Prince ou outros artistas que conseguem entrar no estúdio e tocar todos os instrumentos, gravar uma faixa inteira e nem ouvir o que as pessoas têm a dizer. Eu estou sempre precisando ouvir o que as pessoas têm a me dizer, o tempo todo. Eu gosto da simplicidade do processo de composição, porque como um todo acho que ele é bastante simples. Você tem uma melodia, algumas palavras, você pega e canta. Isso, de certa forma, vem do seu coração e um milhão de emoções diferentes, vamos ser mais diretos.

Madonna também disse que teve que se comunicar em italiano com seu produtor  Benny Benassi através de um primo. Ela admitiu que seu colaborador regular Willian Orbit trás sempre a tona a alma torturada que tem e que a organização e o metodismo do produtor francês de EuroHouse Martin Solveig trouxe à tona seu lado irônico, seu amor por línguas e pelo ritmo das mesmas.

O álbum MDNA será lançado no dia 26 em todo mundo.

Obrigado ao amigo Gustavo Espeschit pela tradução.