Arquivo da tag: Take a Bow

De fã para fã, CD duplo Madonna GHV2 Remixed (The Best Of 1991-2001)

Disponível no Madonna Madworld o CD duplo Madonna GHV2 Remixed (The Best Of 1991-2001), trazendo os remixes do álbum promo lançado para DJs, e que hoje é uma raridade. O CD é uma réplica perfeita do oficial, preparado especialmente para os fãs da rainha do pop.

O CD/LP triplo Madonna GHV2 Remixed foi lançado em novembro de 2001 e trás o seguinte track-listing:

DISCO ONE:
1. What If Feels Like For A Girl (That Kid Chris Caligula 2001 Mix) 9:51
2. Don’t Tell Me (Timo Maas Mix) 6:55
3. Drowned World / Substitute For Love (BT & Sasha Bucklodge Ashram Mix) 9:27
4. Human Nature (Bottom Heavy Dub) 7:56
5. Frozen (Extended Club Mix) 11:17
6. Erotica (Masters At Work Dub) 4:50
7. Take A Bow (Silky Soul Mix) 4:13 (bônus)
8. GHV2 Megamix (Johnny Rocks & Mac Quayle Club Mix) 8:18 (bônus)

DISC TWO:
1. Deeper & Deeper (David’s Klub Mix) 7:39
2. Ray Of Light (Calderone CLub Mix) 9:30
3. Beautiful Stranger (Calderone Club Mix) 10:12
4. Bedtime Story (Luscious Dub Mix) 7:40
5. Secret (Junior’s Sound Factory Dub) 7:58
6. Music (HQ2 Club Mix) 8:50
7. The Power of Good-Bye (Fabien’s Good God Mix) 8:24 (bônus)
8. GHV2 Megamix (Thunderpuss Extended Club Mix) 4:47 (bônus)

Continue lendo De fã para fã, CD duplo Madonna GHV2 Remixed (The Best Of 1991-2001)

DVD Madonna ‘Rebel Heart Tour’ – Freedom Songs

DVD MADONNA REBEL HEART TOUR - FREEDOM SONGS

Sensacional DVD Madonna ‘Rebel Heart Tour’ – Freedom Songs. Performances que Madonna cantou durante a tour que não entraram no setlist oficial do show.

1.Drowned World
2.Frozen
3.Hung Up
4.Don’t Cry For Me Argentina
5.Take A Bow
6.Don’t Tell Me
7.Diamonds Are A Girl’s Best Friends
8.Who’s That Girl
9.Beautiful Stranger
10.Can´T Get You Out Of My Head
11.Open Your Heart
12.Spanish Lesson
13.Hanky Panky
14.Ring Of Fire
15.Fever
16.Crazy For You
17.Secret
18.Ghosttown
19.Like A Prayer
20. Rebel Rebel
21.Redemption Song

Continue lendo DVD Madonna ‘Rebel Heart Tour’ – Freedom Songs

Madonna finalmente manda Take A Bow

madonna rebel heart tour tapei guitarra

Não é novidade que Madonna é cheia de opiniões. E, mesmo amando os fãs – trazendo à vida as maravilhosas True Blue e Who’s That Girl pela primeira vez em quase 30 anos na Rebel Heart Tour – há várias faixas dos anos 90 que ela completamente ignorou.

Uma que está no topo da lista de muita gente é, obviamente, Take A Bow, que fecha o álbum mais astuto dela, Bedtime Stories, de 1994. O icônico clipe da balada apresentou a imagem de Madonna como uma grande especialista na cultura espanhola, e serve como influência direta no recente clipe de Living For Love, o primeiro single do álbum Rebel Heart (em Take A Bow, ela assiste a uma tourada; em Living For Love, ela é a toureira).

Continue lendo Madonna finalmente manda Take A Bow

Por que Bedtime Stories, é o mais importante de Madonna?

MADONNA BEDTIME STORIES CD

Durante toda a carreira musical de Madonna, ela já enfrentou implacáveis críticas por sua sexualidade. Talvez, ela seja o alvo mais consistente na indústria da música por mais de 30 anos, sendo que críticas ao seu trabalho sempre serviram de manual sobre como analisar mulheres em cada estágio da carreira. Não importa se foi pura especulação o fato dela não ser “como uma virgem” ou a punição ao corpo ao vestir uma malha daquelas, houve muitos momentos vergonhosos, apesar de uma verdade absoluta: ela exagera mesmo!

É por isso que o álbum Bedtime Stories, mesmo no 20º aniversário, permanece como o trabalho mais importante. Durante meses após o lançamento, ele foi vendido como um pedido de desculpas pelo comportamento sexual; e os críticos esperaram que fosse o retorno dela à inocência. Ao invés disso, ela ofereceu um conteúdo do tipo #desculpamasnaoestouarrependida e uma resposta ao problema das cantoras serem analisadas por sua sexualidade, ao invés da música. Como resultado das preocupações morais do público, o álbum se tornou o mais importante, abrindo caminho para a forma dos artistas lidarem com a vida sexual.

Em 1992, Madonna lançou Erotica, um álbum techno-conceitual e uma ode à servidão sexual, juntamente com o livro Sex, um catálogo fotográfico pornô com fotos dela e de seus amigos. Os lançamentos coincidentes resultaram em várias críticas negativas e na proibição de vendas em vários países, além da proibição de entrar no Vaticano. Madonna já se estabelecera como ícone, mas as letras honestas sobre masoquismo e as fotos explícitas publicadas incitaram a mais pesada raiva do público de sua carreira. Bedtime Stories nasceu para ser sua última chance de redenção, e a gravadora Warner concordou em produzi-lo sob a proteção de uma imagem menos provocativa.

Tanto a gravadora quanto sua assessora de imprensa Liz Rosenberg fizeram de tudo para reverter o dano causado pelos projetos anteriores de Madonna. Eles a fizeram lançar o single I’ll Remember, da trilha-sonora do filme Com Mérito para criar um sucesso “familiar” e aumentar a especulação de que Bedtime Stories traria seu pedido de desculpas. O vídeo-promocional do álbum prometia que “não haveria referências sexuais” e ainda trazia Madonna afirmando: “Sou eu completamente nova! Serei uma boa menina, eu juro!”.

A humilhação de Madonna foi construída em duas partes. Primeiramente, ela foi desprezada por sua sexualidade, pra depois cair na escuridão. Por ter eleito o sexo como seu produto, o vídeo fez todos se perguntarem sobre o quê ela cantaria, se o tema não fosse sexo. As especulações sobre o álbum se focaram no plano de fuga dela por se tornar irrelevante, na questão dela fazer cirurgias plásticas e o quê ela ofereceria como uma versão “mais velha” de si mesma.

“Quando se é uma celebridade, você tem permissão para ter uma característica de personalidade, o que é ridículo”, contou Madonna ao jornal Detroit News em 1993. Quando Bedtime Stories foi finalmente lançado, no dia 25 de outubro, ela falou sobre ambos os aspectos de sua humilhação pública. Apesar das promessas feitas em vídeo, ela continuou abordando os seus desejos sexuais, embora também tenha experimentado com o som e o tema. Começando com Survival, uma canção co-escrita com Dallas Austin, Madonna não hesitou em falar dos ataques e cantou: “Nunca serei um anjo / Nunca serei santa, claro / Estou muito ocupada sobrevivendo”. As letras continuam expressando uma narrativa tensa sobre o castigo que a mídia lhe impôs e seus sentimentos logo após, e as canções carregam melodias do R&B, em sua maioria produzidas por Austin, Nellee Hooper e Babyface.

O single definitivo do álbum é uma censura explícita às críticas. Em Human Nature, ela confirma que não está arrependida e que não é a “puta” de ninguém, além de perfeitamente combinar a canção com um clipe, no qual aparecem brinquedos que reminiscem a época de Erotica. Logo quando ela vai soltar o microfone, ela sussurra: “Ficaria melhor se eu fosse um homem?”.

Madonna afirmou a sua falta de remorsos por não ter dito ou feito nada incomum; só foi estranho porque foi uma mulher dizendo tudo. Em entrevista ao jornal LA Times, ela defendeu o álbum Bedtime Stories dizendo: “Estou sendo punida por ser uma mulher solteira, por ser poderosa e rica, e por dizer o que penso, por ser uma criatura sexual – na verdade, não sou diferente de ninguém, mas falo sobre tudo isso. Se eu fosse homem, não teria nenhum desses problemas. Ninguém fala da vida sexual do Prince”.

Além de mostrar a palavra final de Madonna a respeito do escândalo de sua sexualidade, o álbum gira em torno da concepção errada de que sua persona sexual limitou a versatilidade da artista. A narrativa do álbum se torna imediatamente introspectiva: “Sei rir / mas não conheço a felicidade”. Enquanto Bedtime Stories pega emprestado muito do R&B e do ritmo New Jack Swing (muito utilizado também por Michael Jackson no álbum Dangerous), ele se torna mais experimental com a faixa composta por Björk, acompanhada do clipe que só poderia ter explorado o inconsciente coletivo de forma melhor se fosse dirigido pelo próprio Carl Jung. O clipe de Bedtime Story é o primeiro exemplo do que a longa história de questionamentos espirituais de Madonna se tornaria. E mais, até hoje, ele está armazenado em uma coleção do Museu de Arte Moderna.

O par Human Nature e Bedtime Story prova que Madonna assumiu sua sexualidade e não seria ocultada por ela. Enquanto o primeiro abraça as decisões feitas nos álbuns anteriores, o segundo desmonta a narrativa “vagabunda” de que sua sexualidade pública tira o crédito de sua profundidade como artista. É claro que as pessoas veriam isto como uma obra-prima feminina, não é?

Mesmo assim, os críticos não entenderam. O jornalista Jon Pareles, do New York Times, caiu na nostalgia, citando a época em que “Madonna prosperou nos anos 80 por ser sensacional e sugestiva, contra uma cena cultural monótona”, e chamou o trabalho mais recente dela de “vulgar, ao invés de chocante”.

As críticas mantiveram o foco no escândalo da atitude dela, ao invés de estar no próprio disco. “A carreira de Madonna nunca foi realmente musical, mas, sim, sobre provocações, sobre imagens, sobre publicidade”, lia-se em uma crítica da revista TIME, sem nenhuma originalidade. Qualquer menção ao som experimental do álbum ou às várias colaborações foram ocultas pela imagem promíscua, que foi, mais uma vez, rebaixada. Bedtime Stories, o álbum, não foi o pedido de desculpas que o público exigiu, e sua profundidade emocional foi amplamente ignorada. Em seu melhor, foi considerado o retorno de Madonna a uma expressão mais segura de sexualidade.

BEDTIME STORIES, de Madonna, completa 20 anos neste mês

madonna bedtime stories vinyl e cd 20 anos

No dia 25/10/1994, 20 anos, Madonna lançou o sexto álbum de estúdio: Bedtime Stories, um clássico que nasceu em uma momento de transição na carreira dela. Ao passo que Madonna já era bastante famosa em 1994, o provocativo álbum Erotica azedou muitos críticos e fãs. Pela primeira vez em uma década de poder, as pessoas não se chocaram com o comportamento de Madonna – o que é pior, muitos pareciam cansados dela.

Artisticamente falando, ela passara os últimos 4 anos desafiando e subvertendo o puritanismo americano. Porém, após o lançamento de um livro inteiro chamado Sex, apresentando fotos dela mesma e de outras celebridades nuas, já não parecia haver outro lugar para ir.

O fato dela ter falado palavrões em um episódio do The Late Show With David Letterman, em março de 1994, não ajudou. Esta foi uma aparição infame que gerou reclamações e a distanciou dos americanos. Evita viria dali a dois anos e a sexualidade explícita de Erotica estava ficando obsoleta. Portanto, quando Bedtime Stories foi lançado, a carreira de Madonna estava em um momento estranho. O álbum é lírica e musicalmente muito mais cálido. Ela sacrificou as palavras de duplo sentido (compare Where Life Begins, do Erotica, com “Inside Of Me”, do Bedtime) e focou em material autobiográfico.

Ao invés do pop gelado e violento de Erotica, Bedtime leva Madonna a um território mais ameno. Há a composição dela em Secret, o pop experimental em Bedtime Story (co-escrita por Bjork), a nova levada New Jack Swing em “I’d Rather Be Your Lover” (com rap de Meshell Ndegeocello), a balada com samples de Herbie Hancock Sanctuary e o R&B exuberante e orquestral de “Take A Bow”.

Entretanto, sons mais amenos não necessariamente trazem letras apagadas. “Human Nature” mostra Madonna atacando os críticos mais diretamente do que nunca, de maneira lógica e desafiante. E, enquanto a faixa que abre o álbum, “Survival”, é um R&B confortável, ela traz a mesma atitude impenitente.

O som R&B convidativo de Bedtime Stories deve-se, em parte, ao co-produtor Dallas Austin, descrito pela backing vocal de Madonna de longa data Donna de Lory como “parte da tribo dela naquela época”. A bordo, também estavam os co-produtores Nellee Hooper, Dave “Jam” Hall (que trabalhou no primeiro álbum de Mary J. Blige, What’s The 411?) e, claro, Kenneth “Babyface” Edmonds.

Ao mesmo tempo que Edmonds trabalhara recentemente com TLC e Toni Braxton, ele contou à Billboard que foi um dos sucessos dele que chamou a atenção de Madonna. “Madonna era fã de uma canção que fiz, chamada ‘When Can I See You’. Por isso, ela se interessou em trabalhar comigo”, lembra Edmonds. “Ela veio a mim querendo baladas exuberantes, então foi isso o que fizemos”.

Babyface colaborou com Madonna em três canções – duas das quais, “Forbidden Love” e “Take A Bow” foram selecionadas. Embora a última tenha se tornado o sucesso de Madonna que mais tempo permaneceu no primeiro lugar da parada Billboard Hot 100, Edmonds diz que ele não buscava esse tipo de sucesso quando eles se conheceram.

“Eu não pensava muito nas paradas”, lembra Edmonds. “Acho que fiquei mais pasmo com o fato de estar trabalhando com Madonna. De início, foi surreal, mas daí você conhece a pessoa um pouco e se acalma, e simplesmente trabalha. E o trabalho é divertido”.

Quando Edmonds tocou o rascunho de uma música que se tornaria “Take A Bow” para Madonna, ela imediatamente se dedicou ao projeto. “Foi apenas uma batida e as cordas. Dali em diante, nós colaboramos e construímos a canção”, diz ele. “Eu morava em Beverly Hills e construí um pequeno estúdio em minha casa, então ela me visitava pra compormos”.

Em relação a “Forbidden Love”, Edmonds lembra que esta faixa veio no mesmo contexto. “Ela ouviu a faixa-base e tudo começou a nascer, melodias e tudo mais… Foi um processo mais fácil do que eu imaginava”.

Donna De Lory, entretanto, não se surpreendeu com a facilidade com que “Bedtime Stories” foi criado quando a parceira de vocais Niki Haris e ela foram chamadas para harmonizarem em “Survival”, co-escrita por Austin. Naquele momento, ela já se apresentava com Madonna há sete anos. “Quando você entrava (no estúdio), ela já te dava a folha com a letra”, De Lory contou à Billboard. “Esse era o clima – não estávamos lá pra relaxar. Era divertido, mas era trabalho também”.

E o que Madonna se dispõe a fazer, ela invariavelmente consegue. De Lory lembra que as sessões para Survival só levaram “algumas horas”, e não haviam regravações.

Da mesma forma que Babyface, De Lory descreve o trabalho com Madonna como uma parceria criativa, mesmo que as ordens viessem dela. “Quando ela expressava as ideias dela, era hora de ouvir as suas. Você não gostaria de entrar com ela e já sair dizendo: ‘Bem, eu ouço assim’, porque ela era tão específica e articulada. Ela já possuía o som na cabeça. Mas depois de falar, a gente contribuía um pouco. Sempre tínhamos ideias, tipo: ‘Podemos responder a esse verso com um survival extra (no fundo)?’”.

O resultado desta sessão é a abertura perfeita pro álbum – um hino extravagante e atraente com resiliência e afirmação. “Nunca fui um anjo, nunca serei santa, é verdade/Estou muito ocupada sobrevivendo, seja no Céu ou no Inferno/Viverei pra contar minha história”, canta Madonna, acenando aos críticos, enquanto desdenha deles.
E, falando em críticos, “Bedtime Stories” recebeu críticas muito positivas, especialmente em comparação aos dois álbuns anteriores: o divisor “Erotica” e a trilha-sonora do filme Dick Tracy, “I’m Breathless”.

O álbum teve o mesmo desempenho nas paradas, estreando em um respeitável #3, na parada Billboard 200. O primeiro single, Secret, também chegou ao #3 na parada Billboard 100. E só pra constar, Madonna lançou um trecho de Secret em uma mensagem de áudio disponível exclusivamente na internet antes do lançamento oficial – uma ação publicitária visionária, em uma era em que menos de 15% dos adultos possuíam acesso à Internet.

Mas foi o segundo single de Bedtime, a produção de Babyface “Take A Bow”, que se tornou o maior sucesso. No topo da parada Hot 100 por sete semanas, a faixa se tornou o 11º #1 de Madonna e permanece como o que mais tempo ficou no topo da Hot 100 até hoje.

Apesar do sucesso de Take A Bow, os dois outros singles de Bedtime – a faixa composta por Bjork “Bedtime Story” e “Human Nature” – não foram bem-sucedidos, sendo os primeiros singles em uma década a não chegar ao Top 40 da Hot 100. De Lory lembra que Madonna canalizava a energia no caminho da atuação naquela época, e a morna performance desses singles explicavam o por quê de Madonna não ter saído em turnê para promover o álbum.

Entretanto, ela apresentou Take A Bow com Babyface no “American Music Awards” de 1995, uma experiência que ele lembra de ter sido aterrorizante. “Eu estava muito nervoso. Mas você não via as minhas pernas tremendo por dentro do terno”, disse Edmonds. “Quando terminamos, ela me contou que nunca ficara tão nervosa. Foi uma loucura pra mim. Eu pensava: ‘Você é Madonna, você está no palco o tempo todo!’”.

Hoje em dia, Madonna prepara um álbum a ser lançado, supostamente, em 2015; e Edmonds está produzindo um álbum para outro ícone invencível com toda força: Barbra Streisand. Ao lembrar de Bedtime Stories 20 anos depois, ela diz que toda a experiência foi surreal. “Hoje, quando penso nisso, é difícil acreditar que trabalhei mesmo com Madonna”, disse Edmonds. “É sempre legal participar de um álbum que se torne um clássico, mas você nunca percebe que é parte disso. Só o tempo pode dizer”.

E quanto a De Lory, ela parou de se apresentar com Madonna em 2007. Hoje, ela segue sua musa particular, se apresentando e criando música pop com influências mundiais em álbuns como o mais recente, The Unchanging. Ao lembrar de seu tempo com Madonna, ela ainda se surpreende com a total imersão do ícone pop no processo de gravação. “Eu estava constantemente pasma com a habilidade dela em focar na intonação e ritmo de nossas partes”, disse. “Quando você trabalhava com ela, você tinha que se dedicar. Ela sempre se mostrou muito presente, sabendo o que queria e conseguindo o que queria. Daí, o trabalho fluía”.

MADONNA CHART: Madonna emplaca seu 23º single #1 no Canadá com GIVE ME ALL YOUR LUVIN’

O novo single de Madonna, primeiro do álbum MDNA, debutou em primeiro lugar em uma das paradas mais famosas do mundo: Canadá. Com este feito, Madonna consegue seu 23º single no topo, mais do que qualquer outro artista. Give Me All Yourt luvin’ vendeu por lá 24 mil downloads, um aumento de 76%, e nas rádios sobe da 33ª para a 10ª posição, com aumento de 143% e público total de mais de 14 milhões de ouvintes. Confira:

Singles – semanas em 1º no chart canadense

Like A Virgin 1
Crazy For You 1
Live To Tell 2
Papa Don’t Preach 2
True Blue 1
La Isla Bonita 1
Who’s That Girl 1
Like a Prayer 4
Express Yourself 2
Cherish 2
Vogue 3
Justify My Love 1
This Used to Be My Playground 3
Secret 1
Take a Bow 2
Beautiful Stranger 2
Music 9
Don’t Tell Me 1
Die Another Day 7
American Life 2
Hung Up 3
4 Minutes 9
Give Me All Your Luvin 1

Enquanto isso, no Japão, o single é subiu do 42º para o 7º lugar geral e no Hot 100 Airplay subiu do #53 para o primeiro lugar do chart japonês. No Brasil, o single debutou no 23º lugar.

NÃO DEIXE DE CURTIR A PÁGINA DO MADONNA MADWORLD NO FACEBOOK.