Arquivo da tag: Revista

Madonna Rebel Heart Tour: freiras no pole dance, loucuras no palco e sem grill!

madonna grammy 2015 mariah carey

Madonna em entrevista para Andy Cohen (Entertainment Weekly) sobre a turnê Rebel Heart, que começa no dia 9 de setembro em Montreal, Canadá.

ANDY COHEN: Madonna, oi! Como vai?

MADONNA: Estou cansada, não vou negar.

Você está trabalhando pesado, né?

Sim, trabalhamos por muitas horas, e entrei no ciclo vicioso de trabalhar até tarde e só dormir tarde.

Onde você está agora?

Em Nova York.

Quero dizer, está na banheira? Na cama?

Ha, não. Queria estar na minha cama. Mas se deitar, não levanto. Estou em meu escritório.

Continue lendo Madonna Rebel Heart Tour: freiras no pole dance, loucuras no palco e sem grill!

Madonna promo Rebel Heart: capa da revista Mojo

Madonna Mojo Magazine cover rebel heart protoshoot

E a fase “Rebel Heart” vem com tudo. Depois de ser capa da Interview Magazine, dia 27 de janeiro chega às bancas Madonna na capa da Mojo Magazine, com ensaio inédito.

Enquanto isso, Madonna começará a gravar entrevistas em New York, Los Angeles, Londres, Paris e Alemanha. Rumores dão conta de que duas novas músicas serão reveladas e disponíveis no iTunes na primeira semana de fevereiro, enquanto que o clipe de “Living For Love” segue dias depois à sua participação no Grammy 2014.

O novo álbum “Rebel Heart” chega às lojas em todo mundo no dia 10 de março.

Madonna para a L’Uomo Vogue – fotos e tradução da reportagem

madonna-uomo-vogue-tom-munro-cover-magazine-revista-capa
Aqui está a capa da L’Uomo Vogue com Madonna, edição maio-junho.

O próximo álbum de Madonna faz uma conexão com o projeto “Art For Freedom”. E podemos esperar ver a rainha do pop cada vez mais envolvida e comprometida. “Eu não tenho escolha. A esta altura, não há como voltar atrás. Este é o meu papel no mundo, o meu trabalho como artista. Eu tenho uma voz e eu tenho que usá-la.” L’Uomo Vogue.

madonna-uomo-vogue-tom-munro-pagina2

Por causa da Internet, ou porque nos adquirimos algum tipo de maturidade, a mídia de massa, o papel social das celebridades mudou nos últimos anos. Não é que agora eles são menos interessantes, pelo contrário, agora a exigência é sermos mais transparentes.

Conseqüentemente, muitos redescobriram a antiga função de arte como uma consciência pública e eles usam a sua influência da mídia para fins sociais . Um exemplo? Madonna , que não só é ainda é o maior ícone pop de todos os tempos, mas também a mais comprometida artista na luta pelos direitos humanos como demonstrado por suas declarações públicas freqüentes, seu trabalho humanitário no Malauí e seu recente projeto #Secretprojectrevolution e Art For Freedom .

Secretprojectrevolution é um curta-metragem co-dirigido com Steven Klein. É necessária uma “revolução do amor [ …], uma revolução do pensamento independente , de ter a sua própria opinião e não dar a mínima para o que as pessoas dizem.”

O filme tem um viés autobiográfico e reflete as muitas batalhas contra os estereótipos que Madonna tem lutado desde o ínicio de sua vida. “Como você pode criar arte sem se envolver?”, Afirma Madonna. “Eu gosto de me comparar a Frida Kahlo: tudo o que ela fez foi um auto-retrato.”

madonna-uomo-vogue-tom-munro-pagina3

madonna-uomo-vogue-tom-munro-pagina4

O filme foi originalmente concebido como a campanha publicitária para sua coleção de lingeries, no entanto, o #Secretprojectrevolution acabou se transformando em um manifesto contra a opressão. Ele se baseia em uma coreografia sensual com cenas de masoquismo filmadas num labirinto de salas de uma antiga prisão, em Buenos Aires.

Madonna alternadamente desempenha o papel de prisioneira e ora torturadora, acompanhadas de mensagens políticas sobre o controle e punição. “Às vezes nós somos as vítimas da opressão, outras vezes nós nos aprisionam”, diz ela. “O filme é um exemplo do mundo paradoxal em que vivemos.”

Art For Freedom é a próxima etapa a partir do filme. É uma plataforma digital em associação com a Vice Media que hospeda vídeos, fotos , ilustrações e documentação de performances que abordam a intolerância e perseguição. “Houve uma época em que a arte refletia o que estava acontecendo na sociedade” , ela prossegue, pensativa. “Artistas como Marvin Gaye, Stevie Wonder, Richard Pryor ou Jean-Luc Godard fizeram declarações políticas através de sua arte.” O objetivo do projeto Arte para a Liberdade é “encorajar as pessoas a acreditar que podemos trazer mudanças no mundo através da arte” e um grito de protesto contra a mercantilização da criatividade.

Sua maior fonte de inspiração é o escritor e ativista James Baldwin, que falou longamente sobre a responsabilidade de um artista na sociedade. “Ao nos permitir sermos consumidos por uma marca corporativa, se preocupar em ter a aprovação dos outros e promover apenas o que é aceitável e popular, nós destruímos a nossa arte e tudo sobre ele que é único”, diz Madonna.

No início de sua carreira, em Nova York, ela pertencia à comunidade artística East Village e ela era amiga de Jean-Michel Basquiat e Keith Haring , artistas que abordaram questões sociais através da arte de uma forma direta como fazem muitos artistas em seu projeto “Art For Freedom”. “Sair com Keith e Jean-Michel profundamente me influenciou” , ela lembra. “Sua abordagem à arte visava torná-la acessível às pessoas, no metrô, na rua. Não era elitista, você não tem que pagar por isso, ir a um museu ou galeria ou frequentar os ambientes dos ricos , você pode ser qualquer um.”

Art For Freedom luta contra estereótipos, intolerância e discriminação e promove os direitos civis e a aceitação da diversidade . “Não somos inimigos, tiranos, fascistas e ditadores, pessoas que destroem vidas de outras pessoas ou tira a sua liberdade como Putin ou o presidente da Venezuela” , a estrela continua, com fervor. “Na verdade, o inimigo está dentro de nós. Se estamos conscientes disso ou não, estamos constantemente a discriminar e julgar os outros. Assim, a primeira coisa que temos que mudar é a nós mesmos. Todos os grandes líderes disseram fizeram isso como Gandhi, Martin Luther King, John Kennedy e Nelson Mandela.”

Depois da prisão de Pussy Riot, Madonna fez um discurso (leia aqui) defendendo os direitos dos homossexuais em seu show em São Petersburgo em 2012 durante a passagem do MDNA Tour por lá. Oitenta e sete pessoas foram presas naquela noite e a estrela foi multada em um milhão de dólares. Em algumas ocasiões, ela foi vaiada, censurada e ameaçada de morte, porém, tudo em vão, nada impediu Madonna de expressar suas opiniões. “Estou disposta a sacrificar tudo em nome dos direitos humanos”, ela declara: “além de meus filhos.”

Seu próximo álbum está completamente conectado com o “Art For Freedom”. E podemos esperar ver Madonna cada vez mais envolvida e comprometida com estas questões. “Eu não tenho escolha. À esta altura, não há como voltar atrás. Este é o meu papel no mundo , o meu trabalho como artista. Eu tenho uma voz e eu tenho que usá-la.”

Longe das paredes de museus, o qual um grande número de estrelas pop aspiram um dia chegar, as declarações de Madonna e sua determinação ecoa as palavras de Baldwin. Elas são destinadas para outros artistas na esperança de despertá-los em seu potencial como agentes, se assim o desejarem, de mudança social e os líderes de uma sociedade civilizada mais democrática.

madonna-uomo-vogue-tom-munro-pagina5 madonna-uomo-vogue-tom-munro-pagina6

Entrevista completa de Madonna para a revista Harper’s Bazaar traduzida!

Madonna voltou!

Mas ela nunca foi embora. Depois de mandar no mundo Pop por 30 anos, ela conta a verdade sobre a ousadia. Veja o ousado ensaio fotográfico para a edição de Novembro.

“Verdade ou Consequência?”

Isso é um slogan muitas vezes associado a mim. Eu fiz um documentário com este título, e ele se prendeu a mim como papel mata-moscas desde então. É um jogo divertido, se você está com vontade de assumir riscos, e geralmente eu estou. No entanto, você tem que jogar com um grupo inteligente de pessoas. Caso contrário, você se verá beijando todo mundo na sala ou fazendo sexo oral em garrafas de água!As pessoas geralmente escolhem a “verdade” quando é a vez delas porque você consegue mentir sobre si mesmo e ninguém será o mais sábio, mas quando você é desafiado a fazer algo, você tem que fazê-lo de verdade. E fazer algo ousado é uma proposta bastante assustadora para a maioria das pessoas. Mesmo assim, por alguma estranha razão, isso se tornou a minha “razão de viver”.

Se eu não posso ser ousada em meu trabalho ou na forma como vivo a minha vida, então não vejo por quê estar neste planeta.

Isso pode parecer um pouco extremista, mas crescer em um subúrbio no centro-oeste era tudo o que eu precisava para entender que o mundo era dividido em duas categorias: as pessoas que seguiram o status quo e ficavam na zona de conforto, e as pessoas que jogaram as convenções pela janela e dançaram a um ritmo diferente. Eu me atirei para a segunda categoria e logo descobri que ser uma rebelde e não conformada não a torna muito popular. Na verdade, faz o oposto. Você é visto como um suspeito. Um encrenqueiro. Alguém perigoso.

Quando você tem 15 anos, isto pode ser um pouco desconfortável. Adolescentes querem encaixar-se por um lado e ser rebelde do outro. Beber cerveja e fumar maconha no estacionamento do meu ensino médio não era minha ideia de ser rebelde, porque isso é o que todos faziam. E eu nunca quis fazer o que todo mundo fazia. Eu pensei que era mais legal não depilar as pernas ou debaixo dos braços. Quer dizer, por que Deus nos deu cabelo lá afinal? Por que os caras não tinham que raspar lá? Por que isso foi aceito na Europa, mas não nos EUA? Ninguém podia responder às minhas perguntas de forma satisfatória, então eu ousei ainda mais. Me recusei a usar maquiagem e lenços amarrados na cabeça, como uma camponesa russa. Fiz o contrário do que todas as outras garotas faziam, e comecei a afastar os homens. Eu desafiava as pessoas a gostarem de mim e da minha não-conformidade.

Madonna Harper’s Bazaar Interview 2013Isto não correu muito bem. A maioria das pessoas me achava estranha. Eu não tinha muitos amigos; Posso não ter tido nenhum amigo. Mas tudo acabou bem no final, porque quando você não é popular e você não tem uma vida social, há mais tempo para se concentrar em seu futuro. E, para mim, que estava indo para Nova York me tornar uma artista de verdade. Para ser capaz de expressar-me em uma cidade de inconformistas. Pra me deleitar, e dançar e agitar em um mundo e estar rodeada por pessoas ousadas.

Nova York não era tudo que eu pensava que seria. Ela não me recebeu de braços abertos. No primeiro ano, colocaram uma arma na minha cabeça. Estuprada no telhado de um edifício, eu fui arrastada com uma faca em minhas costas, e tive meu apartamento invadido três vezes. Não sei por quê; Não tinha nada de valor depois que levaram meu rádio pela primeira vez.

Os edifícios altos e a escala maciça de Nova York tiraram o meu fôlego. As calçadas quentes e o barulho do tráfego e a eletricidade das pessoas correndo por mim nas ruas foi um grande choque para meus neurotransmissores. Senti que eu tinha me conectado com outro universo. Eu me senti como um guerreiro mergulhando através das multidões para sobreviver. O sangue corria nas minhas veias, e eu estava pronta para sobrevivência. Me sentia viva.

Madonna Harper’s Bazaar Interview 2013Mas também me cagava de medo, e pirava com o cheiro de mijo e vômito em toda parte, especialmente na porta de entrada do meu terceiro andar sem elevador.

E todos os mendigos na rua. Não foi nada para o qual me preparei em Rochester, Michigan. Tentar ser uma dançarina profissional, pagar meu aluguel depois de posar nua para aulas de arte, encarar as pessoas olhando para mim nua. Desafiando-as a pensar em mim como um formulário que eles estavam tentando capturar com seus lápis e carvão. Eu era desafiadora. Teimosa em sobreviver. Em ser bem-sucedida. Mas foi difícil e era solitário, e eu tive que me desafiar todos os dias para continuar. Às vezes, me fazia de vítima e chorava na minha caixa de sapato de um quarto com uma janela que dava para uma parede, vendo os pombos cagarem na minha janela. E perguntava-me se tudo valia a pena, mas então eu me recompunha e olhava para um cartão-postal de Frida Kahlo grudado em minha parede, e a visão de seu bigode me consolava. Porque ela era um artista que não se importava com o que as pessoas pensavam. Eu a admirava. Ela foi ousada. Pessoas deram-lhe muito trabalho. A vida deu-lhe muito trabalho. Se ela pôde fazer isso, então eu também podia.

Aos 25, é um pouco mais fácil ser ousada, especialmente se você é uma popstar, porque o comportamento excêntrico é esperado de você. Até então, eu depilava debaixo dos braços, mas também usava quantos crucifixos meu pescoço aguentava, e dizia às pessoas em entrevistas que eu fazia porque achava Jesus sexy. Bem, ele era sexy para mim, mas também dizia que era provocante. Tenho uma relação engraçada com a religião. Acredito muito em comportamento ritualístico, contanto que não machuque ninguém. Mas eu não sou uma grande fã de regras. E, mesmo assim, não podemos viver num mundo sem ordem. Mas para mim, há uma diferença entre regras e ordem. As pessoas seguem regras sem questionar. A ordem é o que acontece quando as palavras e ações unem as pessoas, e não as separa. Sim, eu gosto de provocar; está no meu DNA. Mas em nove de 10 vezes, há uma razão para isso.

Aos 35 anos, estava divorciada e procurando pelo amor em todos os lugares errados. Eu decidi que precisava ser mais do que uma menina com dentes de ouro e namorados gangsters. Mais do que uma provocadora sexual implorando as meninas para não aceitarem o segundo lugar. Comecei a procurar significado e um sentido real de propósito na vida. Eu queria ser mãe, mas percebi que, só porque eu lutava pela liberdade, não significava que estava qualificada para criar uma criança. Eu decidi que precisava ter uma vida espiritual. Foi quando eu descobri a Cabala.

Madonna Harper’s Bazaar Interview 2013Dizem que quando o aluno está pronto, o professor aparece, e eu temo que esse clichê se aplicou a mim também. Esse foi o próximo período de ousadia de minha vida. No início, eu me sentava na parte de trás da sala de aula. Eu era geralmente a única mulher. Todo mundo parecia muito sério. A maioria dos homens usava ternos e kippahs. Ninguém me percebia e ninguém parecia se importar, e isso me serviu muito bem. O que o professor dizia me deixou louca. Ressoou em mim. Me inspirou. Nós estávamos falando sobre Deus e o céu e o inferno, mas não parecia que um dogma religioso estava sendo enfiado na minha garganta. Eu estava aprendendo sobre ciência e física quântica. Eu estava lendo Aramaico. Eu estava estudando História. Fui apresentada a uma sabedoria antiga que eu podia aplicar na minha vida de forma prática. E, pela primeira vez, perguntas e debates foram incentivados. Este era o meu tipo de lugar.

Quando o mundo descobriu que eu estava estudando a Kabbalah, fui acusada de participar de um culto. Fui acusada de ter sofrido uma lavagem cerebral. De ter doado todo o meu dinheiro. Fui acusada de todos os tipos de loucuras. Se tivesse me tornado Budista — coloquei um altar na minha casa e comecei a cantar “Nam-myoho-renge-kyo” — ninguém teria me incomodado. Quero dizer, nenhum desrespeito aos Budistas, mas a Kabbalah realmente assustou as pessoas. E ainda assusta. Agora, você acharia que estudar a interpretação mística do Antigo Testamento e tentar entender os segredos do universo era algo inofensivo. Eu não estava ferindo ninguém. Só ia pra aula, tomava notas no meu caderno espiral, contemplava o meu futuro. Eu realmente estava tentando me tornar uma pessoa melhor.

Por alguma razão, aquilo enfureceu as pessoas. Deixou-as loucas de raiva. Eu fazia algo perigoso? Isso me forçou a me questionar: “Tentar me relacionar com Deus é ousado?”. Talvez seja.

Quando completei 45, casei-me novamente, com dois filhos e morava em Inglaterra. Considero a mudança para um país estrangeiro algo muito ousado. Não foi fácil para mim. Só porque falamos a mesma língua, não quer dizer que falamos a mesma língua. Não percebi que havia ainda um sistema de classes. Eu não entendia a cultura de Pubs. Eu não entendia que seria reprovada por ser abertamente ambiciosa. Mais uma vez, eu me senti sozinha. Mas eu permaneci lá e encontrei meu caminho, e aprendi a amar a sagacidade inglesa, a arquitetura georgiana, o pudim de caramelo pegajosa e o interior inglês. Não há nada mais bonito do que o interior da Inglaterra.

Então eu decidi que tinha vergonha dos ricos e que havia muitas crianças no mundo sem pais ou famílias a amá-los. Me inscrevi em uma agência de adoção internacional e passei por toda a burocracia, testes e espera que todo mundo passa quando adotam. Como obra do destino, no meio deste processo uma mulher me ligou de um pequeno país na África chamado Malawi, e me contou sobre os milhões de crianças órfãs da AIDS. Antes que consiga dizer “Zikomo Kwambiri”, eu estava no aeroporto em Lilongwe em direção a um orfanato em Mchinji, onde conheci o meu filho David. E esse foi o começo de mais um capítulo de ousadia de minha vida. Eu não sabia que tentar adotar uma criança ia aterrar-me em outra tempestade de merda. Mas assim foi. Fui acusada de rapto de criança, tráfico, usando meu status de celebridade para avançar na fila, subornar funcionários do governo, bruxaria e tudo o mais. Certamente, eu tinha feito algo ilegal!

Esta foi uma experiência reveladora. Um ponto muito baixo na minha vida. Eu poderia aceitar as pessoas me criticando por simular masturbação no palco ou publicar o meu livro Sex, ou até por beijar Britney Spears em uma premiação, mas por tentar salvar a vida de uma criança não era algo que eu pensei que seria castigada. Amigos tentaram me animar, dizendo para pensar nisso tudo como dores de parto que todos temos que passar quando damos à luz. Isto era vagamente reconfortante. De qualquer forma, eu superei. Eu sobrevivi.

Quando adotei Mercy James, vesti a minha armadura. Eu tentei estar mais preparada. Eu me armei. Desta vez, fui acusada por uma juíza do Malauí que, por estar divorciada, eu era uma mãe incapaz. Lutei contra a suprema corte e ganhei. Demorou quase um ano e muitos advogados. Ainda assim apanhei, mas não doeu tanto. E ao olhar pra trás, não me arrependo de um momento da luta sequer.

Uma das muitas coisas que aprendi disso tudo: se você não se dispõe a lutar pelo que acredita, nem entre no ringue.

Dez anos depois, aqui estou eu, divorciada e morando em Nova York. Fui abençoada com quatro filhos incríveis. Tento ensiná-los a pensar fora da caixa. A serem ousados. A optar por fazer as coisas, porque são a coisa certa a fazer, não porque todo mundo está fazendo. Eu comecei a fazer filmes, o que é provavelmente a coisa mais desafiadora e gratificante que já fiz. Estou construindo escolas para as meninas em países islâmicos e estudando o Alcorão. Acho que é importante estudar todos os livros sagrados. Como meu amigo Yaman sempre me diz, um bom muçulmano é um bom judeu, e um bom judeu é um bom Cristão, e assim por diante. Concordo plenamente. Para algumas pessoas, é um pensamento muito ousado.

Como a vida continua (graças a Deus!), a ideia de ser ousada se tornou a norma para mim. Claro, isso é tudo sobre percepção porque questionar, desafiar as ideias das pessoas e dos sistemas de crenças e defender aqueles que não têm voz, tornou-se uma parte do meu cotidiano.

No meu livro, é normal. No meu livro, todo mundo faz algo ousado. Por favor, abra este livro. Eu te desafio!

madonna-happer´s bazzar 2013

Obrigado a Leonardo Magalhães pela tradução.

Madonna chuta Lady Gaga na capa da Billboard Brasil de outubro

O que era apenas um rumor sobre a nova capa da edição de outubro da revista Billboard  Brasil, deixou de ser. Madonna e Lady Gaga simulam uma batalha, e ficou bem explícito, pela capa, quem está por cima e quem está por baixo, quem chuta, e quem leva, quem manda, e quem…

Lady Gaga e Madonna fazem shows no Brasil com suas respectivas tours em novembro e dezembro, respectivamente.

Eis…

Madonna

Entrevista de Madonna para a Vanity Fair Itália traduzida

Madonna - Vanity Fair Magazine 2012Madonna “Truth Or Dare”. Madonna é capa da edição de maio da revista Vogue, edição italiana. A revista trás um ensaio belíssimo de Madonna feito pelos fotógrafos Mert Alas e Marcus Piggott. Madonna fala sobre sua nova marca “Truth Or Dare”, seus filhos e sobre preconceito.

Aqui está a entrevista na íntegra:

Vanity Fair: Você disse que esta perfume foi inspirado em sua mãe, também chamada Madonna, que morreu quando você era uma criança. Como ela era?
Madonna: Una vera mãe (um mãe verdadeira, ela diz em italiano me olhando nos olhos à procura de cumplicidade). Ela era doce, feminina, musicalmente orientada e acolhedora. Ela sempre usava o perfume Fracas de Robert Piguet. É um cheiro que ficou em minha lembrança: me faz lembrar das minhas madrugadas com os meus pais quando eu era pequena.

Vanity Fair: Você parece ser absolutamente sem medo.
Madonna: Isso não é verdade: há coisas que eu tenho medo sim.

Vanity Fair: Por exemplo?
Madonna: Não conhecer as coisas, não ter controle sobre o que está acontecendo ao meu redor. Não ser capaz de prever o que está por vir. E também o fato de que o mundo está cheio de pessoas ignorantes cheias de preconceito. Isso é o que mais me assusta.

Vanity Fair: Como podemos mudar isso?
Madonna: Com as pessoas cheirando o meu perfume Truth or Dare, por exemplo. Ok, foi uma brincadeira. Falando sério, não haverá um mundo melhor enquanto todo o preconceito exisitir. Não posso prever o que vai acontecer na minha vida porque o mundo está cheio de pessoas idiotas. Devemos destruir os preconceitos se quisermos viver num mundo melhor.

Vanity Fair: Em relação a isso eu sei que você é a favor do casamento gay. A Vanity Fair está fazendo uma campanha em toda a Itália em apoio a causa. Porque você acha que esta é uma causa tão grande que requer tanto o envolvimento de pessoas heterossexuais e homossexuais em conjunto?
Madonna: Porque é uma forma de mostrar que temos compaixão e compreensão para com todos e que nós acreditamos em amor e liberdade.

Vanity Fair: Além de ter nos feito dançar e nos divertir com a sua música ao longo dos anos, você acha que sua carreira tem contribuído para difundir uma mensagem através das canções? E se fez, qual seria?
Madonna: Express Yourself, que é o título de uma das minhas músicas, mas também é música que melhor me representa.

Vanity Fair: De que forma você acha que os anos mudou você?
Madonna: Mais do que os anos, por si só, acho que meus filhos me fizeram uma pessoa muito mais paciente e tolerante. Graças a meus filhos é que estou me tornando uma mulher melhor. Agora eu sou menos séria, eu tenho uma visão elástica da vida. Eu sou mais tolerante.

Vanity Fair: E fisicamente?
Madonna: No ano passado eu aprendi a esquiar. Foi uma experiência maravilhosa. Eu nunca tinha feito isso antes. Meus filhos são muito bons em snowboards e eu estava com ciúmes. Então, o próximo passo será o snowboard. Espero que consiga evitar os paparazzis, pois eu vou cair muito!

Vanity Fair: Você criou uma coleção de roupas adolescentes, a “Material Girl”, com sua filha Lourdes. Como é trabalhar com ela?
Madonna: É bom. Lourdes tem idéias muito objetivas. Ela sabe exatamente como gosta. Ela tem um senso de estilo único. Às vezes estamos em desacordo sobre as coisas e começamos a discutir. Por exemplo, eu não gostei dela ter raspado a cabeça, muito menos dela fumar ou coisas assim. Mas eu gosto de seu olhar e é divertido discutirmos juntas. Mesmo quando eu tenho sair ou eu estou escolhendo roupas para mim, eu peço a opinião dela. Ela me critica muito, mas muitas vezes ela está certa.

Vanity Fair: Você é um modelo para muitas mulheres. Que era um modelo para você?
Madonna: Frida Kahlo. Ela tinha uma beleza convencional, mas ela tinha um rosto fantástico mesmo quando ela tirava uma foto que ela não tinha a intenção de se parecer bonita ou diferente da realidade. Ela não tirava o bigode ou as sobrancelhas grossas, ao contrário de todo mundo. Eu acho que o que torna uma mulher bonita é o orgulho de ser ela mesma e não tentar adaptar-se ao gosto dos outros. Nós nunca devemos pedir desculpas por ser o que somos, por ser como somos.

Vanity Fair: A que horas você acorda de manhã?
Madonna: Depende do que eu tenho que fazer no dia. Normalmente eu acordo na hora em que meus filhos vão à escola e então eu volto de novo para a cama, durmo mais um pouco, pois eu durmo muito tarde. Quando é eu não tenho tempo para mais um pouco de sono, fico de péssimo humor durante todo o dia. Eu lavo o rosto com água fria e uso um colírio japonês que me ajuda a acordar.

Vanity Fair: E antes de ir para a cama?
Madonna: Eu escovo os dentes e tiro toda minha maquiagem. Nunca fui dormir sem antes lavar o resto e remover a maquiagem

Vanity Fair: Já que oficialmente você também está no ramo dos cosmeméticos, que produto tem em mente e que não existe e que gostaria de lançar
Madonna: Eu acho que hoje em dia podemos encontrar praticamente tudo. Mas vou pensar sobre isso, vamos falar sobre isso na próxima vez.

Vanity Fair: Momentos atrás, você conheceu um dos seus fãs. O que te impressiona mais quando isso acontece?
Madonna: A sua lealdade!  Mas nunca pego isso como garantia, confie em mim.

Vanity Fair: Estamos esperando por você na Italia, ok? Há rumores de que o prefeito de Florença está organizando uma festa privada noturna da Uffizi para você.
Madonna: Wow!