Arquivo da tag: EUA

Madonna faz show para Hillary Clinton

 

Madonna fez um show acústico de eleição nesta segunda-feira, 07, para a candidata democrata a presidente Hillary Clinton, no Washington Square Park em New York City. Estima-se uma multidão de 5 mil pessoas no local.

O voto é facultativo nos EUA, e a campanha democrata aposta nos artistas para dar um empurrão nos millennials, faixa etária que não abraçou Hillary com o entusiasmo dos mais velhos.

“Me encontrem no Washington Square Park às 19h30 [22h30 no horário de Brasília]. Vamos jogar pesado pela Hillary!”, postou Madonna em sua conta no Instagram, junto com uma foto dela com gorro da bandeira americana e as duas mãos fazendo o “V de vitória”.

Continue lendo Madonna faz show para Hillary Clinton

Madonna será homenageada por cidade natal, Bay City

madonna-bay city michigan-drowned-world-tour

Boas notícias para os fãs de Madonna: a Rainha do Pop será homenageada em seu local de nascimento em Bay City. Novas placas serão colocadas nas entradas da cidade dizendo: “Bem-vindo a Bay City: berço de Madonna.”

A ideia veio com muito entusiasmo em uma reunião na segunda à noite (24). O Comissário de Bay City Chris Girard espera que homenagear a diva traga algum turismo para a cidade. “As pessoas veem algo assim,” disse Girard, “Talvez tenham interesse em explorar um pouco mais a nossa cidade. Eu acho que é algo que já devíamos ter feito há muito tempo, então vamos tirar proveito desse fato.”

A Material Girl nasceu em Bay City e frequentemente visitou seus avós durante a infância. Sua casa do lado oeste da cidade ainda atrai alguns turistas.

Uma simples placa ou duas podem fazer muito para que a cidade renasça. “Quando eu vou na Comunidade e as pessoas me perguntam de onde eu sou, eu digo, ‘daqui mesmo’!,” explicou Girard, levantando a mão. “Bay City, Michigan! Eu também falo sobre a cidade de nascimento de Madonna, e acho que um monte de outras pessoas com as quais falei dizem a mesma coisa.”

Durante anos, a cidade teve uma relação de amor e ódio com a rainha do Pop, depois que ela chamou seu local de nascimento publicamente de “uma fedorenta cidadezinha no norte do Michigan”. Não foi por desgosto pela cidade, mas em referência ao cheiro de uma usina de petróleo nas proximidades que agora está fechada. Mas, agora, os comissários da cidade acham que é hora de mudar essa imagem.

“Só de ter esse nome lá,” disse a moradora Rody Dodd, “Acho que muita gente vai ver quando entrarem na cidade. Acho que será ótimo”.

Outras cidades honraram seus moradores famosos, então Bay City se pergunta: por que não eles? “Eu cresci em Nova Jérsei,” disse George Herron em Bay City, “e Martha Stewart cresceu lá e eles a honraram. Acho que devemos fazer o mesmo por Madonna aqui.”

As novas placas serão financiadas privadamente e visíveis aos cidadãos muito em breve.

Crítica: Nem “I´m Sinner” impede que Madonna brilhe na multidão em St Louis

Madonna

Finalmente, depois de 29 longos anos de agonia espera pelo ícone pop Madonna, ela finalmente fez um show em St. Louis, Missouri. Bem, apenas 27 se você contar a partir de sua turnê The Virgin Tour, de 1985. De qualquer forma, o resultado final é que São Luís tem  fome por Madonna. Na noite de quinta-feira, a espera quando a artista feminina mais bem sucedida na história da música tocou para um Scottrade Center lotado e surpreendendo milhares que presenciaram o espetáculo em primeira mão.

Madonna reconheceu a longa espera para os fãs que esperaram para vê-la em St Louis declarando “É tão bom estar aqui, finalmente. Eu tive que colocar no meu caminho St. Louis.”

A rainha do pop Madonna tem sido uma figura controversa desde que ela surgiu no cenário nacional no início de 1980 e o MDNA TOUR não é diferente, ouvindo críticas de críticos de que o show se apoia na tecnologia como representação da violência para posições políticas. Certamente eles não conseguem entender toda a história que o show cria a partir dele.

Para ter certeza, ela não esqueceu de nada em sua primeira visita aqui. Começou o show com uma cena em um templo gigante, repleta de monges cantando e tocando sinos, Madonna explodiu de uma arma flutuante e confessando para começar “Girl Gone Wild”. Depois de uma provocação da “Material Girl” de que o show seguiria com algum clássico de Madonna, todos se enganaram.

Madonna não estava lá para relembrar seus antigos hits. Ela tinha um propósito, e que foi uma narração visual que abrangeu tanto som e imagem. Desenhando na emoção como um catalisador, “Gang Bang” começou bastante simples com Madonna descansando em uma maquete de um motel barato. Imediatamente, tornou-se evidente que sua personagem estava pensando em um assassinato vingativo.

Um por um os diferentes assassinos, fazendo referência direta a tudo o que ela queria eliminar no mundo e em sua vida, e que tentariam matá-la (quantas vezes a imprensa tentou acabar com Madonna ao longo dos anos?), mas foram frustrados por ela e toda vez que ela atirava, imagens de sangue eram projetadas em telões gigantes que contornam a parte de trás do palco. Foi muito visual e gráfico e o ponto de partida para Madonna. Ela fez tudo na intenção de contar uma história, e utilizou o palco inteiro para isso. E fez brilhantemente. Madonna é mestre em não dar ponto sem nó.

Enorme em tamanho e completa com partes móveis do palco davam a impressão que o palco tinha vida própria. Alçapões foram colocados em vários locais que se projetavam como um diamante em cada lugar que Madonna ia, tudo em torno de um lugar privilegiado e caro chamado “Triângulo de Ouro” para os que compraram os caríssimos ingressos. E cada centavo ali acaba por ser uma pechincha diante da grandeza do espetáculo.

Ao longo do show os dançarinos da noite e Madonna iriam dentro e fora de nossas vistas normalmente através de elevador hidráulico. Os elevadores feitos em pequenas porções cresciam e diminuíam com as batidas das músicas , mudando a forma e estrutura do estágio de uma forma que deveria estar na base da apresentação de cada música – tudo milimetricamente alinhado. Então, muitas possibilidades com essa configuração de palco multi-dimensional se seguiram. Cada um dos degraus possuem uma tela de vídeo conectada do mesmo modo que diferentes espectros visuais poderiam ser realizadas para quase qualquer situação, a partir de pilares gigantes em uma igreja, salão de paredes, a um trem em movimento.

MADONNA EM CASA

Quando digo que Madonna se sentiu em casa, o momento mais evidente de constatar foi após a apresentação do hit “Human Nature”. Ela, que em todos os shows tatuou alguma palavra em protesto em suas costas, desta vez deixou-as livre para que algum fã o fizesse, e assim aconteceu. “Vou fazer algo diferente, você quer escrever nas minhas costas?” Perguntou a fã de nome Martha. Madonna se sentou, pediu para que ela a secasse numa total intimidade que só poucos conseguiram em suas vidas e pediu que escrevesse o que Martha achasse dela em grandes letras para que todos pudessem ver, que fosse em uma ou até três palavras, o que quisesse. Madonna se levantou, pediu aos câmeras que a focassem para que ela visse e a frase “U´r the one” (Você é a única) estava lá. Madonna perguntou se ela era mesmo a única e agradeceu.

Assista ao momento

Madonna era a uma sobrecarga sensorial de som e imagem. Era como ver uma peça da Broadway só que melhor, com a música de uma artista de primeira grandeza em grande interação e um sistema de luz infalível.

Vocalmente, Madonna estava no local com a voz tão forte como sempre. Ela facilmente rasgou canção após canção, enquanto constantemente se andava ao redor do palco como se estivesse em casa, com a energia e resistência de alguém com metade de sua idade. Foi verdadeiramente notável e um triunfo que é intemporal na melhor forma de sua vida.

FALHA DE SOM EM “I´M SINNER”

O ritmo do show foi sólido, mesmo durante suas mais de 10 trocas de figurino, e mesmo com os os 4 vídeos interlude que se seguiram durante o show para que vossa alteza fizesse sua troca de figurino não fez perder o ritmo enquanto seus dançarinos dominavam o palco. O tropeço técnico só ocorreu perto do final quando durante as frases iniciais da faixa de seu mais recente álbum “I´m A Sinner” falhou. Madonna foi obrigada a parar a música pois não conseguia ouvir o seu retorno e apenas os gritos da platéia ensandecida. Ela pediu desculpas a seus fãs pedindo paciência e pediu, em tom irônico, misericórdia de tecnologia enquanto conversava com sua equipe de som. Madonna foi até aos fundos do palco para saber o que acontecia, voltou, perguntou se a platéia a ouvia e então reiniciou a música e ainda disse: “Por favor pessoal façam alguma coisa pois eles não podem esperar”, sem deixar a peteca cair demonstrando total controle da sua audiência. Outras até teriam ficado desconfortáveis aparentemente, mas Madonna levou no bom humor e disse:

“Eu vou desaparecer
Fingir que isso não aconteceu
Abracadabra!
Feche os olhos …. “

A multidão não parecia se importar, em vez disse eles lhe deram um vislumbre do que adoram em Madonna: o perfeccionista que se esforça para entregar o melhor show que pode para seus fãs. Foi um momento alegre, que também provou que Madonna não é um robô e deu aos fãs algo que eles podem tomar como lição para suas vidas. Ela pediu desculpas várias vezes e o público respondeu em espécie.

Assista ao vídeo

Sua habilidade em contar uma história tão completa visualmente que se encaixa muito bem com o áudio foi incrível, no mínimo. Posso dizer que assistir a um concerto de Madonna é como uma experiência religiosa para muitos e fica evidente quando “Like a Prayer”, um dos mais poderosos hits de todos os tempos, começou a tocar.

Madonna não é do tipo que vive do passado cantando hits que todos adoram. Ela é um tipo de artista plástica que trás uma mensagem em cada quadro que pinta, e só ela consegue contar uma história e dar uma experiência única como nenhum outro artista pode.

Este show foi um dos maiores programas do ano e a platéia que foi embora após o término do show rasgava elogios para a última grande estrela pop que a América tem.

Não importa o que você acha dela, não há como negar o fato de que Madonna é a única que consegue unir uma produção incrível e divertir o público ao mesmo tempo como ninguém mais pode fazer.

Madonna

Madonna

Madonna

Madonna

The Examiner

Madonna dedica Human Nature a jovem paquistanesa baleada pelo Talibã

Madonna

O atentado a tiros contra a jovem ativista paquistanesa Malala Yousafzai, conhecida por seu trabalho em prol da educação feminina, continua a gerar uma corrente de solidariedade ao redor do mundo. Na noite de quarta-feira (10), no show do MDNA Tour em Los Angeles, foi a vez de Madonna, que dedicou a música “Human Nature” à garota de 14 anos, baleada na cabeça e no pescoço em uma ação do Talibã na terça-feira (9):

“Isso me fez chorar. A menina de 14 anos que escrevia um blog sobre como era ir à escola. O Talibã parou seu ônibus e atirou nela. Vocês têm ideia de quão doentio é isso? Apoiem a educação, apoiem as mulheres,” disse Madonna ao público do Staples Center, em Los Angeles, antes de começar “Human Nature”, cujos versos defendem a livre expressão. “Uma das coisas que tenho percebido durante minhas viagens é o quão sortudo nós americanos somos. Somos um país imperfeito, com um governo também imperfeito, mas posso te dizer, eu estive na Ucrânia e na Rússia… Preciso lembrá-los que as integrantes do Pussy Riot ainda estão presas? Em São Petersburgo, 75 homens foram presos por serem gays… Essa canção é para você, Malala!”

Nesta quinta-feira (11), Malala foi transferida de um hospital na cidade de Peshawar para um centro médico militar em Rawalpindi, mais distante da área de influência do Talibã. A jovem foi baleada quando voltava da escola. Na quarta, a bala que perfurou sua cabeça foi removida. Hoje, os médicos que tratam da ativista informaram que ela movimentou braços e pernas na noite passada. Outras duas meninas foram atingidas no ataque de terça-feira. Uma está fora de perigo, enquanto a outra continua em condições críticas.

– Rezem por ela – pediu o tio de Malala, Faiz Mohammad, quando a sobrinha deixava o hospital de Peshawar rumo a Rawalpindi.

Dentro e fora do Paquistão, continuam as manifestações contrárias ao ataque contra Malala, que ganhou notoriedade em 2009, com o blog no qual relatava o cotidiano de uma estudante diante das restrições impostas pelo Talibã. Nesta quinta, foi a vez do ex-premier britânico Gordon Brown, hoje enviado especial da ONU para a educação global, que visitará o Paquistão no mês que vem:

“Pedi ao presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, para que o sofrimento de Malala não seja em vão. (…) Agora que o nome dela ficou conhecido em todo o mundo, espero que o atentado contra ela leve a muito mais que uma simples retórica sobre mudanças”, escreveu Brown em artigo publicado em sites como o Huffington Post.

Ao mesmo tempo, clérigos muçulmanos do Conselho Sunita Ittehad emitiram uma fatwa (lei islâmica) no qual dizem que o ataque do Talibã contra Malala atende a uma interpretação incorreta do Islã – em comunicado, o grupo fundamentalista justificou o ataque dizendo que Malala era uma militante pró-Ocidente e “símbolo dos infiéis”. Em Lahore, a segunda maior cidade do Paquistão, diversas entidades civis organizaram vigílias por Malala. Na capital, Islamabad, senadores de espectros políticos opostos condenaram o ataque contra a jovem, mas aproveitaram a comoção despertada pelo crime para culpar seus respectivos adversários por suas políticas de segurança.

Ontem, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon; o presidente americano, Barack Obama; sua secretária de Estado, Hillary Clinton; e várias lideranças políticas paquistanesas divulgaram mensagens de repúdio ao atentado contra Malala.

MDNA Tour Washington: Madonna associa Romney à morte e à violência

Depois de ter escandalizado a França ao sobrepor uma suástica sobre um retrato da líder da Frente Nacional, Marine Le Pen, a Madonna voltou ontem a provocar polêmica na noite de domingo, 23 de setembro, agora nos EUA, durante um concerto em Washington, com candidato republicano Mitt Romney.

Desta vez, numa clara mensagem de apoio ao candidato democrata à presidência dos EUA, Barack Obama, a cantora mostrou imagens dos republicanos Mitt Romney (que concorre com Obama) e Sarah Palin (antiga candidata a vice-presidente), associando-os a uma caveira e a fotografias de ditadores, guerras, confrontos e violência.

Madonna, que não atuava em Washington desde 2004 com a Re-Invention Tour, recordou o seu último concerto na capital norte-americana, quando as suas ideias políticas expressas no “American Life” afetaram negativamente as vendas do álbum.

“É bom estar de regresso a esta cidade, na qual ocorreram tantas coisas boas e inspiradoras, e outras tão asquerosas”, afirmou ontem a cantora nascida em Michigan. “Mas agora estão a ocorrer coisas fantásticas, porque temos feito história e estamos a lutar não somente pelo nosso futuro mas pelo de outras pessoas”, acrescentou, em alusão à candidatura de Barack Obama.

Apoio repetido a Obama

No seu primeiro concerto no Yankee Stadium de Nova Iorque, no passado dia 7, Madonna tirou o sutiã e, de costas para o público, mostrou uma tatuagem autocolante, na qual se lia “Obama!”. “Graças a Deus por Michelle”!”, gritou a cantora, referindo-se à primeira-dama dos EUA.

Também em 2008, na sua tour “The Sticky and Sweet Tour”, Madonna manifestou o seu apoio a Barack Obama em 2008 trazendo um T-shirt  estampada com o retrato do candidato democrata. Nesse mesmi ano, em plena campanha eleitoral, a cantora mostrou uma fotografia de John McCain, o candidato republicano, sobreposta a imagens dos ditadores Robert Mugabe e Adolfo Hitler. Posteriormente, mostrou Obama junto a um ícone da paz, Mahatma Gandi.

E quando Barack Obama ganhou as eleições, Madonna disse num concerto em Las Vegas: “Sim, ganhámos, ganhámos, fizemos história”.

As relações entre Madonna e o Partido Republicano azederam-se principalmente a partir de 2003, nas vésperas da invasão do Iraque, com a apresentação do disco “American Life”, no qual a cantora critica o modo de vida norte-americano e o seu consumismo voraz.

No primeiro videoclip do álbum viam-se modelos vestidos de soldados a maltratarem crianças, sob o olhar complacente de famosos e políticos. No final, um modelo lançava uma granada, que um duplo de George Bush agarrava, acendendo com ela um charuto.

O disco foi um fracasso de vendas, tendo sofrido um boicote por parte de diversas emissoras de rádio.

Madonna, que iniciou o MDNA Tour no dia 31 de maio em Telaviv,  aproveitou a sua performance em “Human Nature” para transmitir mensagens através de tatuagens nas costas, relata o “El País”. Desta forma, quando a Justiça russa condenou as Pussy Riot a dois anos de prisão por vandalismo, Madonna, ao apresentar-se em Moscovo, em agosto, exibiu a mensagem “Liberdade às Pussy Riot”.

“Só há uma única rainha, e é a Madonna, ainda”, diz Liz Smith

Madonna MDNA Tour

A famosa jornalista Liz Smith não poupou elogios a Madonna com a estréia do MDNA Tour nos Estados Unidos. Em um artigo publicado no blog doThe Huffington Post, Liz fala sobre a energia e a viagem de Madonna com a espetacular tour.

Madonna Hoje, Ainda a Rainha: Destemida, Fabulosa, Sem Fazer um Show das Antigas

“Capaz de enfrentar o medo ou o perigo sem se esquivar…resoluto…invulnerável…valente…aventureiro.” Isto é uma parte da definição da palavra “Destemido” no dicionário.

Não conheço Madonna bem o suficiente (creiam ou não) para assegurar que ela é realmente sem medo algum como mulher, ou como ser humano. De fato, ela vem admitindo ser exatamente, se não mais, insegura, do que as pessoas comuns. A fama e o constante julgamento faz isso com as pessoas. Ela é mais delicada e vulnerável do que sugere sua persona pública. Mas não importa o que ela seja com seus filhos, seu homem, seus problemas, ela permanece sem dúvida como uma das artistas mais destemidas e verdadeiras consigo do mundo. Madonna acabou de estrear a etapa americana de sua MDNA Tour na Filadélfia na segunda de noite. Estava cheia de patriotismo, louvou a liberdade de expressão americana, exigiu a libertação das artistas russas encarceradas Pussy Riot e denunciou a homofobia, como vem fazendo nos últimos 25 anos. (Muito antes de Lady Gaga dizer a seus “little monsters” que eles “nasceram assim”, Madonna exortava a seus fãs a “expressarem-se” e esteve na linha de frente da problemática da AIDS.)

“MDNA” é o que se tornou o conjunto típico de um show da Madonna – brilho que faz despertar a mente, blocos deslumbrantes, danças incríveis. E ainda há as coisas que ela faz porque quer! Ela pretende levar seu público a uma jornada. Às vezes eles não estão prontos para essa jornada. Eles querem se divertir ao som dos hits dos anos 80 e 90, apresentados tal qual Madonna fez em seus famosos clipes. (Mas que azar!) Madonna murcharia e feneceria se ela tivesse de se repetir para todo o sempre. Ela não está brincando com seus fãs, está dando a certeza de que eles cresceram. Sim, e isso apesar do figurino juvenil de majorette que veste em certo momento. Ela não está fingindo que o tempo não parou. Ela é uma mulher ainda jovem, ainda cheia de alegria. (E esperem até que veham sua banda de bateristas, no meio do ar, elevados sobre a multidão!)

Em “MDNA”, Madonna dá a seus fãs clássicos como “Open Your Heart”, “Vogue”, “Express Yourself”, “Human Nature” e “Like a Virgin”. Mas, tomando-se o exemplo de “Like a Virgin”, ela mudou totalmente o divertido hino de ser “brilhante e fresca”, em algo quase insuportavelmente obscuro. Isto é dor? É prazer? Ela está sofrendo? Ela está extasiada? Não me pergunte, e não pergunte a Madonna. Ela odeia se explicar. Ela esfica muito mais feliz quando o público interpreta por si mesmo, ou nem mesmo o faz. Madonna se considera um trabalho em progresso e dá ao público o mesmo tratamento. Se não consegue entender, não se aflija. É a vida? Quem pode explicar a vida?

Este novo show conta fortemente com seu mais recente disco, “MDNA”. E embora o CD não tenha vendido tão espetacularmente como os seus sucessos passados, o público, excitado (como se quase estivesse morrendo devido ao calor) e histérico ficou doido por canções mais novas como as que abrem o show, “Girl Gone Wild”, “Revolver” e “Gang Bang”. Este é o tão criticado bloco “violento” do show, mas muitos pensaram que era menos assustador e mais uma paródia ao culto à violência, sem mencionar alguns sentimentos tumultuados arrancados do peito dela sobre seu ex, Guy Ritchie. Ela canta no cenário de um quarto de hotel xexelento, bebericando uísque e sendo atacada por assassinos estilo ninja vestidos de preto. É histriônico. É asqueroso. É Madonna. O palco é cheio de movimento, os blocos convidam à asfixia, os backdrops e visuais hipnotizadores. (Incluindo uma versão nova maravilhosa em preto-e-branco de “Erotica” (sic) [acreditamos que ela tenha falado de “Justify My Love”] e a controversa “Nobody Knows [Me]“, com suas imagens de violência, revolução política ao redor do mundo, e um tributo que faz chorar aos adolescentes gays que se suicidaram.) A voz de Madonna, quando ela canta totalmente ao vivo, é eficaz e comovedora, em especial em “Masterpiece”.

Ela ainda não cantou “Aida”, mas ela dá umas canjas. Seus passos permanecem um milagre atlético, para qualquer idade. Ela se mostra melhor do que em qualquer outra turnê anterior recente, mantendo seu peso em forma e se mostrando completamente cheia de alegria. Em dado momento ela declara, “às vezes é mais fácil mostrar seu traseiro do que seus sentimentos.” Naturalmente, naquele momento, ela mostrava ambos! Madonna completou a noite sacudindo o público com um frenesi que incluía “I’m a Sinner”, “Like a Prayer” (que se mostrou uma canção tão sólida, bonita e laudatoriamente selvagem que foi literalmente uma experiência religiosa) e a saltitante “Celebration”, na qual seu belo jovem filho, Rocco, deu à mamãe alguma concorrência na parte da dança.

Se vocês querem Madonna cantando as velharias, no mesmo tom, os mesmos figurinos, o mesmo estado de espírito, “MDNA” poderia decepcionã-los. Se vocês querem ver uma mulher ainda lutando a boa luta, tentando divertir, educar e chocar seu público, vocês estão em um passseio de montanha-russa, com a própria Madonna no controle. Só há uma única rainha, e é a Madonna, ainda.

Madonna divulga manifesto sobre uso de armas na “MDNA TOUR”

MadonnaMadonna, que estreia a etapa norte-americana da “MDNA Tour” nesta terça (28/8), divulgou um manifesto explicando o uso de armas no seu show, MDNA TOUR. Ela não quer ser mal interpretada após a série de chacinas e massacres que aconteceram nos EUA, como o recente no Empire State Building e o da pré-estreia de “Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge”.

No texto do manifesto, a Rainha do Pop esclarece que seu show é como um musical sobre a viagem das trevas até a luz (por isso, ela aparece logo no início com uma metralhadora). “É verdade que há muita violência no início do show e às vezes são utilizadas armas de mentira, mas são apenas metáforas. Eu não tolero violência ou uso de armas”, se posicionou, no momento em que os EUA rediscutem sua política de venda legal de armas.

Confira o manifesto na íntegra abaixo:

“Meu show é uma viagem
Uma viagem de uma alma das trevas até a luz
É uma peça cinematográfica e musical
Um espetáculo e algumas vezes uma performance de arte intimista
Mas sobretudo, é uma viagem
Da escuridão para a luz
Da ira ao amor
Do caos à ordem
É verdade que há muita violência no início do show e às vezes são utilizadas armas de mentira, mas são apenas metáforas.
Eu não tolero violência ou uso de armas.
Ao contrário, esses elementos são símbolos para querer parecer forte e encontrar uma maneira de parar os sentimentos que eu acho ofensivo ou prejudicial.
No meu caso, é uma vontade em parar com as mentiras e hipocrisias da igreja, da intolerância de tantas nações que conheci através da minha vida e, em alguns casos, da dor que eu já senti por ter meu coração partido.
Observando através dessa jornada de minha história, o público pode ver claramente o que eu vejo – o inimigo mora dentro de cada um e a única maneira de sobreviver às decepções, desaprovações, julgamentos, inveja, ciúmes, ódio, corações partidos, é com amor e não com revanche, não com armas e não com violência.
Apesar de todo o caos, ignorância e intolerância que vemos cada vez mais e mais no mundo, não podemos deixar que nossa raiva ou amargura nos engula.
Passamos a entender que há um amor inato e puro dentro de todos nós e temos que encontrar uma maneira de aproveitá-lo.
E não podemos fazer isso sendo vítimas, colocando a culpa em alguém ou apontando nossos dedos ao próximo.
Mas entendendo que o inimigo existe dentro de nós, passamos a entrar num acordo para tentar mudar nós mesmos e com isso podemos mudar o mundo sem ferir ninguém, e inspiramos os outros a fazerem o mesmo.
Quando você assiste a um filme, há mocinhos e bandidos que ajudam a ilustrar a história e às vezes faço esses dois papéis.
Eu gosto de atuar fora desse enredo.
Pois nenhum de nós é perfeito e temos nosso próprio caminho de crescimento para seguir em frente.
Eu sei que as pessoas podem se relacionar com isso.
Mas é muito importante para mim, como artista, que meu show não seja tirado do contexto.
Ele deve ser assistido com os corações abertos, de seu início ao fim. E tenho certeza que se for visto dessa forma, as pessoas irão seguir em frente sentindo-se inspirados, revigorados e irão querer fazer do mundo um lugar melhor para viver.
E isso, claro, sempre foi a minha intenção.
MADONNA”

Listagem dos albuns mais vendidos em 2008

Coldplay Viva La Vida Or Death And All His Friends 5.518.000
Amy Winehouse Back To Black 4.539.000 *o*
Duffy Rockferry 3.611.000
Leona Lewis Spirit 3.152.000
Madonna Hard Candy 3.034.000
Lil Wayne Tha Carter III 2.806.000
Rihanna Good Girl Gone Bad 2.745.000
Soundtrack Mamma Mia! 2.657.000
Jack Johnson Sleep Through The Static 2.555.500
Metallica Death Magnetic 2.429.000
Michael Jackson Thriller (25th Anniversary Reissue) 2.187.000
Alicia Keys As I Am 2.051.000
Kid Rock Rock’n’Roll Jesus 1.998.000
Mariah Carey E=MC2 1.830.500
Usher Here I Stand 1.699.000
Radiohead In Rainbows (Physical Release) 1.685.000
Jonas Brothers Jonas Brothers 1.527.000
Chris Brown Exclusive 1.437.500
Soundtrack Camp Rock 1.380.000
Taylor Swift Taylor Swift 1.302.000
Michael Bublé Call Me Irresponsible 1.262.000
OneRepublic Dreaming Out Loud 1.250.000
Miley Cyrus Breakout 1.227.000
Jonas Brothers A Little Bit Longer 1.225.000
Soundtrack High School Musical 2 1.214.000
Soundtrack Juno 1.170.500
R.E.M. Accelerate 1.150.000
Eagles Long Road Out Of Eden 1.138.500
Colbie Caillat Coco 1.116.000
Amy MacDonald This Is The Life 1.084.000
Led Zeppelin Mothership 1.072.000
Disturbed Indestructible 1.070.000
Robert Plant / Alison Krauss Raising Sand 1.062.000
Lenny Kravitz It’s Time For A Love Revolution 1.031.500
James Blunt All The Lost Souls 1.028.500
Andrea Bocelli Vivere (The Best Of Andrea Bocelli) 1.020.000