10 motivos que provam que Madonna virá com um ótimo álbum

2009 MTV Video Music Awards - Press Room

O amor de Madonna pelo Instagram nos permitiu vê-la de novas maneiras – uma orgulhosa mãe de quatro filhos, expert em limpeza, #putasemremorsos – mas, talvez, o melhor do fato da Rainha do Pop ter descoberto a câmera do iPhone é a quantidade de informação sobre o novo álbum que ela tem atirado. Vimos fotos em estúdio, folhas com letra de música e trechos de um coral gospel e de uma orquestra em ação… algo bem emocionante está acontecendo, o que é um alívio. Para muitos fãs, Madonna nunca precisou de um álbum fantástico mais do que agora.

A última vez em que ela recebeu aplausos universais foi em 2005, quando o álbum Confessions On A Dancefloor misturou versos viciantes, letras afiadas e a produção vibrante e animada de Stuart Price para criar um clássico do pop moderno. Desde então, entretanto, as obras musicais de Madonna têm sido um pouco mais imperfeitas. Os ritmos urbanos de Hard Candy (2008) e o pop technicolor de MDNA (2012) tiveram um resultado calmo. Entre os dois, veio a compilação desleixada Celebration. Algumas pessoas, inclusive, foram longe demais e disseram que a Rainha do Pop “havia perdido o talento”.

Claro que isso é besteira. Apesar dos álbuns terem perdido um pouco da qualidade desde Confessions (e, francamente, não há desculpa para Revolver), quando Madonna acerta, ninguém é melhor do que ela. Eis 10 faixas brilhantes que ela gravou desde 2005, que provam que Madonna ainda tem muito talento.

1. Give It 2 Me
Give It 2 Me, o segundo single de Hard Candy, mostra o melhor do trabalho de Madonna com Pharrell Williams. A faixa tem os ritmos hipnóticos de Blurred Lines, sem a letra estranha ou as caretas de Robin Thicke. Como não amar?

2. Devil Wouldn’t Recognise You
Não deixe a introdução lenta te enganar. Esta faixa é mais sombria do que muito material recente de Madonna. Co-produzida por Justin Timberlake, Devil mostra Madonna confrontando um amante cheio de lábia, que se encurralou. É uma das melhores letras escritas por ela em anos.

3. She’s Not Me
Escrita quase no fim do casamento com Guy Ritchie, o ritmo dos anos 80 traz Madonna alertando seu amante que nenhuma outra mulher jamais a vencerá. O melhor deste épico de seis minutos não é a atitude da Rainha do Pop, mas a inacreditável pausa na metade da faixa, que revela um pânico na suposta confiança de Madonna. Conforme ela repete She’s Not Me várias vezes, fica difícil dizer se ela o está desprezando, ou se convencendo.

4. Candy Shop
Sim, é nesta que Madonna rosna My sugar is raw, sticky and sweet (quase 20 vezes, na verdade). Pare um pouco, sacode a poeira e se recupere. Encontre batidas R&B com uma vaga linha de baixo e versos espalhados. Candy Shop pode ser “grudenta e doce”, mas é bem por causa da geleia que é.

5. Celebration (Benny Benassi Remix)
Apesar da versão na compilação Celebration soa um pouco antiquada, o remix em vídeo é justamente uma revelação. Uma produção implacável respira novamente e o destaque é, sem dúvidas, quando tudo se distancia antes do refrão, para terminar numa batida eufórica que simplesmente exige que você jogue os braços pra cima. Ouça no trabalho, por sua conta e risco!

6. I’m Addicted
Esta é a joia na coroa do MDNA. Evocando as batidas bizarras do início do Daft Punk, I’m Addicted é uma produção eletrônica cheia de tensas camadas musicais. No fim, a canção oscila e desmorona em um delírio permanente. O sucesso que ficou de fora.

7. Love Spent
Muitos geralmente reclamam que as letras de Madonna não são mais pessoais – uma crítica rebatida por Love Spent. Apontando o dedo para Guy Ritchie pelo término do casamento, Madonna oscila entre farpas (“Acho que se eu fosse seu tesouro, você teria me apreciado mais”) e o desejo de assumir o valor do dinheiro que ele, aparentemente, amava tanto. O fato da canção trazer ecos de Hung Up é apenas a cereja no topo de um bolo extremamente agridoce.

8. Some Girls
Ela começa com uma sirene de festa rave. Algo mais precisa ser dito? Bem, talvez o fato dela ser uma das canções mais irritáveis de Madonna, por ela citar arquétipos femininos antes de destruí-los com batidas eletrônicas e turvas. “Algumas garotas não são como eu” – não há verdade maior. Um básico hino de destruição!

9. Turn Up the Radio
Fora de contexto, o refrão poderia soar arrastado e sem inspiração, mas, quando parte desta faixa bem construída, Turn Up The Radio é irresistível. É uma fantasia de fuga doce e comovente: quando a vida estiver ruim, tudo dá certo se ligarmos o rádio. Isso, felizmente, é algo que sempre fizemos facilmente por ela.

10. Gang Bang
Estrondosa, ridícula e brilhante. E co-escrita por Mika! Só Madonna!