22 razões por que Madonna foi a melhor cantando Borderline no Jimmy Fallon

Madonna - Borderline - Jimmy Fallon - Obama 2016

1) Cantar Borderline não foi a escolha óbvia. Madonna nos surpreende mais uma vez;
2) A nova versão tem uma entrada jazz incrível;
3) Madonna adotou o visual clássico “mulherão”, à la Bad Girl;
4) A voz dela! Simbólica outra vez, Madonna nos lembra de que podemos ser os melhores se quisermos: ela não tem a voz mais incrível, mas sabe cantar;
5) Madonna está feliz;
6) Madonna está confiante. “Vadias, estou aqui!”;


7) Emoção: vimos uma lenda viva cantando um clássico. Isso é História!;
8) Os passos de dança clássicos nos dá arrepios;
9) O coral transmite alegria, como em Like A Prayer ;
10) Os músicos são fantásticos;
11) Os crucifixos;
12) Madonna mostra que a sobriedade é linda. Preto e branco a servem muito bem. E, de novo simbolicamente, “não importa se é preto ou branco…”;
13) Madonna insiste em iniciar uma Revolução de Amor;
14) A Madonna de hoje ficaria linda em um filme clássico noir dos anos 50;
15) Madonna transmite pura emoção;
16) Preste atenção quando ela começa o refrão. É lindo demais!;
17) Madonna finaliza a canção de forma bem tranquila;
18) Ela entrega um pouco de humor no fim da performance;
19) Madonna se joga no chão ao agradecer. Ela é clássica, mas também erótica e sensual. Mais uma vez, ela ensina a ser simples e complexa;
20) Madonna rola no chão e acha graça quando Jimmy Fallon faz o mesmo. Ela se lembra de que rir de nós mesmos talvez seja uma das coisas mais importantes da vida. “Ei, Vadias, por favor, não se levem tão a sério, porque ninguém mais o faz!”;
21) O ÍCONE permanece quando ela diz “Me leve, me leve além do limite”. Lembre-se sempre de ser uma versão melhor de si mesmo;
22) Madonna nos fez chorar e sorrir. Obrigado, RAINHA. Com certeza, amamos você!

DOWNLOAD DO ÁUDIO
ASSISTA AO VÍDEO