Madonna fala de Nicki Minaj, de Stromae, Rebel Heart e turnê!

Madonna vem dando várias entrevistas para promover o novo álbum Rebel Heart. A rádio francesa NRJ conseguiu exclusividade na França e disponibilizou um trecho da entrevista.

CONTE-NOS MAIS SOBRE LIVING FOR LOVE. VOCÊ TRABALHOU COM UMA EQUIPE FRANCESA QUE COLABOROU COM A BANDA POP CHRISTINE AND THE QUEENS.
Sim, são ótimos. Adoro a música deles. (Living For Love) É uma canção sobre ter o coração partido, mas dizer: “Sabe de uma coisa? Minha vida continua, e eu seguirei em frente. Não vou deixar de acreditar no amor. Vou pegar minha coroa de volta e colocar na cabeça, e viver orgulhosamente, acreditando que o verdadeiro amor existe de verdade”.

COMO FOI O TRABALHO COM NICKI MINAJ DESTA VEZ?
Quando trabalhamos juntas, ela sempre chega e senta comigo pra ouvir a canção. Daí, ela diz: “Conte pra mim o que você quer dizer com esta canção”. A gente só conversa, compartilha ideias sobre a canção. Ela ouve tudo, vai pra casa e pensa a respeito. Sei que ela se vê como uma mulher forte que tem de lutar pelo que faz, pelo que acredita. Ela também é provocante às vezes. Pra ser uma rapper de sucesso… o mundo do rap é dominado por homens, então eu a respeito. Acho que temos uma sinergia quando trabalhamos juntas.

FOI IDEIA SUA TRABALHAR COM AVICII?
Foi ideia do meu empresário. Sempre gostei de algumas músicas dele que tocavam no rádio, então quis trabalhar com a equipe dele, com os compositores com quem ele trabalha. Consegui e o resultado ficou muito bom.

E O (CANTOR BELGA) STROMAE?
Na verdade, eu o conheci há quatro anos, e conversamos sobre trabalharmos juntos. Ele veio à minha casa há alguns meses, antes do Natal, e conversamos mais uma vez. Quem sabe um dia? Eu gosto dele.

O NOVO ÁLBUM É AUTOBIOGRÁFICO?
É difícil analisar o quanto é autobiográfico e o quanto é fictício, pois, algumas vezes, quando componho, atinjo algo bem pessoal; e, em outras, eu crio e compartilho coisas da minha própria experiência. Daí, tudo se mistura em uma grande panela e eu não sei mais a diferença ou a linha tênue que separa arte da vida, ou ficção da não-ficção. Estou apenas canalizando esta informação. São experiências pessoais minhas e de outras pessoas, e junto tudo pra contar uma história.

O NOVO ÁLBUM SE CHAMA REBEL HEART. SER REBELDE É IMPORTANTE PRA VOCÊ?
Vivemos numa época em que os artistas não são motivados a serem rebeldes. Não encorajamos o artista de hoje a serem autênticos, a expressarem opiniões, a pensarem fora da caixinha, a correrem riscos. Acho que é importante chamar atenção à ideia de que ser rebelde é parte da arte. Sei lá… Só quero destacar isso. Também é importante acrescentar a palavra “coração”, pois não cabe apenas ser rebelde à toa. Acho que também é importante que as pessoas saibam que o amor é parte da minha rebeldia.

VOCÊ É BEM PROVOCANTE. ISSO TAMBÉM É SER REBELDE?
Não necessariamente significa a mesma coisa. Você poderia se rebelar contra algo, algum tipo de opressão ou discriminação, mas não necessariamente ser provocante. Você pode também ser provocante, sem se rebelar. Claro que eles podem se cruzar e significar a mesma coisa, mas não necessariamente o são.

VOCÊ JÁ PENSA NA PRÓXIMA TURNÊ?
Tenho algumas ideias, mas estou focada na conclusão do meu álbum, na filmagem do primeiro clipe, na preparação para o Grammy. A próxima turnê é apenas uma ideia, que ainda não está pronta.